27 de maio de 1987, a melhor colheita de FC Porto: a vitória na Taça dos Clubes Campeões Europeus

27 Maio 2017195

Recuámos exatamente 30 anos para acompanhar o Bayern-FC Porto da final da Taça dos Clubes Campeões Europeus como se fosse hoje. Madjer, Futre, Artur Jorge, Juary, André e Casagrande comentam o jogo.

Toque de Sousa para Madjer, atraso do argelino, bola a rolar, início de jogo. Os assobios enquanto o FC Porto tem a posse já indiciam qualquer coisa, a ovação no primeiro corte de jogadores do Bayern mostra o resto: Viena recebe mesmo um confronto entre Golias e David (dentro e fora de campo), que ainda por cima está limitado com as ausências por lesão de Lima Pereira, Gomes e Jaime Pacheco. E no primeiro ataque, Hoeness, o calmeirão de 34 anos e 1,90 metros, consegue cabecear a bola na área um pouco ao lado, num lance onde Madjer aparece a defender quase no limite da área.

O ataque dos dragões está entregue a Futre, o camisola 10. E só Futre. Grande parte da Europa está de olhos neste canhoto capaz de fintar dois e três adversários numa cabine telefónica, mas ele joga sozinho nos últimos 30 metros do campo. Por estratégia, nitidamente: Madjer baixa na direita para vigiar as subidas de Pfügler, Quim com a ajuda de Sousa tenta travar as investidas de um dos melhores laterais direitos da atualidade, Winklhofer. Até que Jaime Magalhães dá um abanão no jogo, com uma jogada onde finta o primeiro, desvia o segundo e coloca a bola para ir tentar buscar em corrida às costas da defesa bávara antes de sofrer uma entrada dura que o atira sem piedade para o chão agarrado à perna. Ele, melhor do que ninguém, sabe a importância desses momentos na final de uma prova europeia. Até porque ele, a par de João Pinto, Eduardo Luís e Sousa, esteve na derrota frente à Juventus na Taça das Taças de 1984.

"Preparámos o jogo para fazer uma primeira parte defensiva, em 4-5-1, só com o Futre lá na frente, como um vagabundo, e fomos ao ataque após o intervalo. Como estávamos sem os capitães Lima Pereira e Gomes, ambos lesionados, entrámos nervosos e consentimos aquele golo de um lançamento lateral. Na verdade, o Bayern era mais forte que nós. No papel, digo. Tinham experiência, categoria e tanto jogador bom, como Pfaff, Brehme, Matthäus e Höness. Daí que até achasse natural o presidente do Bayern já ter preparado um discurso de vitória. Acontece que nós éramos fortíssimos"
Madjer

O FC Porto mantém a sua estrutura muito junta, a fechar todos os espaços, mas o Bayern tenta de todas as maneiras chegar à área dos dragões. Todas as maneiras e feitios: até os lançamentos laterais servem para colocar diretamente a bola na molhada à espera de um golpe de sorte, com o polivalente Brehme a mostrar força de braços para Eduardo Luís contrapor com força no jogo aéreo. Os azuis e brancos atacam pouco mas mais ou menos bem, dentro do género. Mas o banco está nervoso: o adjunto Octávio Machado bate com os pés, o delegado ao jogo fuma um cigarrito. As equipas anulam-se e quem mostra serviço são os responsáveis do relvado do Prater, em Viena, que carregaram e bem nas marcações do campo: cada vez que a bola toca numa das linhas, salta sempre uma nuvem de pó. A cal é boa e recomenda-se.

Lothar Matthäus, o capitão faz-tudo do Bayern, pensa a construção de jogo, orienta a primeira fase de transição defensiva e ainda marca livres: aos 22′, um toque bastou para a desviar a bola da barreira e colocá-la a jeito para o pontapé forte mas à figura do guarda-redes Mlynarczyk. Ai é? Então toma lá: um minuto depois, Celso, que está acostumado a marcar livres diretos (quem se esquece do balázio que enganou Vítor Damas frente ao Sporting), atira forte, fortíssimo, mas ao lado da baliza desse vulto das balizas mundiais que é Jean-Marie Pfaff.

"Tínhamos entrado mal no jogo. E assim como no início achávamos que íamos ganhar, naquele momento achávamos que íamos perder. Aí foi o mérito do senhor Artur Jorge, é dele porque conseguiu, com meia dúzia de palavras fez com que nos batesse no coração. Olhava para os colegas e via-se o olhos vermelho, sentiram a reação. 'O que adianta chegar à final, com a família em casa um ano a viajar, apanharam chuva, a comer atrasados? Têm 45 minutos para mostrar isso às vossas famílias e aos adeptos'
André (em declarações à RTP)

Mas já se sabe, no futebol a mínima distração é a morte do artista. Mas acontece: aos 25′, Jaime Magalhães coloca-se junto à linha para perturbar o lançamento de Pfügler, o árbitro belga Alexis Ponnet pede ao número 7 para ir para trás, o lateral faz o arremesso de forma rápida, o médio azul e branco desvia apenas de raspão a bola e Kögl, de cabeça, faz o desvio certeiro para a baliza dos dragões. O Bayern adianta-se no marcador na final de Viena.

Rummenigge, Michael, não é tão bom como o irmão Karl-Heinz mas vai aproveitando os poucos espaços entre linhas para tentar aparecer. Hoeness, Dieter, não é tão bom como o irmão Uli mas vai desgastando a defesa portista com a sua envergadura física. Mas é Kögl que marca e faz a diferença em campo, com os seus raides pelo flanco esquerdo. Ainda assim, em vantagem, o Bayern tanta chamar o FC Porto, trocando a bola cá atrás. Os dragões não se deixam cair no engodo e continuam com Madjer, o dianteiro que brilhava desde o Mundial de 1982 entre os vários períodos de lesões, mais preocupado em defender do que propriamente em ajudar Futre no ataque. Rummenigge (39′) e Hoeness (42′) tentam o 2-0. Celso, de livre direto, ameaça o empate (45′). E chega o intervalo.

"Conversámos sobre o que se estava a passar, referi que estavam a perder uma oportunidade única nas suas vidas. Senti que os jogadores não estavam a aproveitar aquela oportunidade e alonguei-me na palestra. Teve resultado"
Artur Jorge

Artur Jorge lê o jogo ao intervalo e mexe. Mexe e bem, não só pela substituição em si mas também pelo posicionamento dos jogadores em campo: Juary, o talismã que passou por várias equipas italianas e que todos têm na retina pelos três golos ao Barcelona, junta-se a Futre no ataque, Madjer passa a atuar em terrenos mais centrais, Jaime Magalhães e Sousa ocupam posições mais laterais no meio-campo. Algo que o Bayern nunca consegue contrariar durante a segunda parte. Nem sequer perceber, para tentar travar.

Madjer, com dois remates de ressaca de fora da área a passarem ao lado, deixa os primeiros avisos. E Udo Latek, técnico dos bávaros, sai disparado do banco, louco com a forma como Artur Jorge transformara David em Golias no domínio do encontro. Depois, é Sousa que arrisca a sua sorte, mas a bola passe de novo ao lado. O Bayern, no único lance de perigo nos primeiros 15 minutos, fica a queixar-se de uma grande penalidade não assinalada por falta de João Pinto sobre Kögl. Duvidoso, certo. Mas num jogo tão ríspido dentro do fair-play, a coisa passa bem. Até porque está bonito, com Futre a fintar um-dois-três-quatro até rematar de pé esquerdo ao lado.

"A chave foi a palestra motivacional que tive ao intervalo, a melhor que tive na carreira. Mal entrei tenho logo uma jogada de génio, mas com finalização de amador"
Paulo Futre

Artur Jorge olha para o banco. Há Festas, há Frasco, voltou a haver Casagrande, o avançado brasileiro que parece recuperado da grande lesão contraída com o Bröndby em Copenhaga. A fórmula das últimas semanas está de regresso e agora é a sério: sai o lateral esquerdo Inácio, entra o médio Frasco. Eduardo Luís, central, descai para a esquerda, Celso fica sozinho no eixo, André recua quando os dragões não têm bola. Tudo pronto para o ataque final ao golo do empate, frente a uma equipa do Bayern que está sem gasolina e olha para Udo Lattek mas não vê aditivo extra à vista. Golias era um tigre de papel que podia cair ao mínimo sopro. É isso que acontece. E que sopro.

"O treinador Artur Jorge queria colocar-me na decisão. Na véspera da final com o Bayern, no treino da noite, ainda fiz um teste mas só conseguia correr em linha recta, não fazia curva de jeito nenhum. Acabei por ficar no banco"
Casagrande

Eduardo Luís faz o lançamento para Celso, joga à frente em André, lateraliza em João Pinto, varia o jogo para Eduardo Luís, dá na frente em Madjer, atrasa para André, devolve a João Pinto, dá em Eduardo Luís, passa a Frasco, combina com Juary, bola em Frasco, solicitação de Juary na área, cruzamento atrasado, calcanhar de Madjer… gooooooooooloooooo do FC Porto. Uma obra-prima terminada com classe e que tem a bola nos pés dos jogadores portistas durante 46 segundos. Os mesmos 46 segundos que mudam por completo a final.

"O melhor golo de calcanhar não foi esse, embora seja o mais falado em todo o mundo, porque foi numa final e com o poderoso Bayern. Hoje, se falarem de um golo à Madjer, todos sabem como é. Mas a seguir ganhámos 7-1 ao Belenenses, marquei três golos, o último deles de calcanhar, mais bonito que o de Viena"
Madjer

Madjer está cansado. Espremido ao máximo. Vai até à linha lateral e, enquanto Rodolfo Moura vai aplicando o milagroso spray nos gémeos para aguentar os 13 minutos que faltam para o final do encontro, Domingos Gomes fala com o argelino enquanto agarra o garrafão da água. Madjer reentra em campo. E, 81 segundos depois, aos 79′, o golo adianta-se no marcador: passe longo de Celso para a esquerda, raide em velocidade de Madjer que deixa sentado no chão Winklhofer, cruzamento de pé esquerdo e Juary, ao segundo poste na pequena área, encosta para o 2-1 que poucos acreditariam no início do jogo mas que todos esperavam ao longo da segunda parte.

"No primeiro golo, não sei o que deu na cabeça do Madjer. No segundo, a minha intenção era marcar de cabeça mas de repente a bola cai e fui lá com o pé, bate e entra. Mas a ficha só me caiu mesmo quando estávamos dentro do avião. Parecia que estava destinado"
Juary

O tempo passa, as buzinas da zona das bancadas dos adeptos do FC Porto até parecem ter um som mais rouco. Já estamos no período de compensação e os fotógrafos, num passo vagaroso, saem da linha de fundo para se prepararem para a festa. Alguns estão mesmo em frente ao banco dos azuis e brancos, mas ainda de costas para a alegria contagiante que está prestes a rebentar. Final do jogo, loucura em Viena!

Estávamos a 27 de maio de 1987. Exatamente há 30 anos. Mas podia ter sido hoje, tal como o relato da primeira conquista europeia de sempre do FC Porto neste texto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)