Tojó. De homicida macabro a analista financeiro

António Jorge tinha 25 anos quando foi condenado à pena máxima por ter assassinado os pais. Há 17 anos preso, o autor do crime macabro é um recluso "irritantemente" bem comportado. E procura emprego.

Por Rita Cipriano, Sónia Simões