Olá

831kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

AD fecha à chuva e sob a capa do Governo, a pedir o voto dos arrependidos das legislativas

Montenegro quer uma "vitória substancial" no domingo e para isso valeu tudo, até deixar parte do fato de primeiro-ministro na última ação de campanha da AD. Quem votou PS e Chega no centro da mira.

As duas últimas semanas da AD foram passadas a negar a “nacionalização” da campanha, que é como quem diz o aproveitamento da governação e das questões nacionais para juntar tudo no mesmo saco e entendê-lo aos eleitores. Mas o contexto político nacional esteve sempre por lá e entrou com tudo e a várias vozes na reta final. A descida do Chiado, no fecho da campanha às Europeias, foi curta em mobilização, mas voltou a contar com o líder do PSD que, debaixo de chuva e de uma questão levantada pelo governador do Banco de Portugal, usou a capa de primeiro-ministro para proteger a coligação.

As palavras do ex-ministro das Finanças de governos socialista e atual governador do BdP tiveram direito a resposta de Montenegro que, na ação mais simbólica de qualquer campanha eleitoral, garantiu que o seu Governo tem “a situação completamente controlada”. Ali perto, e também a participar na arruada do Chiado, estava também o ministro das Finanças, Joaquim Miranda Sarmento. Numa altura em que a AD tenta imputar ao PS um descontrolo orçamental nos últimos dias de governação, nada pior do que um alerta para o regresso do défice que penaliza sempre quem está ao comando.

O aviso de Centeno, “sem distinção” para Governo e oposição: há um fosso de pelo menos três mil milhões nas contas para 2025

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na AD parece não ser suficiente ficar à frente como nas legislativas, precisa que a vantagem seja mais clara e Luís Montenegro disse isso mesmo durante a descida do Chiado ao pedir uma “vitória substancial”. Já tinha ficado claro nas entrelinhas de toda a campanha, que se fez apoiada em ataques a PS e Chega e à “coligação negativa” ou “relação simbiótica”, como lhe chamou Nuno Melo, que os dois têm mantido no Parlamento. A única solução para contrariar novo quase-empate eleitoral das legislativas é tentar tirar votos diretamente a esse novo conjunto e esperar que os eleitores que nas últimas eleições escolheram os dois partidos estranhem tanto a parceria dos últimos dois meses como os partidos da AD.

Luís Montenegro apostou tudo na diabolização e no combate a esta frente, para tentar manter o Governo sem apertos no dia 10 de junho, o seguinte às eleições. Garantiu, em vários comícios em que participou durante a campanha, que qualquer que seja o resultado o Governo seguirá. E no fecho do Chiado falou muito diretamente aos arrependidos, ou nas suas palavras “desiludidos”.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Começou por apontar a quem votou no PS ou no Chega, referindo que “há muitas razões para estarem desiludidos” com os dois partidos. Depois dirigiu-se a cada grupo em específico: “Quero perguntar a um votante do PS se está satisfeito por ver o seu partido, que tanto ergueu a sua voz contra o Chega, que ergueu uma linha vermelha ao PSD, se está satisfeito ao ver o PS a aprovar coisas ao colo do Chega” e aos do Chega se “estão satisfeitos por terem votado numa força política que prometeu combater o socialismo e que agora vota no parlamento ao lado das propostas socialistas”.

[Já saiu o quarto episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui o primeiro episódio, aqui o segundo episódio e aqui o terceiro episódio]

O apelo chega no comício final de uma campanha que já vinha nesta linha de ataque aos dois partidos, na tentativa de conquistar eleitorado moderado. E foi por isso que acusou os dois partidos de trocarem “as convicções por conveniências”, em “jogos políticos” que quer que os eleitores aproveitem as Europeias para penalizar. Ainda que tenha assumido, desde a primeira participação nesta campanha, que vencer mais uma eleição era “muito difícil”,  o líder do PSD acabou a confiar que será possível: “Confio muito que vamos vencer as eleições, vamos continuar a governar bem o país para respeitar quem trabalha.”

Fez a descida ao lado do candidato independente que escolheu para estas eleições, mas Sebastião Bugalho teve consigo a nada dos dois maiores da coligação — o PPM teve uma participação mais do que discreta nesta campanha –, com Nuno Melo a voltar pela terceira vez a um comício. Mas também houve ex-líderes, como Manuela Ferreira Leite e Assunção Cristas, ou figuras como Leonor Beleza ou Carlos Moedas, que é o mandatário nacional da candidatura da AD nestas Europeias, e que acabaram por apanhar a chuva que, à hora da arruada da coligação, caía em Lisboa.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

No entanto, a bátega maior foi sobre os socialistas com Nuno Melo e Sebastião Bugalho a cumprirem nos ataques a essa frente. Ambos falaram, como em toda a campanha, nos extremismos, explorando o que a AD diz ser uma radicalização do PS. Depois da geringonça e dos acordos à esquerda, a coligação da direita diz que os socialistas estão agora colados ao lado oposto. “Na AD combatemos ditaduras desde Nicolas Maduro a Vladimir Putin, passando por Lukashenko”, afirmou Nuno Melo no palco sob o arco da Rua Augusta.

E depois dele também o cabeça de lista da AD disse que, perante os últimos dois meses de aprovações parlamentares com maiorias que juntam PS e Chega, “é simples e clara” a escolha do próximo domingo. O seu apelo final foi sobretudo para os “democratas e moderados”, contra os “extremismos” que durante toda a campanha colou ao PS que se aliou à esquerda para governar em 2015 e à extrema-direita para não deixar governar, agora em 2024 — uma fórmula que repetiu nos últimos comícios. Sebastião Bugalho fechou a exibir o a ideia de “moderado” mas também o estatuto de “independente”, apontado ao mesmo alvo que Montengro: ir buscar quem possa estar impressionado com supostas radicalizações.

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada