i

Pedro Marques e António Costa junto a Paulo Cafôfo, o candidato do PS às próximas eleições regionais na Madeira

LUSA

Pedro Marques e António Costa junto a Paulo Cafôfo, o candidato do PS às próximas eleições regionais na Madeira

LUSA

António Costa e Pedro Marques aproveitam campanha das europeias para pedir "mudança política" na Madeira

Num dia de campanha passado nas regiões autónomas, António Costa e Pedro Marques aproveitaram a passagem pelo Funchal para falar de "mudança política" na Madeira. Costa diz que europeias são "3 em 1".

O secretário-geral do PS admitiu hoje ter “uma obsessão” pelas regiões autónomas, considerando que o voto nas europeias é “um três em um” para a mudança política na Madeira, em setembro.

“Eu tenho mesmo uma obsessão pela Madeira, porque o Porto Santo e a Madeira não são menos que os portugueses do continente”, disse António Costa num comício no Funchal, no âmbito da campanha para as eleições europeias que se realizam a 26 de maio, que reuniu cerca de mil pessoas.

O líder socialista complementou que essa “obsessão” se estende também aos Açores, assegurando que o partido “respeita a identidade própria das regiões” e está convicto de que os dois candidatos destes arquipélagos “vão ser eleitos no próximo domingo”, porque “não há eurodeputados a meias”.

“Quando no próximo domingo formos votar, todos temos de saber que o voto no PS é três em um”, disse.

Costa argumentou que é um dos votos é para “dar força à Europa” e “continuar a apoiar o desenvolvimento” de Portugal, outro para “dar força à Madeira e Portugal para que na Europa e se defendam os interesses de todos os portugueses, madeirenses e porto-santenses”.

“Mas é também votar para dar força à mudança que começamos na República há três anos e meio e que queremos continuar aqui na Região Autónoma da Madeira com a grande vitória de Paulo Cafôfo”, o candidato a presidente do Governo Regional nas eleições regionais de 22 de setembro.

No Tecnopolo, no Funchal, Madeira, Costa fez também um apelo ao voto em Paulo Cafôfo, que os socialistas acreditam poder vir a romper o cicli de décadas de governação PSD na região

LUSA

O secretário-geral do PS sublinhou que a mudança já foi conseguida no Governo da República, nos Açores, em quatro municípios da Madeira (Funchal, Machico, Porto Monis e Ponta do Sol), reforçando: “Vamos provar ser possível quando no dia 22 setembro, os madeirenses e porto-santenses escolherem Paulo cafofo para ser próximo presidente da Madeira”.

Costa deixou ainda uma palavra à diáspora, sobretudo de solidariedade aos portugueses que permanecem na Venezuela nesta altura de dificuldades.

“Juntos fazemos Portugal. Juntos fazemos Europa”, considerou, apontando ser “essencial que Madeira esteja no centro do coração do projeto europeu”.

Sobre a candidata da Madeira, Sara Cerdas, uma médica de saúde pública e doutoranda pela Universidade de Estocolmo, que regressou à região para estar neste projeto, mencionou que no Parlamento Europeu “não vai representar só a Região”, mas “uma nova geração de portugueses que tem 30 anos, já nasceu depois da adesão à União Europeia”.

António Costa seguiu depois para os Açores para continuar ações no âmbito da pré-campanha europeia.

Pedro Marques: Vento está a “arrebatar” a mudança política na Madeira

O cabeça de lista do PS às eleições europeias, Pedro Marques, afirmou hoje na Madeira sentir que “o vento está a arrebatar a mudança nesta região”, defendendo um novo ciclo de desenvolvimento.

“Quanto mais venho à Madeira mais sinto que esse vento forte próprio da Madeira está a arrebatar a mudança [política] na região em setembro”, afirmou o candidato socialista num comício no Madeira Tecnopolo, no Funchal, que contou com a presença do secretário-geral do PS, António Costa.

Numa sala que reuniu cerca de mil pessoas, Pedro Marques elogiou o “grande trabalho” que os socialistas “estão a fazer na Madeira”.

No seu entender, “as eleições europeias têm tudo a ver com essa mudança na Madeira”, porque o “ciclo de desenvolvimento do passado que os madeirenses estão a pagar de forma tão pesada, está esgotado”,

Pedro Marques sustentou que o novo ciclo de progresso para a Madeira passa “por mais emprego, menos desigualdades, mais qualificações para os madeirenses e as contas em ordem”.

Ao lado de Paulo Cafofo, o candidato do PS para as próximas regionais da Madeira, Pedro Marques falou do "vento que está a arrebatar esta região"

LUSA

“Acreditamos num ciclo de desenvolvimento que há de começar na Região Autónoma, com respeito pela autonomia, mas agora também na Europa, com base num novo contrato social pela governação que agora se tem pela governação de António Costa”, argumentou.

O cabeça de lista indicou que “a Europa tem oportunidade de apoiar esse ciclo de desenvolvimento”, porque existem fundos europeus para aplicar no apoio à apoiar a “investimentos na área da saúde com necessidade de melhoria”, além de instrumentos sociais e no combate à pobreza”.

“Nós queremos um novo contrato social para Europa”, vincou.

Pedro Marques salientou a “mobilização” dos madeirenses para “começar a construir a grande mudança na Madeira que já em 2019, que “começou com a vitória nas últimas autárquicas”, eleições nas quais o PSD da Madeira passou a governar apenas quatro das onze câmaras do arquipélago.

“Este vento de mudança que se sente hoje tem que se levar com força ainda maior domingo”, concluiu.

Sara Cerdas é a candidata da Madeira [a sexta na lista da candidatura socialista], uma médica de saúde pública e doutoranda pela Universidade de Estocolmo, que conseguiu “o melhor lugar de sempre numa lista do PS para o Parlamento Europeu”, realçou o presidente dos socialistas insulares na sua intervenção.

Emanuel Câmara considerou que a presença de mil pessoas na sala do comício, no Madeira Tecnopolo, no Funchal, mostra uma “moldura humana” que diz que a região “está no caminho certo”.

Como antigo árbitro, tirou do bolso dois cartões aconselhando os portugueses e madeirenses que “deem já o cartão amarelo que Paulo Rangel [candidato do PSD] pediu para o Governo”, apontando que o “cartão o vermelho será dado a 22 de setembro” e um “verde, a 06 de outubro, para continuar com António Costa como primeiro-ministro de Portugal”.

“A onda vermelha que começou domingo vai continuar por Portugal todo”, concluiu.

Sara Cerdas sublinhou que a presença do secretário-geral do PS, António Costa, neste comício no Funchal “mostra mais uma vez o seu compromisso com a Madeira”.

“Faço parte de uma nova geração europeia e não quero voltar para trás”, vincou a candidata madeirense, opinando que “a adesão à União Europeia representou um salto enorme em termos de desenvolvimento” para este arquipélago.

Sara Cerdas defendeu como compromisso “uma nova agenda social de combate pobreza e desigualdades sociais” e destacou a importância dos apoios comunitários para as empresas regionais.

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.