As meninas de ouro do “Fófó”

14 Maio 2015721

O Futebol Benfica, ou “Fófó”, como é carinhosamente apelidado, foi campeão nacional de futebol feminino. Um campeão inédito. O Observador foi tentar descobrir o segredo do sucesso.

Ei-las, as campeãs nacionais, que não vivem do futebol mas por ele. São amadoras profissionais, não-remuneradas, disputam a modalidade por mera carolice, mas fazem-no com o brio e a paixão de um Ronaldo ou de um Messi. Durante o dia são mães, trabalhadoras, estudantes, há uma mulher polícia, uma veterinária, e um sem número de professoras de educação física. E à noite, três vezes por semana, fora de horas, dão um nó nos atacadores das botas, vestem a camisola do “Fófó”, e, dê lá por onde der, quando o treino começa não há cansaço que as desencoraje. O Observador foi conhecê-las no treino que antecedeu o derradeiro jogo do campeonato Nacional Feminino, quando já sabiam que tinham sido campeãs nacionais. Acabariam por empatar a zeros com o Valadares Gaia, terminando a Fase Final sem derrotas.

Matilde Fidalgo quer ser engenheira do ambiente. Mas também quer ser como Fábio Coentrão. O lateral-esquerdo do Real Madrid é um dos ídolos de Matilde, mais a mais, sendo ela lateral como Fábio, internacional por Portugal como Fábio, e, diz quem a vê no campo, veloz e tecnicista como o outrora “Figo das Caxinas”. Está no “Fófó” desde os 15 anos. E começou logo a jogar com as mais graúdas, sem temores nem peias, ela que até sempre jogou com os rapazes. “Comecei a jogar futebol no Colégio S. João de Brito, em Lisboa. E joguei sempre com eles, até que um dia o treinador me disse que eu já não podia jogar mais, que eu tinha que sair, e ir procurar um clube só para raparigas. Foi o que fiz, e vim treinar ao “Fófó”. Honestamente, eu nem sabia como é que era o futebol feminino em Portugal. Não fazia ideia. Mas já cá estou há quatro épocas. E gosto.”

Matilde é a capitã de equipa, apesar de só ter 20 anos. Mas a líder dentro de campo é Sílvia Brunheira. Pela posição que ocupa, bem no centro do meio-campo, o número “6” na camisola, por já ter sido campeã nacional em onze ocasiões seguidas, sempre no 1º Dezembro de Sintra, e mais uma no “Fófó”.

Quando me cansar da rotina, de treinar à noite, de chegar tarde a casa, quando nada mais me motivar, eu desisto do futebol. Nós não somos remuneradas, nem temos benefícios nenhuns, é tudo por paixão.
Sílvia Brunheira, Futebolista do "Fófó"

Sílvia tem 40 anos. E esta temporada não será a última. No começo, explica, era tudo diferente, não treinava em relvados, os campos eram todos de terra batida, mas, pior que tudo, o futebol era visto como um desporto de homens. “Diziam-me que eu devia era ir para casa, coser meias e não estar a jogar futebol como eles.”

As futebolistas do “Fófó” treinam-se três vezes por semanas, sempre às 21h. “Quando eu me cansar de chegar tarde a casa, desisto. É paixão pelo futebol que me move”, explica Sílvia Brunheira, 40 anos.

Nunca pensou em desistir. Mais de 20 anos depois de se ter estreado oficialmente pelo Sporting, Sílvia continua com o mesmo entusiasmo e competitividade do primeiro treino em Alvalade. “Há-de ser sempre a vontade e a paixão de jogar que me move. Quando eu me cansar da rotina, do treino à noite, de chegar tarde a casa, de me deitar cansada e acordar cansada, quando nada mais me motivar, desisto do futebol. Creio que falo por todas nós. Não somos remuneradas, nem temos benefícios nenhuns, é tudo por paixão”, conclui a “veterana” do clube, que é, também, a jogadora mais velha a atuar no futebol feminino em Portugal.

O “Special One” de Benfica que deu o primeiro título ao “Fófó”

O Mourinho do Fófó. É desta forma que é apelidado em Benfica Pedro Bouças, o treinador que só chegou ao clube na época passada, já ganhou um campeonato contra todas as probabilidades e vai disputar a segunda final consecutiva da Taça de Portugal. Diz que o segredo do sucesso está no recrutamento que foi feito pelo clube nos últimos dois anos. “É a primeira vez que o Futebol Benfica é campeão. Mas eu já o tinha sido como treinador-adjunto do professor Nuno Cristóvão no 1º Dezembro, e seis das campeãs do 1º Dezembro vieram comigo para o Futebol Benfica quando o 1º Dezembro terminou com o futebol feminino. Não foi um acaso.”

Pedro Bouças não é só o treinador principal do futebol feminino, é também o coordenador de toda a formação do “Fófó”, e fala das diferenças que há no treino com homens e no treino com mulheres. “A interação é naturalmente diferente, mas no começo até me preocupava mais com isso. Demasiadamente, talvez. Até que percebi que, para o meu discurso ter impacto, para lhes aumentar a adrenalina, seja no treino, seja no jogo jogado, passe o pleonasmo, tinha de tratá-las como trato os homens.” Mas ainda assim há diferenças, principalmente quando se compara o futebol feminino amador com o futebol masculino profissional. “Eu tenho um treino programado, e, às vezes – e não são tão poucas quanto isso! –, tenho que desmarcar, porque alguma vai chegar mais tarde, ou não pode vir porque teve uma reunião que se prolongou mais do que o previsto, ou está cansada. Esta é a nossa realidade.”

Sílvia Brunheira, que é mãe, e há muitos anos que vai conciliando os estudos, o trabalho e o futebol, explica: “Não vou dizer que é fácil. Não é. Mas para mim não é um problema. Já ando no futebol há muitos, muitos anos. E sei como conciliá-lo, como geri-lo, com a família, com os amigos, com a faculdade, com o trabalho, e até com o facto de não ter tempo para mais nada. Quando há apoio de todos e tudo nos corre bem, não há treino que me custe.”

O que elas [futebolistas contratadas ao 1º Dezembro] vieram trazer ao “Fófó” foi, sobretudo, muita qualidade e muita "estaleca", que foi o que nos faltou no final da temporada passada.
Matilde Fidalgo, Capitã do "Fófó"

A história do futebol feminino no “Fófó” começou na década de 1980. Um história relativamente curta, que terminou abruptamente em 2004, quando o clube se viu impedido de inscrever atletas. O regresso do futebol feminino não era algo que o presidente Domingos Estanislau previsse. Na época de 2008/2009 um grupo de jogadoras do Odivelas foi bater-lhe à porta. “O Odivelas tinha acabado com o futebol feminino no começo da época. As miúdas vieram cá conversar comigo, muito pesarosas. Não tinham clube e queriam jogar. Foram muito incisivas. Tão incisivas que eu liguei ao vice-presidente da Federação, na altura o Amândio Carvalho, e, em cima da hora, lá consegui inscrever o plantel. Era sobretudo o plantel que transitou do Odivelas e mais duas ou três aqui formadas.”

O presidente “Lau” e o mito do “Fófó”

É maio, mas em Benfica é como se verão fosse, a lembrar hemisférios mais a sul, e só se sente uma breve brisa, que vem refrescar o final de tarde. A conversa foi à sombra, portanto, mas sempre de olhos na correria dos infantis que treinam àquela hora, na bancada poente do estádio.

– Aqui para nós, que ninguém nos ouve: torce por que clube? Não me vai dizer que é do ‘Fófó”…?

– Eu digo à malta que sou adepto do Belenenses. Nasci ali e tal. E eles acreditam, sabe. Mas o meu clube é mesmo o Clube Futebol Benfica. Sempre foi e há-de ser.

Domingos Estanislau, o “presidente Lau”, é o “Fófó” e o “Fófó” é o seu presidente. É o líder do clube há 28 anos. Só Jorge Nuno Pinto da Costa, que em abril de 2015 assinalou 33 anos de presidência portista, está há mais tempo à frente de um clube em Portugal. Estanislau foi futebolista do clube, na adolescência, e é dirigente desde que regressou do Ultramar, no começo da década de 1970. Diz que fez de tudo no Futebol Benfica: “Fui vogal, secretário-geral… O bicho roeu-me e por cá fui ficando, todos estes anos.”

É um contador de histórias, Domingos Estanislau. E histórias não hão-de faltar num clube com 99 anos. “É um clube de bairro, mas atenção: é um histórico do hóquei em campo e do hóquei em patins”, frisa.

E “’Fófó’ porquê?” A história remonta à década de 1940, quando o Futebol Benfica foi tri-campeão nacional de hóquei em patins. Nos ringues, na vizinhança e até no nome, o “Fófó” tinha por rival um tal de Sport Lisboa e Benfica. “’Fófó’ era dito meio em tom de gozo, para denegrir o nome do clube. E ai de quem chamasse ‘Fófó’ ao Futebol Benfica até há bem poucos anos! Hoje, não. Hoje é carinhoso e até adotámos o nome, como vê.”, conta Domingos Estanislau, que, só por uma vez, durante toda a conversa, se referiu ao clube pelo epíteto de “Fófó”, e apenas em resposta à pergunta.

O futebol não é a modalidade com maior historial no “Fófó”. Os títulos são quase todos regionais. Mas foi no Futebol Benfica que despontaram futebolistas de renome. O antigo médio-defensivo, internacional português, e ex-selecionador nacional de futebol, Paulo Bento, começou lá. Artur Correia, o célebre “ruço” do Sport Lisboa Benfica, melena loura e bigode da moda, que foi tri-campeão nacional, entre 1974 e 1977, de águia ao peito, também deu os primeiros pontapés na bola no “Fófó”.

Foi também por Benfica que António Livramento, o melhor hoquista mundial de todos os tempos, deu as primeiras stickadas. O primeiro grande atleta do clube foi o malogrado Francisco Lázaro, que dá nome ao estádio do Futebol Benfica. Lázaro morreu em Estocolmo, durante os Jogos Olímpicos de 1912. Era um dia de muito calor na Suécia, diz-se, e o maratonista, que tinha 24 anos, decidiu espalhar sebo no corpo. Não chegou a terminar a maratona. Desistiu, foi levado para o hospital e ali faleceu um dia depois.

A Champions League e um problema dos “grandes”

O campeonato Nacional Feminino é composto por três fases: uma primeira com dez equipas; e duas outras fases, uma com as seis piores classificadas, que lutam por não descer à II Divisão, e uma fase de apuramento do campeão, a quatro equipas. O “Fófó” terminou a segunda fase invicto, e à frente, por exemplo, do Ouriense, bi-campeão em título, que disputou recentemente a Liga dos Campeões feminina.

Futebol-Feminino-Campeonato02 (1)

O segredo da vitória, acredita a capitã Matilde Fidalgo, está na experiência. “Há muitas jogadoras novas que já tinham sido campeãs. O que elas vieram trazer ao “Fófó” foi sobretudo isso: muita qualidade e muita ‘estaleca’, como se costuma dizer, que foi o que nos faltou no final da temporada passada.” Sílvia Brunheira concorda: “Senti que na temporada passada até tínhamos conseguido fazer coisas boas, fomos à final da Taça, por pouco não ganhámos o campeonato, mas não havia, entre aspas, a mística. Agora há. E isso torna-nos mais frias e mais racionais na hora das decisões.”

No próximo ano, e como prémio pela vitória no campeonato, o Futebol Benfica vai disputar a pré-eliminatória que dá acesso à Liga dos Campeões. O ambiente é de natural ansiedade, mas, em Benfica, também se sabe que a sorte, neste caso, conta mais do que a vontade e o talento. “Há clubes muito competitivos, que treinam mais que nós, que são mais ‘rodados’ na Liga dos Campeões que nós, e são esses clubes que queremos evitar. Se queremos ir longe na prova, há que ter já uma ‘pontinha’ de sorte no sorteio inicial”, explica o mister Pedro Boças.

Matilde, por sua vez, é toda ela entusiasmo: “Eu acho que nervoso não há nenhum. É ansiedade, mas ansiedade boa, por participar nesta pré-eliminatória. Muitas de nós nunca jogaram num play-off, e as que jogaram não conseguiram seguir em frente. É uma oportunidade única, para competir, e, quem sabe, ganhar um jogo ou dois.”

O Benfica e o Sporting vêm "salvar a honra da convento", é o que se diz. Mas isso é motivante para quem? É motivante para quem vai ficar sem as jogadoras todas?!
Domingos Estanislau, Presidente do Futebol Benfica

A próxima temporada poderá trazer igualmente novidades a nível interno. A Federação Portuguesa de Futebol (FPF), no seguimento do trabalhado que vem realizando, sobretudo nas seleções nacionais jovens, ao nível da promoção do futebol feminino, vem ponderando a criação de uma “liga de elite”, com mais clubes e mais atletas. Chamar os “três grandes” para o campeonato Nacional Feminino é outro dos objetivos.

Domingos Estanislau tem dúvidas sobre esta intenção da FPF: “Há cada vez mais jogadoras de valor. Não vou negá-lo. Mas também é verdade que a diferença de valor da Primeira para a Segunda Divisão, por exemplo, é completamente abissal. Não sei se a ‘liga de elite’ é uma boa ideia, e disse-o ao Humberto Coelho [vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol]. Mais: vamos supor que o Benfica e Sporting vão integrar a liga de elite. Vêm cá salvar a honra do convento. Isso é motivante, pergunto eu? É motivante para os clubes, como o Futebol Benfica, que vão perder cinco jogadoras para um, e mais cinco para o outro? Não é.”

Futebol-Feminino-vencedores

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)