Bloco de notas da reportagem na CDU. Dia 10. A mira apontada ao PS numa campanha que nunca aquece /premium

22 Maio 2019

De manhã, arruada, panfletos, discurso. À tarde, arruada, panfletos, discurso. Só a introdução de algum tópico na agenda vai dando cor à campanha — hoje, o aeroporto do Montijo e as críticas ao PS.

Foi o sexto dia da campanha da CDU com ações de rua na Grande Lisboa. Esta quarta-feira, João Ferreira voltou à margem sul do Tejo para arruadas praticamente iguais em dois municípios com autarquias lideradas pela coligação — Moita e Seixal. A fórmula usada durante a manhã na Baixa da Banheira e à tarde na Amora foi exatamente a mesma, e igual aos últimos dias: João Ferreira percorreu duas ou três ruas, distribuiu panfletos, entrou em cafés e lojas e, no final, discursou perante os apoiantes. De manhã contou com a companhia de Heloísa Apolónia, dos Verdes, e à tarde com a do líder parlamentar do PCP, João Oliveira.

João Ferreira usou cada um destes dois momentos quase iguais para trazer à campanha um tema diferente. De manhã, o novo aeroporto do Montijo, que afetará diretamente a população da Baixa da Banheira — em termos de saúde e ambientais, sublinhou. O candidato criticou a entrega dos aeroportos nacionais à multinacional francesa Vinci e disse que a opção Alcochete deveria ser a escolhida, já que as conclusões do estudo científico a apontam como melhor opção. À tarde, João Ferreira virou-se para as questões sociais, para acusar o PS de apresentar um “contrato social” que é uma “formulação vaga“, ao mesmo tempo que votou no Parlamento Europeu a subida da idade da reforma.

A arruada da tarde ficaria marcada pelos ataques mais duros proferidos por João Ferreira nesta campanha contra o PS. Com uma voz irritada, o cabeça-de-lista da CDU acusou o PS de não ser claro sobre o que fez no Parlamento Europeu e defendeu que “para lá de bandeiras que se agitam”, é preciso ser “concreto quanto àquilo que se pretende”. Foi este também o dia em que, questionado novamente sobre a posição da CDU sobre a moeda única, João Ferreira afirmou que não podia “ser mais claro” na afirmação de que “o país precisa de recuperar a sua soberania no plano monetário”.

Da Amora, João Ferreira seguiu para o Ribatejo. Esta noite, há comício em Alpiarça com Jerónimo de Sousa, naquela que é uma paragem no caminho até à primeira e única passagem da caravana pelo norte do país — com ações de rua entre o Porto e Braga agendadas para quinta-feira, antes de voltar à Grande Lisboa para o último dia de campanha, na sexta-feira.

Alto. Graças à forte implantação local do PCP, entre sindicatos, organizações de trabalhadores e autarquias, as ações de campanha da CDU mobilizam sempre muita gente. “Está marcada a mesa para a malta do sindicato?”, ouvia-se entre os apoiantes no arranque da arruada na Baixa da Banheira, que acabou mesmo antes do almoço. O empenho destes apoiantes é notável: nenhum baixa os braços enquanto não entregar todos os panfletos que lhe foram confiados.

Baixo. A mesma fórmula em todas as arruadas parece trazer pouco de novo à campanha. Esta quarta-feira, foi particularmente visível a repetição do esquema de manhã e à tarde — dada a proximidade dos locais, até havia muitas caras repetidas nas duas arruadas. Resulta? É preciso esperar pelos resultados. Mas a verdade é que o esquema feito e refeito vezes sem conta deixa-nos com pouco para contar de diferente dos últimos dias.

Durante a arruada na Baixa da Banheira, João Ferreira foi recebido com especial entusiasmo pelos apoiantes que o esperavam. Houve beijinhos, abraços e selfies, qual Marcelo. Mas o candidato, pouco dado à política-espetáculo, sorriu cordialmente e avançou para o trabalho da distribuição de panfletos e do apelo ao voto de forma imperturbável, como todos os dias.

João Ferreira durante a arruada esta manhã na Baixa da Banheira (LUSA)

Da Marinha Grande, onde terminou o dia de terça-feira, João Ferreira fez 163 quilómetros até à Baixa da Banheira, mais 23 quilómetros até à Amora e, finalmente, 113 quilómetros até Alpiarça, ultrapassando nesta quarta-feira a barreira dos dois mil quilómetros.

Total percorrido desde o início da campanha oficial: 2.123 quilómetros.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
133

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)