Bloco de notas da reportagem no BE. Dia 11. Se está a correr bem, não mexe mais para não estragar /premium

23 Maio 2019

Depois de um arranque em força e com várias ações de contacto popular, o BE decidiu acalmar antes do sprint final. Com uma sondagem a dar números tão bons, o dia estava ganho. Era só não estragar

Ao 11º dia de campanha, o Bloco de Esquerda quase podia até nem ter saído de casa. A sondagem TSF/JN antecipava um resultado tão bom para o partido (praticamente o dobro do CDS e metade do PSD) que o dia estava ganho. Talvez por isso, e mesmo tendo o partido saído à rua, haja pouco para contar. Resumiu-se a uma ação de campanha: uma visita à fábrica de complementos automóveis Huf, em Tondela.

Arrancou com um almoço na cantina da fábrica entre bloquistas e Comissão de Trabalhadores. Uma espécie de reunião informal. Seguiu-se uma entrega de jornais do partido, fraca, com pouca mobilizção. Foram poucas as pessoas que a comitiva do BE conseguiu apanhar na mudança de turno e foram ainda menos aquelas que estiveram dispostas a colaborar com a iniciativa de campanha do Bloco de Esquerda.

Mas isso não estragou a boa disposição da caravana bloquista que, minutos depois, seguiu para a visita à fábrica. Outro momento em que grande parte dos funcionários preferiu continuar o seu trabalho do que parar para falar com Marisa Matias. Mas há sempre abordagens voluntárias, sobretudo da parte das mulheres trabalhadoras, e por arrasto vêm as fotos e as imagens nas televisões e está cumprida a missão.

Claramente o BE entendeu que não valia a pena arriscar. Os números estão bons, a campanha discreta mas eficaz está a resultar e por isso hoje foi em ambientes controlados para não haver surpresas. E cumprir à risca um guião que passa também por não responder aos adversários. Nas habituais declarações à imprensa, pedia-se uma resposta mais clara à candidata sobre a posição do partido perante o euro. “É a mesma de sempre”, disse. “Mas qual, pode concretizar?”, iam perguntando os jornalistas. “Não acordámos hoje, é a mesma que sempre tivemos”, insistia a candidata.

Responder diretamente à pergunta (mesmo que servisse para esclarecer de vez os eleitores) seria também responder a António Costa e a Mário Centeno e a Pedro Marques. E Bloco quer levar até ao fim a máxima de não entrar na campanha que PS, PSD e CDS têm feito. Se está a resultar, para quê mexer?

Alto. Nas declarações à imprensa, Marisa Matias respondeu, não respondendo, ao primeiro-ministro. “Não percebi bem as palavras de António Costa”. A eurodeputada referia-se ao surpreendente ataque que Costa deixou na noite de quarta-feira em Setúbal aos parceiros da “geringonça”. “[PCP e BE] não perceberam que mais vale estarem comprometidos com uma solução de Governo do que se manterem arredados numa mera posição de protesto. Infelizmente vejo que aprenderam em Portugal, mas ainda não aprenderam na Europa”, disse o secretário-geral do PS. A resposta de Marisa Matias foi subtil, mas acutilante o suficiente para desviar o golpe e devolver a bola a António Costa.

Baixo. A visita à fábrica Huf, em Tondela. Até pode ter sido uma ação importante para as relações entre a Comissão de Trabalhadores e o Bloco de Esquerda. Mas a julgar pela reação dos trabalhadores que entravam e saíam do edifício no horário de troca de turnos ou pelos que trabalhavam durante a visita às instalações não parece ter sido eficaz para o trabalhador comum da fábrica. E foi a única ação do dia.

PAULO NOVAIS/LUSA

Marisa (não, não é a Matias). A trabalhadora da Huf Marisa dirigiu-se à cabeça-de-lista do Bloco de Esquerda para a cumprimentar. Depois de trocar umas palavras de cordialidade com a candidata, lá lhe anunciou o que a levara a querer falar diretamente com a eurodeputada. “Também me chamo Marisa”, disse-lhe. A resposta não foi a mais criativa mas animou a trabalhadora. “Se uma Marisa incomoda muita gente, duas Marisas incomodam muito mais”. As duas abraçavam-se e riam-se até que uma outra trabalhadora cujo nome não lhe conhecemos interrompeu o momento revelando alguma impaciência por também querer uns beijinhos da candidata. “Se uma Marisa é difícil de aturar duas Marisas são-no muito mais”. A resposta à altura que chegou inopinadamente mas de forma certeira.

PAULO NOVAIS/LUSA

A única ação do dia além do comício falhou no contacto com os mais de 400 trabalhadores da Huf, em Tondela. Foram poucos os que passaram pela caravana bloquista e menos os que pararam para conversas com os candidatos ou membros da comitiva. Um desses contactos deu-se com Marisa Matias a debruçar-se sobre um carro para falar com dois trabalhadores que se preparavam para se fazer à estrada. Sintomático.

O dia arrancou em Viseu. Mais concretamente em Tondela. Depois de ter acabado em Almada foi uma manhã passada na estrada. A ação foi pouco eficaz mas ainda durou mais de uma hora, estendendo-se para lá do previsto. Mas na agenda só havia mais uma ação de campanha: um jantar-comício na Alfândega do Porto. A comitiva descansa em Gaia para amanhã arrancar a tarde de campanha com uma arruada no Porto. Esta quinta-feira o Bloco de Esquerda somou 414 quilómetros à contagem total. O contador já vai em 5.967 quilómteros. 

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)