Bloco de notas da reportagem no CDS. Dia 6. E a direita é toda nossa, olé, olé /premium

18 Maio 2019

Falta uma semana para as eleições e é dia de decidir o campeão de futebol. Nuno Melo já escolheu a ala para jogar: a direita. E quer ficar com ela só para si. No fim, quer o terceiro lugar da tabela.

Paulo Portas costumava dizer que à direita do CDS só uma parede. Era o mesmo do que dizer que não havia extrema-direita em Portugal. Este sábado, no sexto dia de campanha oficial do CDS para o Parlamento Europeu (e numa altura em que proliferam os movimentos de extrema-direita na Europa), Nuno Melo procurou fazer exercício semelhante e concentrou o discurso na demarcação do CDS da extrema-direita, por um lado, e na colagem do PSD à esquerda socialista, por outro.

No fim, o que sobra? A direita, pura e dura, e é esse campo político que o CDS quer conquistar. Sabendo que não consegue entrar na competição cerrada entre PS e PSD pelo eleitorado do centro, Nuno Melo aposta tudo no eleitorado da direita. Porque “há muitas pessoas em Portugal que se sentem de direita” e têm de estar representadas nos órgãos políticos. Colando Rio a Costa, e encostando-os à esquerda, e nem sequer nomeando “aqueles partidos”, que se posicionam à direita da direita, no extremo, Nuno Melo passou o dia a apelar ao voto da direita. No fim, o objetivo é ficar no terceiro lugar da tabela classificativa: atrás do PS e PSD, certo, mas à frente do BE e PCP.

“O CDS sempre foi um partido de direita democrática e moderada, e sociologicamente, em Portugal há muitas pessoas que se sentem de direita e que têm de estar representadas na Assembleia da República e no Parlamento Europeu”.

Foi o mote do dia e é neste tabuleiro que o CDS se quer posicionar: aproveitar o balanço do crescimento dos movimentos de direita em toda a Europa, e ser o representante da direita em Portugal.

Alto. O CDS não está a entrar num despique de ataques com os seus adversários, deixa isso para Paulo Rangel e Pedro Marques, e põe-se no seu lugar. Sabendo “realisticamente” que não pode competir, em termos eleitorais, com os dois partidos que seguem na frente nas sondagens, começou hoje a definir bem os seus objetivos: falar apenas e só para o eleitorado da direita, assumindo que não joga na primeira liga, e apelar ao voto para que o CDS, partido “democrático”, tenha mais votos do que PCP e BE, “partidos extremistas”. Apesar de este discurso colidir de certa forma com o discurso de Assunção Cristas, que quer ser “a alternativa ao PS”, o ponto alto vai para o “realismo” assumido por Nuno Melo.

Baixo. Mercados e feiras com fartura. Não se pode dizer que o CDS tenha fugido da rua nesta primeira semana de campanha oficial. Este sábado, por exemplo, começou no mercado de Ovar e acabou na feira medieval de Oliveira de Azeméis. Ontem, o CDS fez dois mercados algarvios de uma assentada. Mas há uma coisa típica das campanhas que ainda não se viu: arruadas — aqueles momentos em que, munidos de “jotas”, bombos e cânticos, os membros da campanha descem uma rua falando às pessoas que encontram pelo caminho. Numas europeias, é certo, a máquina não está tão oleada para criar a imagem de enchente para a televisão, daí que o CDS esteja a ser cauteloso, e prefira os mercados e as feiras, onde o espaço entre as bancas é estreito e, na teelvisão, se vê muita gente, muita cor e movimento.

Este sábado foi um dia mais calmo na campanha, em parte devido à última jornada da primeira liga de futebol que vai decidir campeão da época. Daí que o “Portugal na CEE” de hoje seja não uma personalidade individual, mas um conjunto de pessoas: todos os portugueses que, este sábado, estavam no mercado de Ovar e estavam mais preocupados com os jogos do final do dia do que com a política que lhes batia à porta.

“Vocês deviam era andar com bandeiras do Benfica, não com essas”, dizia um popular numa banca do mercado, à passagem da comitiva. Outro, mais à frente, comentava as cortes das bandeiras do CDS (azuis e brancas): “O Porto só vai ser campeão mais logo, não é agora!”. Na disputa entre política e futebol, ou entre Europeias e futebol, ganha claramente o futebol.

Nuno Melo tem passado metade dos dias de campanha em mercados e feiras. Fala com as pessoas, trata todas as senhoras por “menina”, e não consegue evitar algumas expressões faciais mais genuínas quando ouve comentários menos agradáveis dos populares.

Este sábado, dia de última jornada do campeonato de futebol, foi dia de poupar nos quilómetros. Depois de, ontem, a caravana centrista ter percorrido, literalmente, o país de sul a norte, este sábado estacionou no distrito de Aveiro. De Santa Maria da Feira para Ovar, onde visitou um mercado, daí para Oliveira do Bairro, câmara CDS, e daí para Oliveira de Azeméis, onde Nuno Melo foi a uma feira medieval, percorreram-se apenas cerca de 110 quilómetros.

Total acumulado:  2197 quilómetros percorridos (desde segunda-feira).

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
133

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)