Bloco de notas da reportagem no PS. Último dia. Quem é o rapaz de camisa que vai ao lado do candidato Costa? /premium

24 Maio 2019185

Pedro Marques já dificilmente se destaca por si, mas com Costa ao lado acaba mesmo engolido. Foi assim do início ao fim da campanha e acabou com a tradução prática da ideia que deixou por aí.

Mesmo à porta do fecho da campanha, debaixo do Arco da Rua Augusta em Lisboa, António Costa fez o impensável: deu corpo a tudo quanto se disse e escreveu sobre a campanha socialista às Europeias e pegou ao colo o candidato Pedro Marques. Não podia haver imagem mais adequada para a última análise desta campanha em que o PS teve na estrada um candidato que poucas vezes foi reconhecido pelas pessoas. Pedro Marques é um executivo, como ele mesmo diz, de gabinete e isso nota-se na rua. Esta sexta-feira , último dia de campanha, voltou a ter Costa ao lado e foi engolido pela popularidade do líder socialista.

O PS foi acusado pela oposição à direita de nacionalizar a campanha eleitoral, com a presença constante do futuro candidato às legislativas ao lado do candidato às europeias. Na descida do Chiado, o líder do PS voltou a não esconder que não se incomoda que esteja em cima da mesa a avaliação do seu próprio Governo nestas eleições e circulou ao lado de Pedro Marques, a par de Fernando Medina, como se fosse ele mesmo o candidato. O cabeça de lista ficava muitas vezes deixado para trás dos abraços, beijinhos e mensagens quase sempre dirigidas a Costa.

A exibição dos resultados da governação foi uma constante no discurso de Marques e foi mesmo palpável, já que não houve quase ministros do Governo que não tivessem passado pela campanha. Do elenco só faltaram mesmo a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, a ministra do Mar, Ana Paulo Vitorino, o ministro da Cência, Manuel Heitor e Gomes Cravinho, ministro da Defesa.

Depois de tanto colinho, ainda foi Costa que elevou o candidato acima dos seus ombros para que se destacasse na arruada e pudesse falar às pessoas que ali estavam. Simbólico para fechar esta campanha.

Alto. António Costa na rua, foi o ponto alto para o PS. A descida do Chiado mostrou que a popularidade do primeiro-ministro vai em alta a pouco mais de quatro meses das legislativas. Nesta campanha, o líder socialista esteve com Pedro Marques por duas vezes em ações de rua — Coimbra e Lisboa — e o impacto na caravana socialista fez a diferença.

Baixo. António Costa na rua, foi também o ponto mais difícil para o candidato Pedro Marques, na medida em que isso o deixa inevitavelmente na sombra. E nota-se ainda mais a falta de reconhecimento público do cabeça de lista que os socialistas levam a votos no próximo domingo.

O PS começou confiante e a meio da campanha ainda foi recebendo nova injeção de confiança, com as sondagens a chegarem a dar aos socialistas dez pontos de avanço sobre o PSD. Acabou a campanha… naturalmente confiante. A dinâmica do partido começou frouxa, com Pedro Marques a mostrar-se pouco à rua e a preferir cenários controlados em empresas e instituições sociais. Quando passou para a rua também não se via grande chama e só com o passar do tempo e o aparecimento de sondagens o candidato começou a mostrar maior conforto no papel em que António Costa o colocou nestas Europeias. Pediu sempre “uma grande vitória” para o PS, sem quantificações. Embora no Porto tenha chegado a pedir a eleição de Manuel Pizarro, o número nove da lista do PS.

Nas últimas eleições — as famosas eleições do “poucochinho” — o PS elegeu oito eurodeputados, com 31,46% dos votos, com uma diferença de apenas 3,75 pontos percentuais para a coligação PSD/CDS. Esta é uma fasquia mínima obrigatória para o PS de António Costa que, aliás, terá de ficar bem acima disso para respirar de alívio e para que possa afirmar-se digno da confiança que, pelas ruas do país, o líder socialista diz ver no seu Governo e no seu partido. Nas contas socialistas, olhando para a média das sondagens, o nono eleito não está garantido. Ainda assim, é o medo da abstenção a única coisa a aterrorizar António Costa e companhia.

Joaquim Banha é um dos porta-estandartes mais conhecidos do Partido Socialista. Com 78 anos, natural de Coruche, este militante socialista faz-se acompanhar de uma icónica bandeira que destoa entre todas as outras. “Já não me lembro desde quando é que comecei a andar com ela, julgo que foi desde a fundação do partido. Mas tenho andado por muito lado”, conta ao Observador enquanto bebe um café no final do almoço na Cervejaria Trindade.

Militante desde os anos 70, Joaquim Banha conta de forma orgulhosa os principais episódios da fundação do PS sem esconder um período de dissidência em que foi candidato à Assembleia Constituinte pelo Movimento de Esquerda Socialista de Jorge Sampaio, Ferro Rodrigues e outros.

Joaquim Banha garante que sempre foi “um fã de Europa” e que tudo se deve a uma viagem com Jerónimo de Sousa. “Eu fui um rapaz com muita sorte. Fui estudar e depois acabei por trabalhar na TAP o que me permitiu conhecer um bocado do mundo. Mais tarde, fui dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos com o atual líder do PCP, Jerónimo de Sousa e na fundação da intersindical fomos fazer uma visita à Polónia e à Checoslováquia”. Foi nessa visita que o militante do PS se apercebeu: “Não gostava da forma de governar o meu país, que era uma ditadura, mas também não gostava do que eles tinham lá. Eu queria mesmo era uma União Europeia, com liberdade”.

Uma imagem não pode valer por mil palavras? Costa levanta no ar o candidato. Mais palavras para quê?

Pouco mais de 20 quilómetros para o último dia de campanha do PS, o partido que mais quilómetros somou nestas duas semanas, tal foi o número de esticões que Pedro Marques fez pelo país num único dia. Só nos últimos, saiu de Lisboa para Aveiro para depois voltar a Setúbal, no dia seguinte, e seguir dali para o Porto, acabando no dia seguinte em Lisboa. A organização do circuito deixou muito a desejar, mas o partido garante que isso aconteceu por causa da difícil conciliação com a agenda do líder que é também primeiro-ministro. No fim das contas todas, Pedro Marques termina a campanha oficial com 7.221 km (incluindo as deslocações a Madeira e Açores, que aconteceram no mesmo dia).

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)