Bloco de notas da reportagem no BE. Dia 9. Efeito sondagem e mais rua, que a campanha não são favas contadas /premium

21 Maio 2019

Marisa Matias tem apostado mais em ações de campanha que promovem o contacto popular. Uma decisão que, aparentemente, tem trazido uma melhor reação. Efeito sondagem?

Depois de uma semana em que Marisa Matias dedicou a maior parte dos momentos da campanha a ações localizadas e com um eleitorado muito específico, o desenho da campanha para a reta final leva a candidata a apostar no contacto direto com multidões. Começou na segunda-feira com a visita à Feira de Espinho e continuou esta terça-feira com a passagem pelo mercado de Torres Novas e com a arruada de Braga. Cenas em que a cabeça de lista assume com naturalidade o papel de protagonista. E com sucesso.

A popularidade de Marisa Matias nas ruas é notória. Sobretudo junto das mulheres, que frequentemente a abraçam e lhe agradecem. “Os homens que me desculpem, mas as mulheres podem tanto como eles. Ou até mais. Sobretudo mulheres como esta”, disse uma idosa agarrada à candidata, já de frente para a imprensa que seguia a caravana bloquista.

Um trunfo que dá uma sensação de pujança a uma campanha que estava a ficar mortiça. Resta saber se os apagões que Marisa Matias parecia sofrer nos comícios, sendo ofuscada em diversas ocasiões por outras figuras que intervinham nas mesmas sessões, se vão manter ou se vão, também eles, ser substituídos por mais garra.

As sondagens parecem ter animado a candidata, que surge menos retraída em várias ações, apesar de um cansaço acumulado que já se vai tornando visível — sobretudo na voz já por si rouca da cabeça-de-lista do BE.

Alto. A arruada de Braga. Apesar de curta, o ambiente na cidade bracarense deixou a candidata embalada para o comício da noite. Sem contratempos e recebendo apenas mensagens de apoio, Marisa Matias teve uma passagem tranquila por uma cidade tradicionalmente dominada pelo PS ou pelo PSD. Sem querer falar de bons resultados ou de sondagens, não vão as expetativas subir injustificadamente, a cabeça-de-lista do BE lembrou algumas das palavras que ouviu durante a arruada. “Há pessoas que dizem que vão votar no Bloco de Esquerda pela primeira vez, outras que me falam nas presidenciais de 2016”. Na reta final, nunca é demais lembrar a um eleitorado distraído os bons resultados que a candidata obteve nessas eleições, ficando em terceiro lugar com mais de 10% dos votos.

Baixo. A campanha do Bloco de Esquerda voltou à esquizofrenia da estrada. Um frenesim de quilómetros calcorreados para ações de campanha com menos de uma hora. Depois de um dia pelo distrito de Aveiro, a caravana bloquista desceu até Santarém para o comício do Entroncamento e a visita ao mercado de Torres Novas. Seguiu-se uma viagem até Braga para uma arruada seguida de comício. De norte para sul e de sul para norte. Tudo para na quarta-feira o partido partir de Famalicão para passar a tarde e a noite no Alentejo e em Almada. Não parece haver justificação plausível.

A Dona Madalena esperou por Marisa Matias desde que a eurodeputada pisou o mercado de Torres Novas. Sabia que a bloquista ia lá passar logo pela manhã e tentou agradar a candidata que, confessa, admira muito. Mas nem tudo correu bem, já que o autocolante que levava colado na bata não era do Bloco de Esquerda mas sim… do PS. Mas a feirante não se acanhou. Tirou a insígnia e iniciou um diálogo sobre política — mais concretamente sobre os debates televisivos, criticando os adversários que “estão sempre a interromper” a candidata.

Se este quadro já era curioso o suficiente mais ficou quando Marisa Matias se debruçou sobre o molho de favas para as descascar e ajudar Dona Madalena. “Que saudades que eu tinha disto”, confessou. Depois de alguns minutos, abandonou a banca por pressão da organização de campanha. Terá trazido com ela mas um voto?

PAULO CUNHA/LUSA

Os jornais do Bloco de Esquerda têm sido distribuídos em todas as ações de campanha. Há quem questione a utilidade deste tipo de campanha, conotada recorrentemente como “a velha forma de fazer política”. Mas há sempre populares dispostos a encontrar uma nova utilidade para estes objetos panfletários que são mais vezes encontrados no lixo do que nas mãos de quem os recebe. Desta vez, foi na cabeça. 

O dia começou pouco depois das 10h00 em Torres Novas, no mercado. Uma ação que durou cerca de uma hora e que não podia alongar-se por muito mais tempo. A caravana tinha um compromisso marcado às 17h00 em Braga: uma arruada. E, pelo meio, ainda tinha de se almoçar. Depois de terminar o comício, o partido vai dormir a Gaia. Esta terça-feira o papa-quilómetros soma 342 quilómetros à contabilização total, que assim já vai nos 4.928 quilómetros.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)