Bloco de notas de reportagem no CDS. Dia 2. Melo e Cristas com o dedo na ferida de Costa (e nos fundos) /premium

14 Maio 2019

CDS fez um três em um numa só manhã: alertou para o interior, falou dos fundos comunitários e pôs o dedo na ferida de Costa (os fogos). Mesmo quando a realidade tentou estragar a boa história.

A caravana centrista parou esta terça-feira no interior esquecido. No distrito de Coimbra, Nuno Melo visitou duas empresas de setores diferentes — transporte de mercadorias e setor alimentar — no mesmo polo empresarial em Vila Nova de Poiares, numa zona que foi afetada pelos fogos. Com Mota Soares e Raquel Vaz Pinto, Nuno Melo fez três em um numa só manhã: falar do interior, dos fundos comunitários e pôr o dedo na ferida de Costa, os incêndios. Pelo meio ainda atingiu Pedro Marques em cheio, já que era ele que, enquanto ministro, estava responsável por algumas destas pastas: os fundos e a requalificação das casas destruídas pelos incêndios.

Nuno Melo começou cedo, pelas 8h30, entrou no camião, fez o trajeto dito complicado, falou com a associação empresarial, ouviu queixas, defendeu que os fundos comunitários podiam ser aplicados em melhores acessibilidades no interior, para ajudar os empresários a escoar os seus produtos, e seguiu para a fábrica de bolos ali ao lado. Baralhar e dar de novo: com a bata e a touca vestidos, visitou uma empresa com 222 funcionários e a contratar, que exporta para 13 países e tem um nível de vendas para este ano estimado em 16.5 milhões de euros. Um sinal positivo do bom que se faz no interior. Também aí meteu Europa: a Nutriva candidatou-se por duas vezes aos apoios do Portugal 2020. E conseguiu aprovação do Governo. Mas o objetivo não era alertar para as falhas do Governo? Ficámos confusos. Mais ainda quando no power point que foi mostrado sobre a empresa, entre as “figuras relevantes” que ali tinham estado, à cabeça encontrava-se precisamente António Costa. “Também, mal fora que o governo não aprovasse alguns projetos”, chegou a dizer Melo para esvaziar a temática.

Dali, a caravana (já com a líder do CDS a bordo) seguiu para Oliveira do Hospital, para visitar duas aldeias onde Assunção Cristas tinha estado em dezembro, e onde tinha dado conta dos atrasos nas obras de reconstrução das casas consumidas pelos fogos. O ritmo foi dinâmico, a caravana seguia a todo o gás, sem paragens e com encadeamento. Mas à chegada à aldeia de Vilela, Cristas foi diretamente ter com uma senhora idosa, de 95 anos, com quem tinha estado em dezembro, e que naquela altura ainda não tinha recuperado a casa. Surpresa: já estava de chave na mão, pronta para se mudar no próximo sábado. Então não era para alertar para as falhas do Governo? Era, e foi. A caravana deu a volta: o CDS esteve no terreno a alertar para aquela situação e foi por isso que o processo se desbloqueou. E dois anos para recuperar uma casa — que tinha o carimbo de prioritária — , convenhamos, é muito tempo.

A visita, ainda assim, serviu para pôr o dedo na ferida de Costa: os incêndios de 2017 que mataram dezenas de pessoas e que deixaram centenas sem casa. E para voltar a falar dos fundos comunitários, neste caso para a floresta, que, segundo Nuno Melo, estão executados apenas entre 13% e 40% e as árvores queimadas continuam à vista.

“A vocação do CDS é pilotar, não é ser pendura, e tudo o que o CDS faz, e a lista de pessoas que tem, mostra que o CDS era melhor a conduzir, só não teve ainda os votos para isso. E mesmo quando vai de pendura, o CDS tem feito a diferença”.

Nuno Melo começou o dia a fazer um curto trajeto de camião TIR. O mote era pedir melhores acessibilidades, melhores acessibilidades no interior e melhor aproveitamento dos fundos comunitários para acessibilidades. Mas a viagem no lugar do pendura também motivou paralelismos políticos. Questionado sobre se gostava de ir à pendura, Nuno Melo percebeu a provocação e respondeu à letra. Primeiro, não tem carta de pesados. Depois, prefere pilotar. Não sendo possível pilotar, no lugar do pendura também se consegue fazer a diferença. E evitar acidentes? Talvez. Curioso é que há quem chame ao lugar do pendura, o lugar do morto. Mas isso não é para aqui chamado.

Alto: A Europa. Parecendo que não, a Europa anda sempre na ponta da língua de Nuno Melo. Ou melhor, a execução dos fundos comunitários, a real e a desejável, andam sempre na ponta da língua de Nuno Melo. No primeiro dia foi o mar e a necessidade de alocar dinheiros europeus à campanha Plástico Zero. No segundo, foram as acessibilidades e as florestas. Mais fundos, melhor execução. Nuno Melo não tem entrado demasiado no “bate-boca” com os restantes candidatos — mesmo que ele e Paulo Rangel estejam a andar praticamente pelos mesmos distritos, a par e passo — e tem procurado pôr sempre um bocadinho de “fundos” na rota do dia.

Baixo: Sócrates. Quanto ao discurso político, Nuno Melo não larga José Sócrates. Antecipando as críticas, defende-se com a ideia de que Sócrates não é passado, “é presente”, na exata medida em que cinco membros da lista do PS às europeias eram seus governantes, incluindo Pedro Marques. Até o número da foto de Sócrates e António Costa abraçados repetiu na noite passada, no jantar em Coimbra, depois de já o ter feito no primeiro debate televisivo com os candidatos. A ideia é colar Pedro Marques (o candidato formal) e António Costa (o candidato real) a José Sócrates e ao despesismo de José Sócrates. Mas já se percebeu a ideia.

Laura tem 95 anos e aguardava, no banco mais religioso da aldeia de Vilela, pela chegada da caravana centrista. Ou pela chegada de alguém, diga-se, já que não pareceu reconhecer bem quem era quem no meio de tanto aparato. A filha, assim que viu a comitiva, ainda tentou esvaziar o assunto dizendo que “já temos a nossa casinha”. Primeiro, pareceu confundir Assunção Cristas com “a senhora da Santa Casa”, mas depois lá percebeu que era a mesma Assunção Cristas que tinha estado ali em dezembro, num dia “bem mais frio do que o de hoje”, a chamar a atenção para o problema da reconstrução da sua casa — cuja obra estava parada.

Segundo contou a líder do CDS, o processo estava bloqueado por falta de pagamento aos empreiteiros e entretanto, depois da ida do CDS ao terreno, motivando depois reportagens televisivas sobre o caso, o processo foi desbloqueado. Hoje, a casa está pronta a ser habitada, e Laura vai finalmente sair da casa da filha, para onde foi há dois anos, quando o fogo levou a sua. Nada disto parece ter a ver com europeias. Mas é mais uma prova viva e trágica dos incêndios de há dois anos — que aconteceram sob a tutela de António Costa. Quanto a Laura, não quer saber de eleições, de partidos, nem quer saber de uma casa nova em folha, só queria a sua casa de sempre, com as suas coisas e as suas memórias.

Parece que ia cair, mas não caiu. O dia correu sem incidentes a Nuno Melo, que andou a chamar a atenção para os problemas do interior do país e a sublinhar os estragos dos incêndios que ainda não foram sarados, quase dois anos depois.

PAULO NOVAIS/LUSA

De Coimbra a Vila Nova de Poiares, de Vila Nova de Poiares a Oliveira do Hospital, daí para o Fundão e do Fundão para Rio Maior, indo dormir a Lisboa: a caravana do CDS percorreu neste segundo dia de campanha oficial nada menos do que 476 quilómetros.

Total acumulado: 735 quilómetros (a contar desde segunda-feira).

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)