Olá

831kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O professor Frederico Chipessola (E) durante a aula de português na escola primária de Chipupili, município da Chicala, Cuito, Bié, Angola, 28 de maio de 2024. Milhares de alunos angolanos de zonas rurais andam dezenas de quilómetros para ter acesso ao ensino devido à falta de transportes.O cenário poderá mudar em breve com a implementação de um projeto-piloto no âmbito da iniciativa “Unidos pela Educação” - que integra o Centro Ufolo, a Fundação Ulwazi e o Ministério da Educação - para formar professores ambulantes e levar uma “escola móvel” até às aldeias. (ACOMPANHA TEXTO DO DIA 02 DE JUNHO DE 2024). AMPE ROGÉRIO/LUSA
i

Pacote de emergência do Governo custará 20 milhões de euros

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Pacote de emergência do Governo custará 20 milhões de euros

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Diretores, pais e investigadores universitários dão sinal positivo ao pacote de emergência. Fenprof isolada nas críticas

Governo pretende reduzir em 90% o número de alunos sem professor até ao final do ano. Esta é uma "meta muito ambiciosa", diz o dirigente da associação de Diretores de Agrupamento e Escolas Públicas.

A última semana terminou com a apresentação, por parte do Governo, de 15 medidas de emergência para a Educação. Ao Observador, representantes dos diretores de escolas e das associações de pais dizem-se satisfeitos, e até destacam como positivas algumas das medidas apresentadas pelo Governo, como a atribuição de bolsas a quem ingressar em cursos da área do Ensino. O mesmo acontece com os investigadores e professores do Ensino Superior, chamados para ajudar a colmatar a falta de professores. Já os docentes, representados pela Fenprof, esperavam mais e acusam o Ministério da Educação de ser “pouco ambicioso”.

A medida que maior destaque recebeu por parte da Associação Nacional de Diretores de Agrupamento e Escolas Públicas (ANDAEP) é a atribuição de 2 mil bolsas de estudo a quem ingressar em licenciaturas ou mestrados na área do Ensino. Foi uma medida que “agradou” o responsável da associação. “As medidas são todas a curto prazo, muitas delas a curtíssimo prazo. E destaco esta a médio e longo prazo. As 2 mil bolsas não me parecem suficientes, mas a juntar com as outras parece-me bastante razoável” para dar resposta à falta de professores, partilha Filinto Lima.

A dirigente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) também elogia esta medida: “Não sabemos se as medidas vão surtir efeito”, mas, no que toca à atribuição de bolsas, Mariana Carvalho já começou a receber sinais de interesse. “Perguntaram-me como vai funcionar. Há interesse identificado por parte dos alunos”, diz a representante dos encarregados de educação ao Observador.

Os números, as soluções e as metas. “Plano de emergência” para as escolas custa 20 milhões de euros

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A opinião é partilhada pelo responsável do Conselho das Escolas, António Castel-Branco, que alerta: “Faltou uma medida que diga respeito à criação urgente de cursos de ensino. Nos últimos dois anos já foi notória a falta de vagas para mestrados em ensino. Não há vagas, mas têm de ser criadas e espero que haja esse esforço.”

Por outro lado, a Fenprof — um dos sindicatos dos professores com mais associados e que ficou fora do acordo entre Ministério e sindicatos para a reposição do tempo de carreira congelado — diz que esta medida não irá resolver nada. Em comunicado, a organização alertou que as 2 mil bolsas para novos estudantes dos cursos de ensino “serão atribuídas a futuros professores, que apenas chegarão ao sistema dentro de cinco anos”, porém, “ o sistema educativo, só ao longo do ano letivo em curso, verá quase 5 mil docentes saírem para a aposentação”.

“Já me perguntaram como vai funcionar [a atribuição de bolsas a quem ingressar em cursos da área do ensino]. Há interesse identificado por parte dos alunos"
Mariana Carvalho, presidente da Confap

Diretores apoiam regresso de reformados ao ativo

O programa do Governo “é pouco ambicioso” e, naquilo “que é possível quantificar, [este programa] não vai além de 10% das necessidades”, critica o sindicato de Mário Nogueira. Apesar de a Fenprof considerar positivo o facto de o Governo reconhecer que faltam professores, o sindicato considera a estratégia do Governo “demasiado genérica”.

E diz que algumas medidas “colidem com o disposto no Estatuto da Carreira Docente”, como é o caso do “aumento do número de horas extraordinárias para 10”. Mário Nogueira critica ainda a a proposta de incentivar professores a continuarem a trabalhar ao invés de se reformar: “É pouco crível que se retenham mil docentes que estão para se aposentar, pagando até 750 euros quando, depois de se aposentarem, poderão receber até 1604,90€”.

[Já saiu o sexto e último episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui o primeiro episódio, aqui o segundo, aqui o terceiro, aqui o quarto episódio e aqui o quinto episódio.]

Mas a medida que mais críticas recebeu por parte deste sindicato foi atrair professores de volta ao ativo. “Não será atraindo aposentados (que foram desrespeitados no processo de recuperação do tempo de serviço) que se dará o inadiável rejuvenescimento da profissão docente”.

Por oposição, os diretores escolares veem com bons olhos esta ideia. O presidente do Conselho das Escolas, que também é diretor do Agrupamento de Escolas Ferreira de Castro, em Sintra, António Castel-Branco, admite que esta medida poderá ser apelativa em regiões como “o Alentejo ou o Algarve, com turmas mais pacatas e pequenas, em escolas onde não há tanto desgaste.” Já Filinto Lima, dirigente da ANDAEP, diz mesmo “não perceber” porque é que algumas pessoas fizeram “chacota” da medida. “Parece-me ser muito útil. Há uma pequena franja de professores que quer continuar o vinculo à escola.”

Ministério da Educação quer reduzir em 90% o número de alunos sem aulas até ao fim do ano

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Fenprof elogia contratação de técnicos superiores

Finito Lima destaca ainda como positiva a aceleração do processo de contratação de novos professores: “Atualmente, só à sexta-feira de cada semana sabemos que professores são colocados na semana seguinte, o que demora mais de uma semana a acontecer e agora isto será diariamente”. Também o alargamento do período de substituição dos professores de baixa é “uma medida muito positiva”, remata o dirigente da ANDAEP.

“Vemos com muito bons olhos [esta medida] e parece-nos rápido de implementar”, elogia a representante das associações de pais. António Castel-Branco concorda e diz mesmo que “não tem sentido” contratar um professor apenas para a substituição durante um mês, mesmo sabendo que o professor responsável não irá voltar .

A Fenprof — apesar da opinião negativa relativa a este pacote de emergência — considera positiva não só a possibilidade de contratação diária e do alargamento do período de substituição, como também a contratação de 140 técnicos superiores para apoio administrativo.

Governo apresentou um pacote com 15 medidas de emergência, mas deixou de fora os "apoios na deslocação e estadia de professores", critica o dirigente da ANDAEP.

Superior contra recrutamento de bolseiros para lecionar no secundário

Nas 15 medidas do Governo, três interferem diretamente com o Ensino Superior: bolseiros de doutoramento que dão aulas no superior poderão dar aulas no ensino secundário; será atribuída uma bolsa para atrair mestres e doutorados para a docência através de uma formação científica e a profissão será aberta a docentes e investigadores doutorados.

“Estamos solidários, percebemos o problema que é preciso enfrentar”, reconhece o presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup). Em representação dos professores e investigadores do Superior, José Moreira acrescenta que considera positiva a ideia de “contratar pessoas doutoradas e mestres com especialização cientifica”, mesmo sendo necessário “definir em que condições podem aceder à carreira docente”.

Contudo, há “duvidas na questão de recrutar bolseiros de doutoramento para colaborar” nas escolas. Estes investigadores “estão a trabalhar no doutoramento” e, podendo acumular até 10 horas para lecionar, ficam “sem tempo para se dedicarem” à investigação. “A questão tem de ser afinada”, remata José Moreira.

Professores aposentados, mais horas extraordinárias, contratação acelerada. As “15 medidas de emergência” para os alunos sem professores

Reduzir em 90% número de aluno sem aulas é muito ambicioso

Para o presidente da ANDAEP, no pacote de 15 medidas destaca-se “a ausência de apoios na deslocação e estadia de professores”, medida que considera essencial e urgente. Já o presidente do Conselho das Escolas admite que, “de modo geral, as medidas são positivas” e, com alguma cautela, ressalva que “falta verificar depois a sua eficácia”.

A mesma preocupação tem o dirigente da ANDAEP, que admite mesmo a necessidade de reajustar as medidas inicialmente propostas pelo Governo, até porque “os 90% é uma meta muito ambiciosa”. Filinto Lima referia-se ao objetivo definido pelo ministro da Educação, Fernando Alexandre, de reduzir em 90% o número de alunos sem aulas até ao final do ano.

Para Filinto Lima, independentemente das medidas implementadas, a prioridade tem de ser manter o nível de ensino, especialmente quando o Governo propõe simplificar os procedimentos de reconhecimento de habilitações para a docência de professores imigrantes. A mesma preocupação tem António Castel-Branco: “Temos de ter cuidado para não baixar o nível”, independentemente de como tudo “se operacionaliza”.

Mariana Carvalho também partilha desta opinião, mas olha para a questão de outra forma: “Temos muitos alunos estrangeiros e estes professores podem ajudar do ponto de vista da linguagem e facilitar a comunicação. Pode ser vantajoso.”

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada