Dosa de pato no Chutnify

Se durante anos entrar num restaurante indiano e não comer caril foi qualquer coisa de impossível, desde agosto, ir ao Chutnify sem provar a dosa de pato é passar ao lado do ex-libris da carta. A massa é feita com arroz e lentilhas e o recheio leva perna de pato e chutney de coco. Preço: 12€

JÚLIO LOBO PIMENTEL/OBSERVADOR

Bolinho de aves campestres e foie gras com shiso e trufa primaveril no L’And Vineyards

Com esta criação do chef Miguel Laffan, Alentejo e Ásia ficam mais perto durante umas grafadas. As aves (perdizes e afins) servem de recheio ao “bolinho” que também se podia chamar “dumpling”. Guloso e viciante, é assim este prato que faz parte do Menu do Chef e custa 90€ (sem vinhos, sete pratos).

Bola de Berlim da Cave 23

O chef Bernardo Agrela é o responsável por estas bombas de gulodice que são composta por carne do cachaço, chouriço de Goa, toffee sauce e cornichons. A ementa deste restaurante é sempre surpresa, por isso, quando cá vier, faça figas para que lhe calhe estas delícias. O menu de 9 pratos custa 65€, sem vinhos.

Sopa de tomate com pão, ovo e carne de alguidar na Varanda da Aldeia

É em São Luís, perto de V.N. de Milfontes, que se encontra esta tachada de comida tradicional portuguesa. A sopa de tomate surge quente, recheada de fatias de pão alentejano e ovos escalfados. Para molhar lá dentro, tenros cubos de carne com um subtil travo a colorau. Em podendo, é provar – fica-lhe a 15€ a dose.

D.R.

Shio Ramen no Ajitama Supper Club

João Ferreira e António Carvalhão puseram o ramen no mainstream português. Sem formação de cozinha, a dupla que organiza estes jantares “secretos” (paga o que achar justo) verteu a paixão pelo Japão nestas taças de sopa. Caldo profundo, noodles firmes, ovo mal cozido e barriga de porco que se desfaz: parece bem?

Jose Sena Goulao

Rabanada com gelado de Queijo da Serra do Euskalduna Studio

Vasco Coelho Santos foi um dos chefs que mais se afirmou ao longo de 2017 e esta rabanada, sua criação, pode muito bem justificar isso. Exageros à parte, esta sobremesa é em tudo parecida com o original mas tem a diferença de ser acompanhada por uma quenelle de gelado de queijo. Um vício que custa 4,5€.

Bruno Sousa

Faisão com amêndoa torrada, bolbo de aipo e alperce na Pensão Amor

Durante muito tempo, o faisão esteve ao nível do caviar e do foie gras enquanto produto nobre — todo o restaurante “chique” o servia. Entretanto, desapareceu de circulação, pelo menos até ao chef Guilherme Spalk a apresentar neste restaurante temporário bem no centro do Cais do Sodré. A refeição custa 69€.

D.R.

Carabineiro do Algarve no Feitoria

Este prato do chef João Rodrigues é a prova de que não se deve subvalorizar a simplicidade. A peça de marisco é salteada levemente, antes de ser servida. A acompanhar? Um molho feito com as cabeças dos bichos, que é feito na altura, ao lado da mesa, numa prensa de 1973. O menu tem 6 pratos e custa 135€ (sem vinho)

paulo barata

Filetes de polvo com arroz do mesmo da Casa Inês

Não se deixe enganar pelo aspeto: estamos perante um portento. Esta especialidade da casa portuense é servida de forma generosa. Os filetes são de polme leve e o molusco parece manteiga, tal a forma como se desfaz na boca. O arroz é solto, nada caldoso e altamente viciante. Meia dose custa 15€ e uma inteira 30€.

D.R.