Ele pensou por nós e enganou-nos a todos

10 Julho 20161.332

Há dois anos perdeu no Stade de France, disse aos jogadores que voltariam ali para jogar a final do Europeu. Nós não sabíamos disto. Só sabíamos o que ele dizia, e desconfiámos de Fernando Santos.

Mãos atrás das costas, postura de pensador, um caminhar pausado, com os olhos focados no chão. Andou assim a passear uns bons 15 minutos, lá longe, à volta do campo principal de Marcoussis. O primeiro treino da seleção estava a começar. Os jogadores aqueciam as pernas e ele afastado estava, a aquecer a mente. Foi passear sozinho, ninguém tentou dar-lhe companhia, aquilo era mais hábito do que ocasião. Ele ditou o caminho e o tempo, pisou o relvado já quando as rabias e os meiinhos andavam a ser feitos. É a primeira coisa que me vem à cabeça quando vou buscar memórias de Fernando Santos neste Europeu. O selecionador a pensar, sozinho.

A segunda é o homem feliz e espontâneo de Marselha. A seleção tinha acabado de resolver um problema aos pontapés. Foram cinco, todos com a bola parada a 11 metros, ninguém falhou. Os penáltis punham-no a ele e aos jogadores nas meias-finais. E a nós, jornalistas, que os esperávamos na zona mista do Velódrome, lá em baixo, onde todos eles têm de passar para chegarem ao autocarro que os leva dali. O primeiro a aparecer foi Fernando Santos. No final da fila de grades, eu e mais uns colegas damos-lhe os parabéns. Ele sorri, ri-se com ar de quem recebe a melhor notícia do mundo e ouve a melhor anedota de sempre. Estica a mão, é ele que força o passou-bem. Diz-me “muito obrigado”.

No final da fila de grades, eu e mais uns colegas damos-lhe os parabéns. Ele sorri, ri-se com ar de quem recebe a melhor notícia do mundo e ouve a melhor anedota de sempre. Estica a mão, é ele que força o passou-bem. Diz-me “muito obrigado”

Entre e antes destes momentos houve o senhor de palavra, com a voz grave, grossa, talvez pela segurança que mete em cada coisa que diz. Há dois anos, quando a federação se livrou da catástrofe do Mundial com um abrir de porta a Paulo Bento — que ainda foi a tempo de perder, em casa, contra a Albânia –, apareceu este homem. Anteviu-se outro imbróglio. Este era o treinador respeitado, com bom olhado de muita gente, caía no goto da maioria, mas o homem que tanto gosta de pescar trazia uma pescadinha de rabo na boca.

Contestou um árbitro no Brasil, falou o melhor inglês que pôde, garante que não o ofendeu. As palavras valeram-lhe uma expulsão com a Grécia que valeu oito jogos de suspensão com Portugal. Fernando estava condenado a começar por ser tão ausente como ausente. O banco foi espaço interdito para ele e as pessoas duvidaram. Falou-se e inventou-se e problematizou-se sobre um castigo que o impedia de estar no sítio onde quase todos os treinadores dizem que, mal a bola começa a rolar lá dentro, pouco podem fazer dali. Há berros que se disparam, indicações que se dão, nervos que explodem, mas o calor que aquece quem joga tapa os ouvidos a quem deve ouvir.

Foto: FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

Faltaria sempre a figura do líder no banco, mas o Fernando parecia inabalável. Despreocupado com tudo isso. No dia em que sentou o rabo na cadeira que o apresentou como novo selecionador, em Lisboa, contou que, nos anos em que passou na seleção grega, os jogadores sabiam uma palavra em português. “Ganhar”. Como qualquer um, ele não o conseguiu fazer sempre e vai com quatro empates e seis derrotas além das 14 vitórias em 24 jogos com a seleção. Nenhum jogo perdido apareceu quando havia algo em jogo. Quando foi a valer, ninguém foi melhor que a seleção no resultado.

No primeiro dia, sem um treino, um jogo, uma vista de olhos de perto nos jogadores, disse que ia estar no Europeu. A seleção estava mais fora do que dentro, nessa altura. Quando confirmou o que disse, esticou-se mais um pouco. Fez lembrar os miúdos que estão a ser ameaçados pelos pais com um raspanete e, maldita adrenalina, ousam contrariar. Ou maldita confiança. Ou maldita crença. Porque Fernando Santos acredita muito nele próprio e no que leva os jogadores a acreditarem.

Disse que ia ao Europeu para chegar à final e ganhá-la. Não era arrogância, era ambição. Era meter na cabeça de toda a gente — do jogador, dos técnicos, dos jornalistas que escrevem, do adepto que desconfia, da dona de casa que não quer saber patavina de futebol — a mesma ideia. Todos ficaram a pensar no mesmo. Era para o bem, muitos levaram o mal. Que era ambição a mais, coisa desmesurada, objetivo a mais para tanta tradição a menos e desconfiança que o português leva dentro quando são estas coisas.

Disse que ia ao Europeu para chegar à final e ganhá-la. Não era arrogância, era ambição. Era meter na cabeça de toda a gente -- do jogador, dos técnicos, dos jornalistas que escrevem, do adepto que desconfia, da dona de casa que não quer saber patavina de futebol -- a mesma ideia.

O sorteio deu um grupo que todos julgámos pelos nomes e vimos como fácil. Fernando avisou que não era, tenham calma. Com maior ou menor dificuldade antecipada, Portugal tinha e devia acabá-lo com nove pontos e sobreviveu-o apenas com três e com um trio de empates. O selecionador, ousado, refrisou a meio o objetivo e garantiu o que já tinha prometido à família. Só voltava a 11 de junho para casa, no dia seguinte à final do Europeu. Era impossível não desconfiar.

A seleção jogava à cautela, organizada como nunca, com pouco risco e demasiada prudência para o risco a que estávamos habituados. Portugal, o país pequeno mas grande em futebolistas, sempre quis fazer peito, bater o pé, dominar os outros, mostrar o que somos, ganhar pela finta, pelos pés, pela técnica que temos a mais para tantos golos a menos. Nós, jornalistas, entre colegas que andam em França, suspirávamos. Víamo-nos a ir para casa mais cedo. O resto da Europa também. Líamos jornais e capas com “aborrecido”, “nojento” ou “pouco” escritos a letras grandes.

O salto para a final apareceu na cabeçada de Ronaldo e no pé esticado por Nani numa segunda parte. Mostrou-nos como o homem que preferia “dois pássaros na mão do que um a voar” e que afirmara “não ser maluco” tinha razão. Estamos na final. E afinal ele nunca nos enganou, nós é que nos enganámos.

Os portugueses vão passando e são desviados para o lado bom da força do sorteio por alguém chamado Tartason. O islandês que marca um golo no último minuto do derradeiro jogo deles, na fase de grupos, e deixa Portugal em terceiro. O bom no meio do mau de acabar nesse lugar foi a seleção evitar França, Alemanha, Inglaterra, Itália e Espanha para se encontrar com a Croácia, a Polónia e o País de Gales.

Encontrou-os com empates, à cautela, à retaguarda, a anulá-los primeiro e a atacá-los depois, até vencer os galeses ao fim de 552 minutos a empatar contra toda a gente. O salto para a final apareceu na cabeçada de Ronaldo e no pé esticado por Nani numa segunda parte. Mostrou-nos como o homem que preferia “dois pássaros na mão do que um a voar” e que afirmara “não ser maluco” tinha razão. Estamos na final. E afinal ele nunca nos enganou, nós é que nos enganámos.

Julgámos à pressa e fomos rápidos a esticar o dedo ao selecionador que deitou cá para fora o que muitos guardam lá dentro. Fernando Santos disse que pretendia ganhar, ser campeão europeu, chegar à final. Insistiu com a ideia para que toda a gente a enfiasse na cabeça. Não é por acaso que muitos são os treinadores e jogadores que, em público, são resfriados nos objetivos. Não revelam o que se fala no balneário. É normal, isso dá pressão, cria expectativas, deixa quem assiste em posição de lhes cobrar algo. Mas ele fê-lo, os jogadores seguiram-no, a federação também. Puxaram por nós e nós a duvidar.

Foto: Alex Livesey/Getty Images

Isto aconteceu porque Fernando Santos é um líder. Eu não o sabia, fiquei a saber por Luís Roquete, o senhor que foi seu adjunto no Estoril, onde tudo começou, e se fartou de o dizer. Parecia não ter palavras que chegassem para descrever o carisma, a postura, a voz, a forma como diz as coisas, como acerta, como dá o exemplo. Podemos sempre desconfiar de quem fala dos melhores amigos e só diz bem, mas não aqui. Paulo Mendes disse-me o mesmo, ou Paulinho, como Fernando e o futebol lhe chamam. Na cave de uma pizzaria de Paris e nas ruas da cidades, conversámos sobre o selecionador que em tempos o treinou e que agora tem como amigo. Para sempre.

Não gravei nem escrevi coisas que ele me disse à confiança, pérolas de um homem, histórias fora do futebol que mostram muito sobre o que Fernando leva para dentro dele. É uma pessoa que sempre abriu a porta a Paulinho, que não liga às horas, que engana pelo ar carrancudo que tem, mas que não é, que é honesto, sincero e verdadeiro com todas as pessoas com as quais lida. Não é por acaso que a cada entrevista que se faz a amigos ou conhecidos de Fernando Santos, a palavra líder tenha sempre mais contagem que outras.

Isto aconteceu porque Fernando Santos é um líder. Eu não o sabia, fiquei a saber por Luís Roquete, o senhor que foi seu adjunto no Estoril, onde tudo começou, e se fartou de o dizer. Parecia não ter palavras que chegassem para descrever o carisma, a postura, a voz, a forma como diz as coisas, como acerta, como dá o exemplo

E honesto foi coisa que ele pareceu ser em Marcoussis, em uma das conversas a que fui, entre ele e nós, jornalistas. Sorriu, brincou quando teve de ser, respondeu ao que lhe perguntámos, não falou sobre coisas e explicou porquê, não as evitou. É muito raro isto acontecer, ainda mais quando me dizem que estas conversas, privadas e tranquilas, partem muito da iniciativa do selecionador. Bem me dizia Luís Roquete que ele “adora falar sobre futebol”.

O futebol que, no domingo, o fará voltar ao sítio onde tudo começou para ele e para nós com ele na seleção. Fernando Santos estreou-se com Portugal no Stade de France, estádio onde um 2-1 o fez arrancar com uma derrota. Eram os franceses que estavam no relvado, muitos dos que jogarão a final contra os portugueses. Foi nessa dia, contou há dias, que disse aos jogadores e lhes meteu na cabeça a ideia de que, dois anos volvidos, estariam ali, de volta, a jogar a final do Europeu. Enganou-nos a todos, disto não sabíamos.

Texto de Diogo Pombo (Paris, França).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)