Foi uma subida curta, mas ainda assim uma subida. Terminadas as três fases do concurso nacional de acesso ao ensino superior há mais 1,6% de alunos colocados do que no ano anterior. Contas feitas, o total das três fases somam 46.058 novos estudantes com lugar garantido em universidades e politécnicos da rede pública. O aumento é especialmente sentido em instituições fora de Lisboa e do Porto, o que, para o Ministério do Ensino Superior, “é reflexo das medidas de redistribuição territorial de vagas assumidas durante a presente legislatura”.

O Instituto Politécnico de Setúbal, segundo os dados divulgados pela tutela, é o que apresenta maior variação de colocados em relação a 2018, com mais 126 estudantes (total de 1.011) e tem, para já, uma taxa de colocação de 83,6%. Com mais 90 alunos do que no ano anterior, o Politécnico de Bragança fica em segundo lugar (976 alunos no total), seguindo-se o Politécnico da Guarda com mais 76 vagas ocupadas (460).

As maiores variações negativas são para o Politécnico de Lisboa, do Porto e para a Universidade de Lisboa que perdem, respetivamente, 51, 38 e 33 alunos. Apesar da queda, a Universidade de Lisboa continua a ser a instituição que mais estudantes recebe no final das três fases de acesso (7.190).

Olhando apenas para a terceira e última fase do concurso nacional, o movimento foi ascendente em relação às colocações de 2018 — foram 1.402 estudantes colocados contra 1.385. Esta subida é também visível de um ano para o outro entre os alunos que não tinham qualquer matrícula, 840 contra 777.

Os dados foram divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior às 00h01 desta sexta-feira, podendo os dados individuais ser consultados no site da DGES. Na tabela que o Observador disponibiliza, pode verificar se entrou no curso escolhido, confirmando qual foi a média do último aluno colocado.

[Veja aqui se conseguiu entrar no Ensino Superior. Pode rolar para cima e para baixo dentro do quadro ou fazer uma busca na área de “search”]

Olhando para as 50.860 vagas fixadas para o concurso nacional de acesso de 2019, verifica-se que a taxa de ocupação aumentou face ao ano anterior (90,6% contra 89,1% das vagas), com a larga maioria das instituições a aumentar esta percentagem. Assim, as universidades recebem 27.670 novos estudantes, com uma taxa de colocação de 98,0%, enquanto que os politécnicos terão este ano mais 18.388 alunos, uma ocupação que fica pelos 81,2%.

Na terceira fase do concurso nacional, universidades e politécnicos colocaram a concurso 3.428 vagas. A estas somaram-se 552 libertadas pelos candidatos que já tinham sido colocados em fases anteriores do concurso e que de novo garantiram lugar no ensino superior. No total, 2.607 vagas colocadas a concurso pelas instituições de ensino superior não foram ocupadas. 

Para os estudantes agora colocados, a matrícula e inscrição é realizada entre 11 e 15 de outubro junto da instituição de ensino superior. Esta é a única forma de garantir a vaga, já que, caso não o façam dentro do prazo legal, os estudantes perdem o seu lugar.