Entrámos no prédio Coutinho. E mostramos como é a vida de duas famílias resistentes /premium

02 Julho 2019133

O casal Rocha e o casal Cunha são vizinhos no prédio Coutinho. Fazem parte dos resistentes que passaram vários dias sem luz, sem água e sem gás. Agora, abriram as portas de casa ao Observador.

Francisco Rocha e Armando Cunha tomam “um fino” ao balcão do café Universo. Raquel Rocha está com Fernanda Rocha, que não herdou o nome do marido Armando e que, curiosamente, tem apelido igual ao casal vizinho. Estão sentadas à mesa. São poucos os metros que os separam do prédio onde estiveram fechados durante uma semana — sem luz, sem água e sem gás.

Olhando de frente, a partir do Jardim da Marginal, há um edifício separado por dois blocos, nascente e poente, sem comunicação entre si. O prédio Coutinho é hoje uma das construções mais famosas do país. Para já, e depois de quase 20 anos de braço de ferro, vai continuar a ter moradores. Depois de o tribunal ter aprovado uma providência cautelar a parar os despejos, os moradores conseguiram sair — e o Observador conseguiu entrar. Lá dentro, foi possível ver e fotografar a vida no interior do edifício mais debatido dos últimos dias.

O T3 do 8.º esquerdo, lado nascente, tem donos há 45 anos. Escura, a casa pouco ou nada mudou desde esse tempo. Raquel Rocha, de Viana do Castelo e emigrante em França, convenceu o marido, durante umas férias em Portugal, a comprar um apartamento na cidade onde nasceu. Custou 1100 contos, com parte do dinheiro emprestado.

Raquel e Francisco Rocha vivem há 12 anos no 8.º andar do bloco nascente do prédio Coutinho (JOANA ASCENSÃO/OBSERVADOR)

Raquel e Francisco não põem de parte terem de entregar a chave da casa onde vivem há 12 anos. Mas, para o casal, a justificação da demolição do prédio com a criação de um novo mercado municipal “é uma mentira”.

“Eles querem mandar isto abaixo e ainda não sabem o que vão construir. Mercado? Não. Nem há espaço para descarregar camiões e camionetas… E, se queriam fazer um mercado, faziam embaixo e deixavam apartamentos em cima, como há na França"
Raquel Rocha, moradora no prédio do Coutinho

Na casa — que esteve sem água canalizada, luz elétrica e gás durante uma semana — sente-se uma quase total normalidade. Há bolachas Maria, fruta e pão de forma em cima das bancadas da cozinha, assim como tupperwares descartáveis de sopa.

No entanto, um pequeno fogão azul de campismo destaca-se no sítio onde costuma ver-se apenas um fogão elétrico. Subiu içado por uma corda nas traseiras do prédio, à revelia da vigilância policial. Pelo mesmo método, também subiram algumas refeições quentes, toalhetes e lanternas. A televisão deixou de funcionar, por falta de eletricidade, mas jogava-se Candy Crush nos tablets — um para cada um. E bateria? “Havia luz nos corredores do prédio.”

Raquel Rocha usou botijas de gás de campismo para cozinhar (RUI MANUEL FONSECA/OBSERVADOR)

Raquel caminha, preocupada, entre a sala e a cozinha. “Parece que a água ainda não vem hoje.” Nem o gás, porque ainda só há sinal de eletricidade nos apartamentos. Entre olhares atentos para a paisagem serena do rio Lima, Raquel pede desculpa várias vezes pela desarrumação da casa. Diz que rezou para que a providência cautelar, interposta pelos advogados dos moradores a 24 de junho, tivesse um resultado positivo. Mas nem sempre acreditou. De malas feitas e móveis despidos, estava já preparada para o pior.

Francisco não esconde o sorriso: “Hoje estou feliz”. Está incumbido pela mulher da tarefa de falar, porque ela, com um travo de sotaque francês, “não se expressa tão bem”. É notório no discurso um esforço para não se vitimizar. Mas, quando fala da mulher, faz notar quem tem desanimado mais.

Francisco Rocha, à janela do seu apartamento (JOANA ASCENSÃO/OBSERVADOR)

A moradora levanta ligeiramente a camisola enquanto ajeita os colares dourados e mostra como têm sido difíceis os últimos dias. Uma cicatriz divide-lhe o abdómen a meio, na vertical. Foi cancro do estômago. “Quando estamos doentes, até o facto de nos chamarem ‘menina’ no hospital faz diferença”, comenta. Nesta semana que passou perdeu dois quilos e meio — “mas foi pelos nervos”, que comida não faltou. O marido perdeu três.

Raquel Rocha é dona do apartamento há 45 anos (JOANA ASCENSÃO/OBSERVADOR)

Nuns metros, a distância pode ser maior que de Versailles a Paris

Armando Cunha e Fernanda Rocha dão-se bem com os Rocha, mas, durante uma semana, apesar de viverem paredes unidas com eles, pouco ou nada conversaram. O advogado Magalhães Sant’Ana andou de nascente a poente (e vice-versa) para chegar a acordos com todos os moradores.

Em 1976, dois anos depois dos vizinhos, menos interessados pela vista, Armando e Fernanda compraram um T3 no segundo andar. “Visitámos o 2.º andar e o 11º. Este não tem tanta vista mas não interessa. Farta de subir escadas estava eu em França”, conta Fernanda ao Observador.

Em Versailles viveram e trabalharam como emigrantes. Ela nas limpezas; ele na construção civil. Também durante umas férias de Verão se apaixonaram pelo prédio — “gostámos e comprámos”. Também pagaram 1100 contos, chave na mão.

Ela viveu 33 anos em França e ele 41. A parede a sul da sala do apartamento mostra um retrato antigo, a sépia, dos donos. Aos 17 anos casaram; há 58 que não se largam.

Em cima da bancada da cozinha há o bolo de chocolate que Fernanda descongelou e “por acaso calhou mesmo bem”. Lá em casa, ao almoço de segunda-feira, o dia em que foi decidida a providência cautelar, comeu-se batatas com bacalhau e salada de cenoura e courgete. No dia anterior, Fernanda cozinhou massa com carne e até os Agostinhos, do 5.º piso, provaram o prato.

“Não passámos fome, mas poupámos água. Nunca recebemos comida. Só mandei vir do restaurante no primeiro dia. Depois, o Agostinho arranjou-nos uma daquelas botijas de gás de campismo e é com isso que tenho feito comida”
Fernanda Rocha, moradora do prédio Coutinho

Sem eletricidade, “não se via televisão mas fazia-se palavras cruzadas francesas”, com a ajuda de velas e de duas lanternas, “uma trazida pelo morador Agostinho e outra comprada numa loja árabe”.

Fernanda Rocha passou parte do tempo a fazer palavras cruzadas em francês (RUI MANUEL FONSECA/OBSERVADOR)

Ao contrário dos Rocha, os Cunha não pensaram, a princípio, que poderiam perder as casas. Hoje, estão conformados. “Se o tribunal decidir isso, custa-me muito. É uma casa que me dá muito conforto por fora e por dentro”, confessa Armando, de voz anasalada. “Quando se faz qualquer coisa é para ganhar ou perder, como no futebol”, remata Fernanda. Como há uma águia de madeira em cima do móvel ao canto, na sala, Armando confessa-se um nortenho benfiquista desde que o clube goleou o Torreense por 8 -1 .

Fernanda Rocha e Armando Cunha são dois dos nove moradores resistentes do prédio do Coutinho (RUI MANUEL FONSECA/OBSERVADOR)

Quase terminada “a visita ao palácio”, como lhe chama Fernanda, falta conhecer a varanda, que, mais do que o apartamento, tem sido pouso habitual nestes últimos 19 anos. Duas fotografias de rostos juvenis mas familiares sobressaem nas paredes, junto a duas poltronas. Ao lado, as orquídeas e as palavras cruzadas francesas. Lá em baixo, a vista de há uma semana, trocada agora por abraços da bisneta mais nova, que lhe pede o prato favorito. Está prometido, mas para quando houver gás.

Texto de Joana Ascensão (em Viana do Castelo).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jascensao@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)