Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando a 22 de julho a Ucrânia e a Rússia assinaram em Istambul o contrato que permitia a saída dos cereais retidos nos portos ucranianos, vários líderes mundiais saudaram a iniciativa do Presidente turco. Recep Tayyip Erdoğan fez aquilo que mais nenhum conseguira até então: convencer o Kremlin a sentar-se à mesa das negociações e a negociar algo efetivo com Kiev. Foi talvez o momento desta caminhada em que ganhou mais pontos. Pontos que lhe valem poder interna e externamente.

Desde o início da invasão, Erdoğan tem estado empenhado em construir pontes entre a Rússia e a Ucrânia, multiplicando-se em iniciativas para mediar o conflito entre os dois países. Deste modo, o chefe de Estado turco tem ganhado relevância na comunidade internacional, a que se somam vários elogios. E tem conseguido que passe para segundo plano a difícil conjuntura interna, assim como as anteriores tensões que a Turquia mantinha com o Ocidente.

Ouça aqui o episódio do podcast “A História do Dia” sobre o papel de Erdoğan e o que tem a ganhar nas negociações com Putin.

Erdoğan, o homem que Putin ainda ouve (às vezes)

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.