Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em menos de cinco meses, as trotinetes da VOI chegaram à Suécia, Espanha, Portugal, França e, mais recentemente, à Dinamarca. Na bagagem, a primeira startup europeia de trotinetes elétricas partilhadas trouxe um investimento de cerca de 50 milhões de euros para poder expandir o produto no mercado europeu. Para Fredrik Hjelm, presidente e fundador da empresa, o segredo do negócio tem duas componentes: “Uma boa equipa e um bom produto”, alinhado com “uma abordagem muito local”.

Em entrevista ao Observador, no âmbito do lançamento oficial da VOI em Lisboa, Fredrik Hjelm conta como a vivência no caos do trânsito em Moscovo e as constantes perguntas sobre mobilidade dos clientes de uma startup que fundou o fizeram perceber que era necessário uma mudança. “A nossa geração vai mudar a aparência das cidades e como nos movimentamos dentro delas”, disse, acrescentando que a startup sueca já está a fazer testes piloto para, em breve, entrar em mais cidades portuguesas, depois de esta segunda-feira ter entrado em Faro.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.