Há 200 anos, o fim de Napoleão em Waterloo

14 Junho 20151.232

18 de Junho de 1815. Em Waterloo, a sul de Bruxelas, Wellington enfrenta por fim Napoleão. E depois de horas de feroz e indeciso combate, a chegada dos prussianos decide a batalha a favor dos aliados.

Entre 1809 e 1814, no seguimento da 3.ª Invasão Francesa, as forças britânicas, portuguesas e espanholas, lideradas por Sir Arthur Wellesley – futuro duque de Wellington – logram sucessivas vitórias sobre o exército gaulês, ainda na Península Ibérica. Seguidamente, já em território francês, contribuem decisivamente para a queda de Napoleão Bonaparte. O imperador abdica, em 20 de Abril de 1814, e parte para o exílio na ilha de Elba. Wellington conseguia, assim, vergar um dos mais brilhantes generais de todos os tempos, mas sem nunca ter tido a oportunidade de com ele se confrontar, cara a cara, num campo de batalha. Mas o destino encarregar-se-ia de, volvidos cerca de 14 meses, proporcionar esse inesquecível frente-a-frente.

Da ilha de Elba ao confronto com os aliados

A 26 de Fevereiro de 1815, Napoleão evade-se da ilha de Elba, onde cumpria o exílio imposto pelas potências vencedoras, e, menos de um mês depois, entra em Paris. Ao mesmo tempo que Luís XVIII se põe em fuga, Bonaparte reassume a sua condição imperial, iniciando os Cem Dias da sua segunda e efémera passagem pelo poder.

Percebendo que os aliados não demorarão a fazer-lhe a guerra, tenta reorganizar o exército para lhes fazer frente. Embora seja notório o entusiasmo que a sua reaparição provocara nas fileiras do exército, Napoleão não tarda a perceber que lhe faltam grandes chefes militares para comandar os corpos de exército. Dos marechais ainda vivos, o imperador nomeia Davout para as funções de Ministro da Guerra e Soult para Chefe do Estado-Maior. Com quem mais é que pode contar? Berthier falecera; Marmont, Gouvion Saint-Cyr, Pérignon, Victor e Macdonald mantêm-se leais ao rei Luís XVIII; Masséna está demasiado velho; Mortier encontra-se enfermo; aceita Ney, mas rejeita a oferta de Murat. Com este panorama, é obrigado a recorrer aos generais de divisão que lhe parecem mais aptos para o comando dos corpos.

XVM939464c8-083e-11e5-b3e9-29fbf0bd3cfd

Napoleão conseguiu regressar em glória, mas por apenas cem dias

Apesar de todas estas dificuldades, o Napoleão consegue reunir, em apenas dez semanas, um exército de 124.000 homens. Com esse exército, tirando partido da configuração plana do território belga, espera poder conduzir uma campanha rápida, que, uma vez vitoriosa, produza resultados políticos favoráveis. Os aliados, por seu turno, contam com um exército anglo-holandês de 106.000 homens, directamente sob as ordens de Wellington, que se concentra nas imediações de Bruxelas. Num movimento convergente, marcham ao encontro deste exército mais duas outras formações aliadas: os Prussianos de Blücher, totalizando 117.000 soldados, e os Austríacos de Schwarzenberg, com um efectivo de 210.000 homens, mas que têm um itinerário mais longo a percorrer para se juntarem aos outros dois exércitos.

Em 15 de Junho de 1815, o exército napoleónico põe-se em movimento. Procurando evitar a junção das forças de Blücher com as de Wellington, movimenta-se por linhas interiores e vai tentar batê-las separadamente. Quando a ala esquerda do exército francês, comandada pelo marechal Ney, procura cumprir a missão de se apoderar do estratégico nó de Quatre-Bras – situado cerca de 10 km a sul do local da batalha de Waterloo e dominando o eixo Namur-Bruxelas, itinerário mais curto entre os Prussianos e os anglo-holandeses –, vai encontrar a posição já ocupada por uma brigada do exército de Wellington. Pensando que atrás da brigada se encontra todo o exército inimigo, Ney não se atreve a desencadear uma acção ofensiva em forma, optando por uma atitude prudente de concentração de todas as suas forças. A ala direita, sob o comando do marechal Grouchy, empenha-se, em Ligny, contra 3 dos 4 corpos de Blücher. Napoleão, com o grosso das tropas imperiais, segue à retaguarda, pronto a influenciar qualquer decisão que pareça mais difícil.

Entretanto, na noite desse mesmo dia, parecendo não valorizar demasiadamente o risco da movimentação do exército napoleónico, o duque de Wellington e os oficiais do seu estado-maior participam, no mais elegante estilo, no baile da duquesa de Richmond, em Bruxelas.

Enquanto a acção da ala esquerda, sob o comando do marechal Ney, se mantém indecisa em Quatre-Bras, Napoleão ordena a Grouchy o ataque contra as tropas prussianas, em Ligny. Tardando a desenhar-se a vitória, Napoleão vê-se obrigado a reforçar o ataque de Grouchy com as tropas de reserva, alcançando um sucesso claro, mas à custa de 8.000 baixas, contra 15.000 dos Prussianos. Para evitar males maiores, o comando das tropas prussianas entende que é melhor poupar o resto do seu exército, retirando para norte, na direcção de Wavre. Mas não abandona a ideia de, logo seja possível, voltar a tentar a junção com as forças de Wellington. Pela sua parte, e a partir de tal situação, Napoleão não pensa noutra coisa que não seja em bater o exército de Wellington rapidamente e tudo fazer para impedir que tal junção possa concretizar-se.

Wellington escolhe o terreno da batalha

A 17 de Junho, ao saber do movimento dos Prussianos para norte, Wellington dá ordens ao seu exército para recuar para a posição de Mont St. Jean, a pequena distância, para sul, de Waterloo. Nessa posição, o exército anglo-holandês, além de ocupar terreno ligeiramente dominante, dispõe de diversos edifícios rústicos e valados que permitem uma boa cobertura para a condução de uma defesa. Napoleão, que, após o fim da batalha de Ligny, resolvera dar descanso aos seus homens, só nesse dia, cerca das 11 horas, decide ir com o grosso das suas forças juntar-se às tropas de Ney, enquanto ordena a Grouchy, com uma força de 30.000 homens, para ir no encalço dos Prussianos. Estes, desde o dia anterior, já lograram alcançar um significativo avanço, aproveitando a passividade dos Franceses. Grouchy, por seu turno, executa a ordem de perseguição a um ritmo incompreensivelmente lento, sem qualquer hipótese de impedir a junção entre Prussianos e Britânicos.

Sadler,_Battle_of_Waterloo

Napoleão atrasou o início da batalha devido ao terreno estar empapado pelas chuvas que tinham caído durante a noite

Ainda a 17 de Junho, o grosso do exército francês aproxima-se do Mont St. Jean. Verificam-se, na ocasião, condições meteorológicas extremamente adversas, com a queda de chuvas diluvianas, factor que vai condicionar negativamente as operações ofensivas, uma vez que o terreno enlameado impedirá a infantaria de tirar o máximo partido do poder de choque das suas colunas, ao mesmo tempo que favorecerá quem adoptar uma postura defensiva. O mesmo é dizer que tudo se conjuga para dificultar a missão do atacante e beneficiar a acção de quem defende. Ao findar o dia, os dois exércitos encontram-se frente-a-frente.

Na manhã de 18 de Junho, com o início do ataque aprazado para as 9 horas, Napoleão vê-se forçado a um adiamento de duas horas e meia, na esperança de ver reduzir o grau de humidade que empapa o terreno e impede a velocidade dos movimentos. Assim, pelas 11h30, a ala esquerda francesa ataca a direita aliada, na posição semifortificada de Hougoumont.

Cerca das 13h30, perante a contrariedade de não terem ainda terminado os sangrentos combates por Hougoumont, onde os Britânicos resistem galhardamente às furiosas investidas dos Franceses, Napoleão ordena o ataque frontal, ao centro, conduzido pelo 1.º Corpo, de Drouet d’Erlon. Mas também nessa ocasião, os homens de Wellington, utilizando nos valados a técnica de posicionamento de contra-encosta, furtam-se aos efeitos da artilharia francesa, para, logo de seguida, sentindo a aproximação da infantaria inimiga, subirem à crista, dizimando o adversário com os seus implacáveis fogos de atiradores em linha.

Para piorar a situação das tropas imperiais, não tardam a perceber que o 4.º Corpo do exército de Blücher – o único que não estivera na batalha de Ligny e que, portanto, também não fazia parte das forças que haviam retirado para Wavre –, comandado por Bülow, se aproxima pela direita do dispositivo francês. São expedidas ordens para Grouchy alterar a sua missão e vir atacar Bülow pela retaguarda. De nada valem esses esforços, porque Grouchy só pelas 17 horas recebe a mensagem enviada por Soult, o chefe do estado-maior do exército imperial.

A carga da cavalaria francesa liderada pelo marechal Ney

A carga da cavalaria francesa liderada pelo marechal Ney

Falhado o ataque de d’Erlon, Napoleão lança mão da cavalaria, executando duas incursões que rasgam o dispositivo aliado, sem, contudo, o forçarem a um recuo. As tropas britânicas, ao verem-se submergidas pela cavalaria francesa, rapidamente passam à formação de quadrado, continuando a disparar, em todas as direcções, com assinalável eficácia. «Cada quadrado – escreveria mais tarde Victor Hugo, em Os Miseráveis – era um vulcão, atacado por uma nuvem».

Os prussianos entram em campo

Entretanto, cerca das 16h00, inicia-se o ataque do corpo de Bülow ao flanco direito francês, em Placenoit, obrigando a desviar forças para garantir, no mínimo, o controlo do itinerário de retirada. No centro da batalha, cerca das 18h30, depois de diversas cargas da cavalaria francesa, a posição fortificada de La Hayne-Sainte cai na posse das tropas de Ney. Por uns breves instantes, constatando que a sua linha cedera na parte central, Wellington admite que a manutenção da defesa se encontra em risco e, mais do que nunca, espera que a chegada dos Prussianos de Blücher o salvem da situação crítica em que o êxito da cavalaria francesa o coloca. Pensando dar o golpe de misericórdia ao adversário, mediante o empenhamento da Guarda Imperial, ainda intacta, Napoleão recebe a notícia da tomada de Plancenoit pelas tropas de Bülow. Perante este novo revés, decide atrasar o ataque ao centro. Ordena, então, que uma fracção da Guarda Imperial retome a posição de Plancenoit, o que vem a acontecer entre as 19h00 e as 19h30. Graças a esta inesperada trégua, Wellington consegue refazer o seu dispositivo, empenhando as reservas de que ainda dispõe.

waterloo

Uma caricatura da época mostra Napoleão encurralado entre as tropas anglo-holandesas e as tropas prussianas – entre Wellington e Blücher

Confrontado com este reajustamento das forças inimigas – a que se somava a cada vez maior probabilidade de estar para breve a chegada do exército de Blücher –, mandaria a prudência que Napoleão ordenasse a retirada, procurando salvar o que restava do seu exército. Todavia, não tendo perdido a esperança na chegada do corpo de Grouchy e acreditando na sua boa estrela, Napoleão decide jogar a última cartada, mandando avançar a Guarda Imperial.

Nesta unidade de elite, restam nove batalhões, ou seja, menos de 5.000 infantes. Dada a ordem de ataque, a Guarda progride na direcção das posições aliadas, com a mesma determinação e imponência dos tempos áureos. Subitamente, do lado do inimigo, ouvem a voz: Stand-up, guards! Do meio do trigo, 1.500 diabos vermelhos passam da posição de joelhos à posição de pé e disparam à queima-roupa, em salvas sucessivas, por linhas paralelas. À primeira descarga a Guarda hesita e à segunda, ante a surpresa geral, recua. Ao mesmo tempo, no flanco direito francês, a recém-chegada cavalaria de Blücher inunda o campo de batalha. De Grouchy, nem sombra de notícias.

No final da batalha, Napoleão mandou avançar a temida Guarda Imperial, mas a forma como os soldados de Wellington (aqui com o seu Estado-Maior) reagiram provocaram a sua debandada

No final da batalha, Napoleão mandou avançar a temida Guarda Imperial, mas a forma como os soldados de Wellington (aqui com o seu Estado-Maior) reagiram provocaram a sua debandada

A derrota de Napoleão, embora assinalada por gestos de enorme bravura, concretiza-se numa debandada precipitada e em grande desordem, a lembrar os infaustos tempos da campanha da Rússia. Chega ao fim, com uma derrota infligida pelo seu mais cotado opositor, a extraordinária carreira militar de um dos maiores cabos-de-guerra de todos os tempos. À derrota militar segue-se o exílio para Santa Helena, onde acabará os seus dias.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

A circumnavegação e tudo o resto

Manuel Villas-Boas

Nestas celebrações deve-se fazer justiça ao génio pessoal de Fernão de Magalhães, à fabulosa carga de conhecimentos portugueses que tinha trazido consigo e ao notabilíssimo feito do espanhol Urdaneta.

Polémica

Magalhães

Luís Filipe Thomaz
1.591

Uma instituição com os pergaminhos da Real Academia de la Historia jamais se deveria permitir emitir um comunicado que enferma de simplismo, omissão, distorção de factos e falta de informação.

Obituário

Um herói civil

José Ribeiro e Castro
495

Não tinha espada, nem pistola ou punhal. A única arma que esgrimia era o lápis ou a caneta de tinta da China. De mãos nuas, teve a serenidade e a fortaleza diante dos desafios, a rectidão de propósito

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)