Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Podemos olhar para qualquer imagem e dizer: ‘Isto é uma fotografia do Helmut Newton’. Não há muito fotógrafos sobre os quais se possa dizer isto”. As palavras são da omnipotente Anna Wintour em “Helmut Newton: The Bad and the Beautiful”, documentário lançado este verão, exibido apenas em cinemas virtuais.

Depois de uns quantos coffee table books, é lógico ver a obra (e a vida) do fotógrafo chegar ao grande ecrã. Ao mesmo tempo que foi, durante décadas, um talento itinerante, Newton, nascido na Alemanha, criou a sua própria linguagem, um tom inequívoco que fascinou o mundo da moda, mas igualmente capaz de provocar choque e suscitar reprovação.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.