O calendário que realmente importa: as pontes e fins de semana grandes de 2018

23 Novembro 2017231

São 3 feriados nacionais com fins de semana grandes e 4 com pontes. Nos feriados municipais, 6 dão fim de semana prolongado e 5 dão ponte. Eis o calendário de 2018 que queria mesmo ver.

(Este artigo foi originalmente publicado a 23 de novembro de 2017)

A contagem decrescente para a chegada do Ano Novo já começou e as preocupações vão muito além da loja onde se vai comprar o champanhe ou o vestido para a passagem de ano (mas, se precisar de dicas, talvez possa aproveitar a Black Friday com as opções que lhe mostramos neste artigo). Acabadinhos de sair de um ano recheado de fins de semana grandes e pontes, uma espreitadela no calendário de 2018 revela que os portugueses vão ter mais dois dias úteis de trabalho do que tiveram no ano que agora acaba. É que, entre os feriados nacionais apenas três dão direito a fins de semana prolongados (porque calham à segunda ou à sexta-feira) e só quatro podem ser transformados em pontes (porque acontecem à terça ou à quinta-feira). Este ano houve cinco fins de semana grandes e cinco pontes.

Um dos três fins de semana prolongados ainda por cima é um dos fixos: a Sexta-Feira Santa, que vai calhar a 30 de março. O primeiro fim de semana grande a que teremos direito em 2018 ocorre logo no dia 1 de janeiro, uma segunda-feira; mas, para encontrar outro, sem contar com a antevéspera da Páscoa, é preciso esperar até 5 de outubro, Dia da Implantação da República, que calha à sexta-feira.

O mesmo acontece com as pontes. Fora o Carnaval, que este ano ocorre a 13 de fevereiro, os feriados do Dia do Trabalhador (1 de maio, terça-feira), do Corpo de Deus (31 de maio, quinta-feira), o Dia de Todos os Santos (1 de novembro, quinta-feira) e o Dia de Natal (25 de dezembro, terça-feira) abrem possibilidades a haver pontes.

De resto, há muitos feriados que calham à quarta-feira ou ao fim de semana. Sem contar com a Páscoa (que ocorre sempre ao domingo e que este ano acontece a 1 de abril), o 25 de Abril e a Assunção de Nossa Senhora (15 de agosto) calham à quarta-feira e o Dia de Portugal (1o de junho, domingo), o Dia da Restauração da Independência (1 de dezembro, sábado) e o Dia da Imaculada Conceição (8 de dezembro, sábado) ocorrem ao fim de semana.

Para melhorar o cenário de dias de descanso com que pode contar em 2018, o melhor mesmo é olhar para os feriados municipais. Entre os feriados fornecidos pelos municípios que são capitais de distrito, há seis que dão fins de semana prolongados (Santarém, Évora, Viana do Castelo, Faro, Ponta Delgada e Viseu) e cinco que podem dar direito a ponte (Castelo Branco, Beja, Leiria, Funchal e Guarda). Dois destes feriados não são surpresa: os açorianos têm sempre um fim de semana prolongado porque o feriado em Ponta Delgada acontece na primeira segunda-feira após o 5.º domingo depois da Páscoa; e os habitantes de Beja, assim como outros 28 municípios, gozam o feriado local na Quinta-Feira da Ascensão — 40 dias após a Páscoa –, que este ano calha a 10 de maio.

São muitas contas para fazer antes de o ano começar. Há férias para planear, escapadinhas de fim de semana para ter em mente e uns dias de descanso para meter ao lado das pontes. O melhor mesmo é usar o calendário interativo do Observador para perceber onde estão os feriados de 2018.

Utilize as setas para chegar ao mês que pretende analisar e fique atento à legenda para saber o que significa cada um dos dias assinalados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)