Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dee é na verdade Denise. A estatura ajuda-a a impor-se em qualquer sala mas é a voz, sonora, bem colocada e acompanhada por um cerrado sotaque britânico, que a torna o centro das atenções no meio de uma multidão. Dee Caffari tem 46 anos e o triplo das histórias para contar. Histórias essas que são meras ilustrações dos recordes: a primeira mulher a navegar sozinha à volta do mundo da “maneira errada”, contra os ventos e as marés, e a primeira mulher a navegar sozinha à volta do mundo nas duas direções.

Filha de um capitão maltês, começou por ser professora até o pai a avisar de que um dia seria “demasiado velha” para cumprir tudo aquilo que ainda tinha para fazer com o desporto que era até então um hobbie. Dee Caffari não tinha sonhos, não tinha objetivos, não tinha planos – “o resto tem sido história”, como a própria diz. Esteve na Volvo Ocean Race 2014/15 com uma tripulação totalmente feminina e voltou à competição em 2017/18, onde foi a capitã da equipa Turn The Tide On Plastic, composta por homens e mulheres, todos com menos de 30 anos (numa tripulação onde estavam os portugueses Bernardo Freitas e Frederico Melo).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.