Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quem foi, exatamente, Calouste Gulbenkian? O filantropo e negociante de origens arménias que viveu em Lisboa, onde acabou por morrer em 1955, aos 86 anos, teve uma vida tão rica que justificava uma nova biografia, além do relato autorizado (já então com acesso a memórias íntimas) que o biógrafo britânico Ralph Hewins publicou em 1957. A biografia dos anos 1950 teve como título português “O Senhor Cinco Por Cento”, alcunha com que o arménio ficou conotado pela participação que teve na primeira petrolífera a extrair petróleo do Irão. Agora, o escritor norte-americano e professor de História da universidade de Southampton Jonathan Conlin prepara-se para publicar “O Homem Mais Rico do Mundo — As Muitas Vidas de Calouste Gulbenkian”. O livro chega às livrarias esta quinta-feira, 3 de janeiro, no ano em que se assinala século e meio do nascimento de Gulbenkian.

Resultado de uma investigação de cinco anos, que ocupou Jonathan Conlin a tempo inteiro nesse período, o livro pretende retratar Calouste Sarkis Gulbenkian também na intimidade. Isto porque Conlin encontrou motivos de interesse na vida privada do mecenas, que legou uma importante coleção privada de arte à fundação criada com o seu nome em Lisboa: “As mulheres de que se fazia acompanhar, os negócios com Estaline, a forma como usava a sua mulher, a encantadora Nevarte, para aprofundar relacionamentos e alianças e a sua paixão por arte”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.