Quase que sentíamos qualquer coisa, quase: os Óscares vistos do sofá /premium

25 Fevereiro 2019215

A 91ª cerimónia deu um bocadinho a todos para ninguém se chatear. Não fez piadas para ninguém se chatear. Escreveu os nomes de toda a gente num papelinho para ninguém se chatear. Mas isto chateia.

Os Óscares costumavam ter uma coisa em comum com os filmes que celebravam: emoções. Em 2019, 91 festas de anos depois, isso parece perigosamente perto de se esgotar. Talvez seja por agora vivermos permanentemente em palco, num púlpito, a discursar, a tomar posições, sempre a celebrar e a combater, à vez e por turnos. Eventualmente, esgotámos a capacidade de deslumbre daqueles que eram, outrora, os grandes momentos mediáticos. E precisemos de lhes reinventar o lugar.

Já não vamos falar sobre o cinema está hoje espartilhado entre as pequenas aventuras independentes e as super-produções. Temos a guerra entre a sala de cinema e o streaming e, portanto, entre os antigos e os novos modelos de distribuição. Temos um tempo de moralismos, puritanismos e muito medo de ofender quem quer que seja. E temos ainda um movimento, que já vem muito de trás, e que avança, irremediavelmente, na direcção de confundir o fácil com o bom.

Há muito tempo que os Óscares parecem pedir desculpa por existirem. Todos os anos se esforçam por serem mais curtos, menos maçadores, mais “agradáveis”. Então, porquê continuar? Assistir à cerimónia tornou-se uma espécie de prova de resistência – algo que se faz com orgulho, é certo, mas com o mesmo sentimento com que alguém corre mais um quilómetro, bebe mais um copo, levanta mais um quilo.

Este ano, e pela primeira vez nos últimos 30, não houve apresentador, porque Kevin Hart, o homem que o deveria ter feito, lá foi devidamente investigado pelas polícias de costumes e condenado à fogueira por umas piadas alegadamente homofóbicas feitas no Mesozoico. Quis-se eliminar categorias, entre as quais sectores tão fundamentais ao cinema como a fotografia e a montagem, pela simples missão de não aborrecer as audiências (quando o Presidente da Academia, John Bailey, é ele próprio director de fotografia. E até um prémio para Melhor Filme Popular (o que quer que isso fosse e como quer que se fosse apurar) se lançou para a mesa, antes de recuar com pavor de ser consumido nas reacções da multidão.

A 91ª Cerimónia de Entrega dos Óscares foi um pouco pior do que a 90ª, que já tinha sido um pouco pior do que a 89ª: um desfile cada vez mais mecânico de vestidos e banalidades, palavras de ordem sem sentimento e um recurso insólito aos papéis com os agradecimentos pré-escritos. Hoje, os Óscares têm mais papéis do que lágrimas – e isso é grave. Os únicos focos de excitação vêm cada vez mais dos vencedores estrangeiros, felizes por serem reconhecidos pela grande máquina, pelas suas curtas-metragens, documentários ou trabalhos de grande especialidade técnica.

Mas o pior de tudo é o medo de fazer uma piada. Fez-se meia dúzia de piadas nos Óscares de 2019. Se tanto. Nem uma memorável. E isso, meus caros, não tem piada. Nenhuma.

A noite, minuto e minuto, vista do sofá:

01h00: Os Queen, ou o que sobra deles, abrem a cerimónia. Ao longo dos anos, sempre que algo de semelhante acontece, alguém tem de ir fazer aquele papel de cantar bem, mas lembrar-nos que não é Freddy Mercury. Desta vez, foi Adam Lambert. Dois temas óbvios – “We Will Rock You”, “We Are the Champions” – e a bola estava a rolar.

01h04: Um dos raríssimos clips que veremos a noite inteira recorda os filmes do ano. Entre eles, está um pedacinho de Clint Eastwood, em “The Mule” / “Correio de Droga”, cumprindo o louvável serviço público de nos lembrar que, frequentemente, os melhores filmes do ano não estão sequer na corrida aos Óscares.

01h06: Tina Fey, Maya Rudolph e Amy Pohler vêm entregar a primeira estatueta e fazer-nos a todos pensar que teriam dado óptimas apresentadoras de toda a cerimónia. Regina King é a melhor Actriz Secundária por “Se Esta Rua Falasse” e agradece a Deus, à mãe e a James Baldwin, não necessariamente por esta ordem. É o primeiro Óscar da noite e “A Favorita” já perdeu dois (Emma Stone e Rachel Weisz, ambas nomeadas para a categoria).

AmyPohler, Tina Fey e MayaRudolph

01h14: Jason Momoa e Helen Mirren, um par improvável que poderia ter saído dum filme como “A Forma da Água”, entregam o Óscar de Melhor Documentário a “Free Solo”, de Elizabeth Chai Vasarhelyi, Jimmy Chin, Evan Hayes e Shannon Dill. O filme estreia esta semana na National Geographic e tem dois portugueses na equipa de som: Joana Niza Braga e Nuno Bento. Hurray!!

01h25: Greg Cannom, Kate Biscoe e Patricia DeHaney levam o Óscar para Melhor Caracterização pelo trabalho em “Vice”. Christian Bale bem pode transformar-se numa baleia, num ouriço-cacheiro, no que ele quiser, que não leva Óscares de melhora actor principal. Este será o único prémio que “Vice” verá ao longo da noite, ainda que seja o terceiro discurso em três chato, frouxo e lido.

01h28: Melissa McCarthy e Brian Tyree Henry vêm anunciar o Óscar de Melhor Guarda-roupa para “Black Panther”. Ruth Carter tem uma palavra para Spike Lee, que a lançou, outra para a mãe de 97 anos e outras para os negros e as mulheres. Mas como, para falar destas coisas, tem de trazer outra vez tudo apontado num papel, não há emoção que se lhe pegue.

01h38: Jennifer Lopez anuncia o Óscar de Melhor Direcção Artística para “Black Panther”. É o segundo para o filme de Ryan Coogler, mas J-Lo, à beira de completar 50 anos e metida num vestido por onde os antigos se poderiam guiar, era a verdadeira obra de direcção de arte. Hannah Beachler vem receber, tem de pôr os óculos, tem de procurar o discurso no telemóvel – sim, no telemóvel – e tem de o ler. Adeus, espontaneidade. Adeus, olhar. Adeus, qualquer hipótese de comoção.

01h43: Óscar de Melhor Fotografia (um dos tais que esteve para sair da cerimónia) para Alfonso Cuarón. É o primeiro para “Roma” e também o primeiro discurso razoável e sem papel. Só por isso Cuarón devia ter levado o Óscar para Primeira Pessoa com Melhor Memória que um Peixinho Dourado.

Javier Bardem faz um pequeno discurso em espanhol para dizer que não há muros nem fronteiras que travem o talento. As palavras estão certas, mas, por qualquer razão, todos estes discursos continuam tão emocionantes como a portagem automática que nos deseja boa viagem.

01h53: Serena Williams vem apresentar “A Star is Born” e falar de sonhos. Nós ficamos muito quietinhos à espera do momento em que ela se vai passar e desatar a chamar nomes ao árbitro Carlos Ramos.

Até às 02h00: “Bohemian Rapsody” limpa os dois Óscares para o som – montagem e mistura – e manda-nos para intervalo a pensar se algum dia entenderemos verdadeiramente a diferença entre os dois conceitos.

02h04: Javier Bardem faz um pequeno discurso em espanhol para dizer que não há muros nem fronteiras que travem o talento. As palavras estão certas, mas, por qualquer razão, todos estes discursos continuam tão emocionantes como a portagem automática que nos deseja boa viagem. “Roma” ganha o Óscar para Melhor Filme em Língua Estrangeira, que é como quem diz, não vai ganhar o de Melhor Filme em geral. De fora, fica por exemplo “Shoplifters – Uma Família de Pequenos Ladrões”, de Hirokazu Kore-Eda, que não era o melhor-filme-em-língua-estrangeira; era o melhor-filme-ponto.

02h17: Óscar de Melhor Montagem para “Bohemian Rapsody”. Começamos a pensar que o vencedor da noite vai ser um filme sem realizador (Bryan Singer foi afastado do final da rodagem).

02h20: Daniel Craig e Charlize Theron anunciam o Óscar de Melhor Actor Secundário para Mahershala Ali. É o primeiro para “Green Book” e o segundo para Mahershala, que ainda há dois anos vencera a categoria por “Moonlight”. Os adversários – Adam Driver, Sam Rockwell, Sam Elliott e Richard E. Grant – parecem festejar, verdadeira e desportivamente, a decisão.

Mahershala Ali

02h29: Michelle Yeoh, Pharrell Williams e os calções de Pharrell Williams, vêm entregar o Óscar de Melhor Filme de Animação a “Homem-Aranha: No Universo Aranha”, de Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman.

02h33: A Academia está sempre preocupada com o que cortar para abreviar a cerimónia. Corta os discursos, corta os clips, corta nas categorias. Mas naquele momento em que temos de levar com a nossa dose anual de country ninguém toca. Este ano, a injecção cabe a Gillian Welch, David Rawlings e ao seu “When A Cowboy Trades His Spurs For Wings”, de “A balada de Buster Scruggs”, dos irmãos Coen.

02h40: A propósito de “Bohemian Rapsody”, recorda-se “Wayne’s World 2” (também conhecido por cá como: “Quanto Mais Idiota Melhor 2”. Percebemos, de repente, que já foi em 1993. 1993, malta. Estamos a caminho do lar. A alta velocidade.

02h42: “Bao”, de Domee Shi e Becky Neiman-Cobb, e da Disney / Pixar, é a Melhor Curta de Animação. Sem papel, agradecem e dizem-nos para não termos medo de contarmos ao mundo as nossas histórias.

02h46: A Melhor Curta Documental é “Period. End of Sentence”, de  Rayka Zehtabchi e Melissa Berton. O discurso, empolgado com o facto de uma curta-metragem sobre menstruação ganhar os Óscares, é dos poucos de que nos lembraremos amanhã. Até porque o seu breve agradecimento à Netflix (onde se encontra disponível) foi a única referência àquele que se anunciava como provável grande vencedor do serão.

02h56: “O Primeiro Homem na Lua” ganha o Óscar para Melhor Efeitos Visuais. Ou: a extraordinária história de mais uns tipos que não conseguem memorizar umas palavras de agradecimento e, portanto, têm de as ler fazem um filme sobre uma malta que conseguiu chegar à Lua.

03h00: Momento mais bonito da cerimónia, do domingo, da semana: Lady Gaga e Bradley Cooper a cantarem “Shallow”, de “A Star is Born”. Saem directamente da plateia para o palco e actuam de forma honesta, com as suas pequenas imperfeições e muitas perfeições, perante o Dolby Theatre e a galáxia (o vídeo há-de estar a ser viralizado à velocidade da luz). Fundamentalmente, é como se o filme só terminasse agora, nesta ténue fronteira entre ficção e realidade – e Irina Shayk. É verdade que também mereciam o Óscar de Melhor Maquilhagem e Melhor Solário. Mas, se uma canção de um filme é alguma coisa, é isto.

Com a sala de pé, recorda as dificuldades por que passou a família, os ancestrais que fizeram a América, os escravos e pede que, nas eleições de 2020, se faça a coisa certa, se esteja do lado certo. Amor contra o ódio. Porquê o papel, Spike? Precisavas de papel para dizer isso? Ainda assim, o segundo melhor momento da noite.

03h07: Neste lugar de inesperada nobreza para onde se atirou a Melhor Curta-metragem, “Skin” leva o Óscar, com Guy Nattiv e Jaime Ray Newman em excitação total.

Até às 03h15: Samuel L. Jackson e Brie Larson entregam os Óscares para os Melhores Argumentos: Original para “Green Book” (numa categoria onde havia “Roma”, “A Favorita” ou “No Coração da Escuridão”, o que faz pensar se a Academia saberá, realmente, o que é um argumento) e Adaptado para “BlacKkKlansman”. Está longe de ser o momento mais brilhante da carreira de Spike Lee, mas rende-lhe o primeiro Óscar e, como tal, a justa homenagem a uma carreira relevantíssima. Até Spike, porém, precisa de levar papel para o discurso. Com a sala de pé, recorda as dificuldades por que passou a família, os ancestrais que fizeram a América, os escravos e pede que, nas eleições de 2020, se faça a coisa certa, se esteja do lado certo. Amor contra o ódio. Porquê o papel, Spike? Precisavas de papel para dizer isso? Ainda assim, o segundo melhor momento da noite.

03h21: “Black Panther” vence a Melhor Banda Sonora, acumula o terceiro Óscar e consagra-se como um dos vencedores de 2019. Apesar de já ter estreado antes sequer da edição de 2018 (15 de Fevereiro entre nós).

03h25: Óscar de Melhor Canção para “Shallow”, de Lady Gaga, extraído de “A Star is Born”. Era o que mais faltava que não fosse. Que fosse para o pessoal do country. A vitória é celebrada como se a estatueta não reconhecesse apenas a canção, mas todo o projecto. E é justo que assim seja. O discurso de Gaga, acerca de não importar sobre quantas vezes se cai, mas quantas se levanta, é convincente, não sendo brilhante. Mas falta Bradley Cooper ao lado, não falta?

03h29: Uma coisa bem resolvida pela Academia: junta o habitual momento em que o Presidente tem de ir ao palco com o “In Memoriam” em que se recordam os mortos do ano – faz sentido. Gustavo Dudamel dirige a Orquestra Filarmónica de Los Angeles, enquanto assistimos a um desfile de retratos que inclui: Bernardo Bertolucci, Burt Reynolds, Milos Forman, Stan Lee, William Goldman, Bruno Ganz e Albert Finney. Desde o ano passado que o “In Memoriam” se tornou um exemplo acabado do espírito do tempo: proibidas as palmas para que ninguém se melindrasse por uns serem mais aplaudidos do que outros (como se já não estivéssemos a escolher lembrar uns poucos em detrimento de muitos), fica-se com um momento flat, sem cheiro, sem emoção, só o medo higiénico de não ofender.

Rami Malek

03h45: Rami Malek vence o Óscar para Melhor Actor e, assim, dá a quarta estatueta a “Bohemian Rapsody” – ninguém levará mais. Num bom discurso, sem papel, lembra como é filho de imigrantes egípcios, agradece aos pares, aos Queen, a quem acreditou nele mesmo não sendo a escolha óbvia, a Freddy Mercury e a quem vive sem pedir desculpa por ser quem é.

03h52: Aplausos de pé para o confressita John Lewis, que marchou pelos direitos civis com Martin Luther King, e vem apresentar “Green Book”.

04h00: Podia ter sido de Yalitza Aparicio, de “Roma”, e estaria bem. Poderia ter sido Lady Gaga, por “A Star is Born”, e também estaria bem. Poderia ter sido Glenn Cose, por “A Mulher”, e estaria certamente muito bem. Mas foi Olivia Colman a Melhor Actriz e talvez não pudesse estar melhor. Fez talvez o discurso mais humilde e espontâneo da noite, quase pedindo desculpa a Glenn Close, comovida diante de Lady Gaga, lembrando que trabalhou nas limpezas, emocionada pelos 25 anos de casamento com o marido, perguntando-se se os filhos estariam a ver ou já na cama, e dando o único óscar, em 10 nomeações, a “A Favorita”.

04h08: Guillermo del Toro entrega o Óscar de Melhor Realizador ao amigo Alfonso Cuarón. É o terceiro para “Roma”, é o México a limpar outra vez a festa dos filmes americanos, com muro ou sem ele, mas é Cuarón já sem grande coisa para dizer, a ter de ir buscar, até ele, o papel.

04h13: Julia Roberts, 51 anos e igual há pelo menos 25, vem entregar o último Óscar: o de Melhor Filme. Mas, como num policial em que não se construiu devidamente a tensão até ao desenlace, o nome “Green Book” cai apenas como um twist criado somente para surpreender e não como a revelação que dá, por fim, sentido a tudo. Afinal, se se reconhecera “Roma” como a melhor realização, melhor fotografia, melhor filme em língua estrangeira e nomeara no dobro das categorias, como explicar aquele súbito empolgamento com um filme onde se celebrara apenas argumento e actor secundário?

Talvez Hollywood ainda não estivesse preparada para se render já à Netflix. Ou se tenha limitado a ler do papel. Ou não saiba, realmente, o que celebrar nem por onde ir.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)