Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O que faz um futuro gestor de empresas numa aula de risoterapia? “Foi a primeira vez que participei e adorei. Estava à espera de uma palestra teórica, com um orador a explicar os benefícios do riso, e acabei deitado no chão a fazer uma série de jogos com pessoas que não conheço”, conta ao Observador Rui Neto, aluno da licenciatura em gestão de empresas no Instituto Superior de Administração e Gestão (ISAG), no Porto. Não foi o único naquela sessão, eram 20 os participantes. Filipa Castanho, licenciada em gestão hoteleira, também lá esteve — e pela segunda vez. “Para mim, esta é mesmo uma das melhores experiências que o ISAG já me proporcionou. Em época de exames e de muito trabalho aqui, consigo relaxar. Penso que todas as empresas deviam apostar nestas terapias”, explica em entrevista ao Observador.

Estas aulas extracurriculares, bem diferentes das que integram um plano de estudos normal, começaram em dezembro. São gratuitas, realizadas em horário pós-laboral e abertas a toda a comunidade académica, entre alunos, antigos alunos, professores, funcionários, colaboradores e parceiros. A ideia partiu de Elvira Vieira, diretora geral do ISAG – European Business School, que, através do feedback que foi tendo por parte dos alunos e do próprio mercado de trabalho, identificou algumas necessidades. “Achámos que era importante que os nossos alunos desenvolvessem outro tipo de competências além do técnico-científico. Num contexto de trabalho, estão expostos a realidades muito diferentes daquelas que vivem numa instituição de ensino”, explica ao Observador.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.