Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um ex-militar que perdeu uma perna numa explosão no Afeganistão e que angaria fundos para uma instituição que trabalha com veteranos; uma sobrevivente do atentado de Manchester que irá levar, como sua companhia para o casamento, uma avó que perdeu a neta no ataque; uma criança que nasceu surda e dá aulas de língua gestual na escola: um jovem que, aos 15 anos, se viu sem teto e que agora trabalha para a instituição de caridade que lhe deu uma nova vida.

Estes são apenas alguns exemplos das 2.640 pessoas que foram convidadas para fazerem parte do casamento do príncipe Harry e de Meghan Markle, que se realiza no sábado dia 19 de maio em Windsor.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.