Um futuro verde, by design

07 Junho 2019

Tem uma gaveta cheia de gadgets electrónicos que já não usa? Esqueça o museu e entregue-os no lugar certo, a bem do ambiente. Veja como foi a primeira e-Waste Summit.

Numa investigação sobre o destino dado a smartphones e tablets em fim de vida, em Portugal, 45% dos inquiridos afirmam que guardam os dispositivos obsoletos, ainda que funcionais. Os equipamentos avariados são também guardados pelos utilizadores, em 36% dos casos. Esta propensão para manter e guardar, em vez de encaminhar estes resíduos com vista à sua valorização, salvaguardando o ambiente, foi uma das conclusões do estudo apresentado durante a primeira e-Waste Summit.

O fórum decorreu na 4ªfeira, 22 de maio, nas Carpintarias de São Lázaro, em Lisboa, numa parceria que juntou a LG e a ERP Portugal na promoção de uma estratégia de compromisso que deve ser assumida por todos os stakeholders em geral, entidades reguladoras e outros decisores na área da reciclagem de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos, em particular.

O tema da “Tecnologia Sustentável na Era Digital – Realidade e Desafios” foi o ponto de partida para o encontro que reuniu diversos especialistas e contou com dois debates, visando a análise da situação atual e a projeção de soluções que permitam colocar Portugal nos lugares cimeiros da valorização e reciclagem do chamado lixo eletrónico.

O Secretário de Estado do Ambiente, João Ataíde, presidiu à sessão de abertura do evento referindo-se ao atual quadro regulatório do sector da reciclagem e da gestão de resíduos, apelando ao compromisso de todos os intervenientes, públicos e privados. A sustentabilidade e a economia circular. “A gestão correta dos resíduos perigosos passa por manter os equipamentos íntegros, de modo a poderem ser removidos posteriormente os materiais e substâncias que os compõem, por operadores devidamente habilitados”, referiu o governante. A propósito da passagem da meta de recolha de REEE, de 45% para 65% já em 2019, João Ataíde mostrou-se otimista, mas consciente de que tal objetivo apenas será alcançável “se os produtores e empresas do sector se comprometam com este desígnio.”

Um terço dos REEE é devidamente tratado, um terço vai para o caixote do lixo e o outro terço vai para o sector informal.
Thomas Fischer, Head of Market Intelligence & Governmental Affairs do Grupo Landbell

O panorama nacional da gestão de REEE deu mote à comunicação de Rosa Monforte, Diretora Geral da ERP Portugal, que admitiu não haver condições, no atual cenário, para alcançar a meta de 65% de recolha prevista para o final deste ano. Uma das maiores dificuldades neste processo está relacionado com o desvio destes resíduos para circuitos paralelos e não licenciados, logo não contabilizados para as metas nacionais,

Na intervenção de Javier Cervera, Diretor Financeiro da LG Espanha e Presidente da ECOTIC, ficamos a conhecer a Estratégia de Sustentabilidade da LG no mundo. Eficiência energética, durabilidade dos equipamentos, recuperação de gases e o estabelecimento de uma cadeia logística sustentável, juntam-se à expansão dos negócios ecológicos na área da energia solar e dos componentes para veículos elétricos.

O cenário da Sustentabilidade no mercado nacional pontuou a comunicação do Diretor Geral da LG Portugal, Ruy Gil Conde, que salientou o facto de já terem sido recicladas 18 mil toneladas de REEE desde 2011. Referindo-se à iniciativa Geração Depositrão, destacou a dinâmica de “900 entidades, 40 mil professores e 420 mil alunos, que já permitiu encaminhar mais de 3 mil toneladas de REEE e RP&A.”

A estratégia de sustentabilidade da LG passa pelo desenvolvimento de produtos mais silenciosos, que produzam menos vibração e consumam menos energia. Além da conceção idealizada para facilitar o desmantelamento e reciclagem.

Ruy Gil Conde anunciou o compromisso de atingir a reciclagem de 95% dos resíduos provenientes das unidades de produção até 2030, ano em que prevê alcançar a neutralidade carbónica, isto é, neutralizar as emissões de CO2 em todas as operações.

O Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, Nuno Lacasta abordou algumas vantagens que a investigação nesta matéria pode trazer aos Sistemas de Gestão e Reciclagem de REEE, deixando claro que apesar disso, “as componentes da sensibilização e da educação são decisivas para alcançar as metas de reciclagem”, afirmando que é necessário investir mais do que até aqui na informação das pessoas.

As componentes da sensibilização e da educação são decisivas para alcançar as metas de reciclagem.
Nuno Lacasta, Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente

Na sequência, as novas tecnologias e serviços inovadores para a reciclagem ilustraram a intervenção de Graça Martinho, Investigadora na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, que se fez acompanhar por Ana Pires, investigadora no MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Antes da pausa para almoço, houve ainda tempo para o debate que juntou Nuno Lacasta, Graça Martinho e Hugo Jorge, Diretor de Marketing da LG Portugal, para uma conversa moderada por Francisco Teixeira, Diretor Geral da Hill+Knowlton Strategies

A preocupação com o ambiente deve abranger todo o ciclo de vida dos produtos, desde a conceção até à facilidade de desmantelamento com vista ao maior aproveitamento dos materiais a valorizar. Hugo Jorge aproveitou para frisar “a importância de não se olhar para o tema da sustentabilidade como ferramenta de marketing.”

À tarde os trabalhos prosseguiram com a apresentação da visão de sustentabilidade no meio académico, preconizada por Ricardo Zózimo, Professor Auxiliar da Nova School of Business and Economics. Trata-se de uma “aula experiencial em que os alunos ao longo de 12 semanas desenvolvem projetos nesta área, tendo alcançado 400 alunos por ano que ficam a dominar os objetivos de desenvolvimento sustentável.”

A inovação e sustentabilidade económica, social e ambiental não são incompatíveis, aliás devem ser consonantes, é uma ideia que resume a alocução de Pedro Norton de Matos, gestor e coach. É necessário simplificar também ao nível da linguagem, por isso o mentor do GREENFEST propõe que se fale em economia ecológica, afirmando a propósito que “a obsolescência programada é uma coisa perversa”.

Carmen Lima, Coordenadora do Centro de Informação de Resíduos da Quercus mostrou-se animada ao verificar que as gerações mais novas são bastante participativas e mais capazes de mobilização na preparação do futuro. “Precisamos de envolver as pessoas e  motivar comportamentos responsáveis”, disse durante o debate em que também participaram Ricardo Zózimo e Norton de Matos, com a moderação do advogado José Eduardo Martins.

A obsolescência programada é uma coisa perversa.
Pedro Norton de Matos, gestor e coach

No encerramento, Ricardo Neto, Presidente da ERP Portugal e da Novo Verde, congratulou-se com o êxito desta primeira e-Waste Summit e aproveitou para afirmar, sem rodeios, que “é preciso começar a olhar para a sustentabilidade como um negócio”, referindo-se ao modelo alemão e ao inglês, onde a gestão de resíduos é uma atividade com fins lucrativos.

É preciso começar a olhar para a sustentabilidade como um negócio. 
Ricardo Neto, Presidente da ERP Portugal e da Novo Verde

Esta foi a primeira e-Waste Summit, uma parceria entre a LG Portugal e a ERP – European Recycling Platform que visa estimular o debate sobre sustentabilidade da economia digital e a promoção da economia circular, para melhorar o aproveitamento dos recursos naturais, reciclando os resíduos provenientes do ciclo de produção e assegurando, ao mesmo tempo, a recolha dos dispositivos eletrónicos em fim de vida.

Se não teve oportunidade de assistir em direto, veja agora  algumas das principais intervenções.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)