Com um novo formato preparado para esta 25ª edição do Vodafone Paredes de Coura, regressam as imperdíveis Vodafone Music Sessions, que proporcionam showcases de artistas selecionados, em clima de secretismo e nos locais mais inesperados.

Esta dinâmica, que rapidamente se tornou numa das mais emblemáticas do festival, foi criada a pensar na experiência de proximidade do público com os artistas. É uma das ações com maior notoriedade, ao mesmo tempo que contribui para gerar um enorme fluxo de conteúdos nas redes sociais, diversificando a oferta de atividades durante o evento.

São sempre momentos especiais, numa espécie de concertos gourmet que surpreendem pela cumplicidade com alguns dos artistas presentes no alinhamento do festival. As Vodafone Music Sessions são um conceito exclusivo, criado pela Vodafone em 2013, que já foi galardoado nos “Portugal Festival Awards” e também nos “Iberian Festival Awards” como a Melhor Ativação de Marca. Ao conciliar a música com o turismo, esta é também uma dinâmica que ajuda a promover a bela região do Minho.

“Desafiamos os festivaleiros a vir connosco ver o seu artista favorito, num ambiente bastante intimista”, explica Leonor Dias, a Diretora de Marca e Comunicação da Vodafone, que destaca a experiência de realizar uma das Vodafone Music Sessions do ano passado na quinta de um casal octogenário. “Ao ver entrar os 20 jovens, a senhora disse: ‘Eu já não tenho idade para ir ao festival, mas assim o festival vem até mim’ e esta é uma história deliciosa”, como recorda a responsável que salienta também a forma como os minhotos se preparam para o festival. Tudo acontece “num ambiente muito positivo que é a ‘cara’ da Vodafone, incomparável com qualquer outro festival em Portugal”.

Porque o segredo é a alma do negócio, apenas podemos adiantar que este ano os grupos vão ser alargados, permitindo que mais festivaleiros possam assistir a estes mini-concertos surpresa. Os nomes dos artistas apenas serão revelados pouco antes da realização do concerto. “Desta vez queremos tornar a experiência mais inclusiva e portanto vamos formar grupos maiores de jovens que vão poder assistir ao showcase do seu artista favorito, sempre num local secreto.”

Capicua, Bombino, Ryley Walker, Ducktails e Best Youth (veja a atuação em baixo, na fábrica de calçado do grupo Kyaia, em 2016) são alguns dos nomes que integram a lista de participantes nas Vodafone Music Sessions das últimas edições. Já houve atuações em lugares tão inesperados como uma fábrica de calçado, um espigueiro, uma antiga serração ou uma igreja.

A música foi sempre um ingrediente fundamental em toda a comunicação da marca. Seja no papel que desempenha em termos de memorização, enquanto ferramenta de branding, seja pelo impacto que tem na operacionalização das ativações. É através da música que a marca consegue estabelecer ligações com os diferentes targets, sendo que este aspeto assume particular relevância quando se trata de segmentos mais jovens.

“A idade média dos festivaleiros é de 23 anos, um público muito querido à Vodafone que sempre foi líder nesse segmento” adianta a diretora de marca e comunicação da Vodafone, a propósito da satisfação do público-alvo. Nos estudos da Marktest, 90% do público do Vodafone Paredes de Coura diz estar plenamente satisfeito com o festival, com uma clara intenção de regressar e de recomendar o festival aos familiares e amigos. “Por isso estamos muito satisfeitos com tudo aquilo que este festival aporta à marca”, conclui Leonor Dias.

Nas redes sociais encontramos declarações de amor de festivaleiros a dizer que “só uma marca como a Vodafone poderia fazer um festival assim”. Este é o género de relatos que comprovam a intensidade da relação da marca com este festival, que corresponde à materialização do posicionamento que a Vodafone escolheu para a música. “Não há dinheiro que pague”, refere a diretora acrescentando que este “é um casamento muito feliz e a marca sente-se em casa.”

9 fotos

No mercado nacional, a Vodafone é conotada com os valores da inovação e da proximidade, uma marca inspiradora que procura cada vez mais reforçar esses atributos. Seja através de uma estratégia de comunicação mais emocional ou mediante a oferta de tecnologias inovadoras que afetam positivamente a vida das pessoas. É essencial que o público se identifique e relacione com as histórias contadas na publicidade. Em matéria de patrocínios, a política seguida pela marca visa capitalizar esta diferenciação e reforçar a notoriedade junto do mercado e a liderança no setor das empresas de telecomunicações.

No caso de um evento musical como o Vodafone Paredes de Coura, ser o main sponsor traduz-se num enorme retorno, tão relevante em termos de conteúdos gerados no evento como ao nível do aumento da notoriedade. Quando uma marca se assume como parceira, envolve-se e participa ativamente na construção do evento, acrescentando-lhe valor e disseminando a personalidade da marca nos espaços e nas dinâmicas do festival. É em termos de notoriedade e de proximidade com o público que os resultados acabam por assumir maior expressão.

Em 2017 celebram-se 25 edições do festival Vodafone Paredes de Coura e o 5º ano em que a Vodafone marca presença como patrocinador principal. O trabalho desenvolvido ao longo dos últimos anos consolidou a relação entre a marca e o festival, sendo natural o aumento das expectativas para esta edição histórica, que apresenta um cartaz de luxo, desde os grandes headliners de créditos já firmados aos nomes mais recentes e promissores. Leonor Dias confessa que “gostaria muito de ver o Nick Murphy (fka Chet Faker) numa das Vodafone Music Sessions”. Veremos se o australiano aceita o desafio, daqui a duas semanas, no 25º Festival Vodafone Paredes de Coura que decorre entre os dias 16 e 19 de agosto no anfiteatro natural da praia do Taboão.