Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Bom dia! Obrigado por ter acompanhado este liveblog. Para ler as notícias referentes à pandemia desta terça-feira, siga este link.

    China fecha parte de bairro em Guangzhou depois de surto da variante indiana

  • Brasil regista menor número de casos desde 10 de maio

    No dia em que o Brasil foi anunciado como anfitrião da Copa América, o país registou mais 30.434 casos de Covid-19, o número mais baixo de contágios desde 10 de maio.

    As autoridades sanitárias brasileiras deram conta ainda de 860 mortes resultantes da doença.

    Desde o início da pandemia, o Brasil contabilizou 16.545.554 casos de Covid-19 e 462.791 óbitos resultantes da doença, sendo o segundo país com mais infeções.

  • Espanha pondera eliminar uso obrigatório da máscara na rua a partir de julho

    Fernando Simón, diretor do Centro de Alertas Emergências Sanitárias, admitiu que a partir de julho poderá não ser obrigatório usar máscara na via pública em Espanha.

    “É uma questão de semanas. É possível que seja em julho, mas não se sabe quando é que se vai modificar a lei de março que obriga ao uso de máscara”, afirmou, segundo o La Vanguardia, Fernando Simón, que destacou que “será apenas no exterior” e que o ministério da Saúde espanhol está a trabalhar para a medida seja aplicada a “nível nacional”.

    Ainda assim, a utilização de máscara em espaços interiores também deverá ser aliviada, mas em locais em que todos estejam vacinados, como “lares de idosos: “É muito possível que aí se possam relaxar as medidas”, indica Fernando Simón.

  • Adeptos ingleses detidos no Porto têm de comparecer em 5 dias junto das autoridades

    A PSP anunciou que, depois de presentes ao juiz, os 2 adeptos detidos no sábado por agressões a polícias “foram notificados para comparecer no prazo de cinco dias úteis às autoridades”.

    Adeptos ingleses detidos no Porto têm de comparecer em 5 dias junto das autoridades

  • Câmara do Porto aprova relatório de prestação de contas de 2020 com voto contra do vereador do PSD

    Álvaro Almeida justificou o voto com o facto ser um ano de pandemia e o município apresentar um resultado líquido de sete milhões de euros. Rui Moreira disse que câmara fez aquilo que devia ter feito.

    Câmara do Porto aprova relatório de prestação de contas de 2020 com voto contra do vereador do PSD

  • Resposta às listas de espera exige investimento e vontade política, diz bastonário dos Médicos

    O bastonário da Ordem dos Médicos defendeu que a resposta a quem está em listas de espera ou a quem ficou para trás, e não se consegue identificar, exige “estratégia, investimento e vontade política”.

    Resposta às listas de espera exige investimento e vontade política, diz bastonário dos Médicos

  • Espanha regista 9.732 novos casos e 48 mortes desde sexta-feira

    Espanha registou 9.732 novos casos de Covid-19 nos últimos três dias, elevando para 3.678.390 o total de infetados até agora, segundo o Ministério da Saúde espanhol.

    Os serviços sanitários também notificaram mais 48 mortes atribuídas à pandemia durante o fim de semana, passando o total de óbitos para 79.953.

    O número de novos casos desceu do fim de semana anterior para este de 11.067 para 9.732 e o de mortes de 91 para 48.

  • Liga dos Campeões. DGS diz que “maior parte das coisas correram bem” apesar de alguns incumprimentos

    A diretora-geral da Saúde considerou esta segunda-feira que a “maior parte das coisas correram bem” na final da Liga dos Campeões de futebol, no Porto, apesar de “alguns incumprimentos” que não podem servir de “passaporte” para incumprir.

    “Há sempre falhas nestes processos, mas a maior parte das coisas correram bem. Eu como espetadora olhei para o estádio e a maior parte das pessoas estava com máscara, sentada com distância e todas elas foram testadas para entrar no estádio, também vi pessoas sem máscara e demasiado juntas”, afirmou Graça Freitas numa conferência de imprensa, no Porto, onde também esteve representada a PSP, Câmara do Porto, Turismo do Porto e Norte e associação de comerciantes.

    De modo geral, a responsável da Direção-Geral da Saúde (DGS) assumiu ter havido “algum quebrar de regras e algum incumprimento”, não tendo sido uma situação generalizada à cidade do Porto.

  • Ferryboat entre Caminha e Galiza mantém-se parado por tempo indeterminado

    O ferryboat que liga Caminha, no Alto Minho, a A Guarda, na Galiza, está parado desde janeiro e assim vai continuar por tempo indeterminado, possivelmente até ao final do ano letivo, disse hoje o presidente daquela câmara do Alto Minho.

    Contactado pela Lusa, Miguel Alves justificou a paragem do serviço por falta de funcionários, que a câmara mobilizou para “a distribuição de alimentos pelas escolas e para o transporte de pessoas para vacinação contra a covid-19”.

    O autarca socialista admitiu que “só no final do ano letivo [a câmara] estará em condições de avaliar se poderá retomar a travessia do rio Minho”.

    Em comunicado enviado às redações, a autarquia explicou ter comunicado ao autarca da localidade galega a decisão de manter o ferryboat parado.

  • DGS revela terem sido testadas 5.600 pessoas, no âmbito da final da Liga dos Campeões, das quais três estão em isolamento

    A diretora-geral da Saúde disse esta segunda-feira que no âmbito da final da Liga dos Campeões de futebol foram testadas 5.600 pessoas, das quais três estão em isolamento, duas por testarem positivo e uma por ser contacto de alto risco.

    Numa conferência de imprensa realizada no Porto, onde decorreu o evento desportivo, Graça Freitas revelou que estas três pessoas estão bem, a ser acompanhadas pelas autoridades de saúde e em isolamento em unidades hoteleiras.

    Graça Freitas acrescentou que estas “não pertencem à mesma bolha”, estando a cumprir isolamento separadas, recusando adiantar a nacionalidade das mesmas.

    De entre as 5.600 pessoas testadas estão adeptos e “staff”, sublinhou.

    Graça Freitas explicou ainda que esta testagem não foi feita num único dia, nomeadamente naquele em que se realizou o jogo da final, mas ao longo dos dias que antecederam o evento desportivo.

  • Mais 185 casos e duas mortes em Angola com mais de um milhão de vacinados

    Angola registou nas últimas 24 horas mais 185 casos de Covid-19 e duas mortes, segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, que anunciou também que o país já vacinou mais de um milhão de pessoas

    Os novos casos foram detetados em Luanda (126), Huambo (41), Cabinda (9), Huíla (6), Zaire (2) e Cunene (1), 110 do sexo masculino e 75 do sexo feminino, com idades entre sete meses e 97 anos.

    Foram registadas duas mortes neste período, um homem e uma mulher, de 46 e 54 anos, respetivamente, e 303 pessoas foram recuperadas, entre 1 e 85 anos de idade.

  • Maioria dos portugueses quer continuar a trabalhar a partir de casa

    Um estudo, em que foram inquiridas mil pessoas, indica que a grande maioria prefere manter-se a trabalhar em casa ou em regime misto. 77,9% diz que prefere teletrabalho até 4 dias por semana.

    Maioria dos portugueses quer continuar a trabalhar a partir de casa

  • Covid-19. OMS recorre a letras do alfabeto grego para designar variantes do novo coronavírus consideradas de interesse ou preocupação

    A medida visa simplificar as comunicações públicas e evitar designar as variantes pelos locais onde foram identificadas pela primeira vez, “o que é estigmatizante e discriminatório”, refere a OMS.

    Covid-19. OMS recorre a letras do alfabeto grego para designar variantes do novo coronavírus consideradas de interesse ou preocupação

  • Covid-19. Compras online devem atingir quase 10.000 milhões de euros este ano

    Embora a transição digital já se tenha iniciado, foi profundamente acelerada pela pandemia e os canais de oferta revelaram-se eficazes, indica secretário de Estado do Comércio.

    Covid-19. Compras online devem atingir quase 10.000 milhões de euros este ano

  • OMS precisa de financimento para continuar a dar resposta à pandemia

    O diretor-geral da OMS defendeu que “é precisa uma mudança de paradigma na quantidade e na qualidade do financiamento”, porque “não podemos pagar às pessoas com elogios ou felicitações”.

    OMS precisa de financimento para continuar a dar resposta à pandemia

  • Peru reavalia número de mortes de 69.000 para 180.000

    O Governo do Peru anunciou esta segunda-feira que, numa reavaliação ao número de pessoas mortas devido à Covid-19 no país, o total subiu de 69.000 para 180.000, de acordo com dados elaborados por um conselho técnico crido pelo executivo.

    “A partir de hoje (…) teremos números mais exaustivos que serão de grande utilidade para a gestão da pandemia”, declarou, em conferência de imprensa, a primeira-ministra Violeta Bermudez, que citou os números reavaliados por um conselho técnico definido em abril e composto por especialistas independentes e organizações internacionais.

  • Governo está a tentar chegar a acordo com proprietários das casas no Zmar para deixar cair requisição civil

    O Governo está a “envidiar esforços” para chegar a acordo com os proprietários das casas no Zmar e “obter uma solução negocial” que permita “dispensar o instrumento unilateral da requisição civil”.

    Em comunicado, o ministério da Economia admite “existir a perspetiva de a negociação, com a massa insolvente, ser concluída nas próximas horas”.

    A TVI24 tinha anunciado hoje que o Governo tinha chegado a acordo com os proprietários das casas no Zmar e com a massa insolvente para terminar com a requisição civil sobre o empreendimento turístico antes de o Supremo Tribunal Administrativo se pronunciar sobre a mesma.

    Até 28 de julho, o Governo compromete-se a ocupar apenas 36 casas com migrantes do concelho de Odemira, nenhuma delas pertencentes aos proprietários, e a pagar 100 euros por noite pela ocupação.

    Notícia atualizada às 20h58

  • Madeira regista apenas um novo caso nas últimas 24 horas

    A Madeira registou apenas um novo caso de Covid-19 nas últimas 24 horas e 16 recuperações, indicou a Direção Regional da Saúde, assinalando que o total de infeções ativas no arquipélago é agora de 178.

    “No dia 31 de maio de 2021, há a reportar um novo caso de infeção por SARS-CoV-2 na Região Autónoma da Madeira, pelo que a região passa a contabilizar 9.461 casos confirmados de Covid-19 (desde o início da pandemia)”, refere a autoridade regional.

    O novo caso é de transmissão local está relacionado com o contacto com um positivo.

    O arquipélago contabiliza também um total de 72 óbitos associados à doença.

  • Cabo Verde Airlines retoma voos em 18 de junho com ligação a Lisboa

    A Cabo Verde Airlines (CVA) anunciou esta segunda-feira a retoma dos voos internacionais em 18 de junho, 15 meses após a suspensão da atividade, devido às restrições da pandemia de Covid-19, arrancando inicialmente com uma ligação entre a ilha do Sal e Lisboa.

    Em comunicado enviado à agência Lusa, a companhia, liderada desde 2019 por investidores islandeses, refere que “irá oficialmente retomar as suas operações no dia 18 de junho com um voo semanal, às sextas-feiras, entre a ilha do Sal e Lisboa, em Portugal”, acrescentando que essa retoma “será gradual, conectando o arquipélago através do ponto central no Sal” e que as reservas estão disponíveis a partir de hoje.

    Segundo a companhia, posteriormente, de 28 de junho até 28 de março de 2022, a CVA irá operar quatro voos semanais entre Praia/Sal e Lisboa às sextas e segundas-feiras, um voo semanal para e de Sal/Praia/Boston às terça-ferias, com regresso às quartas-feiras, e um voo semanal para e de Sal/São Vicente/Paris aos sábados com retorno aos domingos.

  • Rui Moreira diz que o que se passou em Lisboa com Sporting "não se repetiu" no Porto

    Rui Moreira defendeu hoje que o que se passou em Lisboa, com os festejos da conquista do título pelo Sporting, não é comparável nem se repetiu no Porto, onde se realizou a final da Liga dos Campeões de futebol.

    Confrontado pelos jornalistas após a reunião pública da Câmara Municipal do Porto (CMP), com declarações que proferiu dizendo que no Porto não se repetiria o que se passou em Lisboa nas celebrações da conquista do campeonato nacional de futebol, o autarca rejeitou comparações.

    “E não se repetiu [o que se passou em Lisboa]. Em primeiro lugar, em Lisboa não houve uma final, não houve um evento desportivo, não houve criação de riqueza, e houve uma carga policial que eu vi, que os senhores viram e que aqui [no Porto] não vi”

    O autarca lembrou que Portugal “tem as fronteiras abertas” e que há muitos turistas britânicos que “são livres de virem” para o país, nomeadamente para assistirem à final da Liga dos Campeões, ou para verem o jogo na Avenida dos Aliados, como aconteceu no sábado no Porto, ou para irem à praia da Oura (Albufeira) ou até ao Bairro Alto (Lisboa).

1 de 4