Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Bom dia,

    Damos por terminado o acompanhamento das notícias sobre Covid-19 neste liveblog.

    Para acompanhar as notícias desta quinta-feira sobre a pandemia, veja este link.

    Incidência a 14 dias caiu para metade: “É um sinal de que a pandemia está controlada”

  • Brasil aproxima-se dos 15 milhões de casos e de 415 mil mortos

    O Brasil totalizou 414.399 mortos e 14.930.183 casos de Covid-19, após ter somado 2.811 óbitos e 73.295 novas infeções nas últimas 24 horas, segundo dados do Ministério da Saúde brasileiro.

    O Brasil, segundo país em todo o mundo com mais óbitos e o terceiro com mais infeções em números absolutos, tem agora uma taxa de incidência da doença de 197 mortes e 7.105 casos por 100 mil habitantes.

    Já a taxa de letalidade da Covid-19 no país, com 212 milhões de habitantes, está fixada em 2,8%.

  • Itália soma 10.585 casos e regista a menor ocupação hospitalar em meses

    A Itália registou 10.585 contágios pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, divulgaram hoje as autoridades italianas, num momento em que o país conta com menos de 20 mil doentes hospitalizados, valor que não era registado há vários meses.

    Com o registo destes novos contágios, o país totaliza, até à data, 4.070.400 casos de pessoas que ficaram infetadas com o novo coronavírus (SARS-Cov-2), de acordo com o boletim informativo do Ministério da Saúde italiano.

    Os indicadores de novos casos aumentaram em comparação com os dados do dia anterior (mais 1.500 novos contágios registados), mas também foram realizados mais testes de diagnóstico no país nas últimas 24 horas: 327.169 contra os 315.500 contabilizados na terça-feira.

    O país somou 267 óbitos nas últimas 24 horas, elevando para 122.005 o número total de mortes atribuídas à doença Covid-19 no território italiano desde o início da crise pandémica, em fevereiro de 2020, de acordo com a mesma fonte.

  • Espanha regista 6.317 novos casos e 167 mortes nas últimas 24 horas

    A Espanha registou 6.317 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 3.551.262 o total de infetados até agora, continuando o índice de contágios a descer, segundo o Ministério da Saúde espanhol.

    Os serviços sanitários também notificaram hoje mais 167 novas mortes atribuídas à pandemia, passando o total de óbitos para 78.566.

    A incidência acumulada (contágios) manteve hoje a sua tendência de queda, passando dos 214 (terça-feira) para 206 casos (hoje) diagnosticados por cada 100.000 habitantes nos 14 dias anteriores.

  • Estudo em Israel indica proteção de 95% para vacina Pfizer-BioNTech

    Um estudo do Ministério da Saúde de Israel, o país do mundo com maior percentagem da população vacinada contra a Covid-19, sugere que duas doses da vacina da Pfizer-BioNtech conferem uma proteção de 95 por cento.

    Uma análise de dados de evolução da Covid-19 em Israel publicada hoje na revista científica The Lancet aponta para uma taxa de eficácia da vacina de 95,3% para pessoas com mais de 16 anos na prevenção da infeção sete dias após a toma da segunda dose.

    A segunda dose da vacina confere também 96,7% de proteção contra casos fatais de Covid-19, 97% de proteção contra infeção sintomática e 91,5% de proteção contra infeção assintomática.

    Duas semanas após a inoculação com a segunda dose, a vacina apresenta uma eficácia de 96,5% a proteger de infeção, 98% de hospitalização e 98,1% de morte, indicam os investigadores.

    Mesmo com uma dose de vacina, consegue-se 58% de proteção contra a infeção, 76% contra hospitalização e 77% contra casos fatais.

  • 50 imigrantes deverão chegar ao Zmar ainda esta noite

    Esta noite deverão chegar cerca de 50 imigrantes em confinamento que vivem no concelho de Odemira ao Zmar.

    Vários proprietários das várias moradias estão a aguardar pela chegada dos imigrantes à porta do empreendimento turístico, onde também se encontram alguns trabalhadores.

  • ONG Médicos Unidos da Venezuela alerta para morte de profissionais de saúde

    A ONG Médicos Unidos de Venezuela (MUV) alertou hoje que o país está a ficar “sem pessoal sanitário” e que já morreram 537 profissionais da área da saúde desde o início da pandemia da Covid-19.

    Segundo a MUV, as últimas 15 mortes de profissionais do setor ocorreram entre 30 de abril e 4 de maio de 2021.

    “Recebemos informações sobre 15 novas mortes de pessoal do setor da saúde com critérios da Covid-19, para chegar a 537, enquanto os porta-vozes oficiais reportam 2.208 mortes totais no país”, explica a ONG na sua conta do Twitter.

    Na mesma rede social, a MUV sublinha que “o país está a ficar sem pessoal sanitário e isso não parece importar”.

  • José Gusmão: "Levantamento das patentes é uma excelente notícia"

    José Gusmão, eurodeputado do BE, considerou à Rádio Observador que o apoio dos Estados Unidos da América ao levantamento das patentes das vacinas contra a Covid-19 é uma “excelente notícia”. “É muito significativo, mostra que os EUA têm abordagem de que ou existe uma solução global para a resposta à Covid-19 ou nenhum país está protegido”.

    O eurodeputado explicou que esta tomada de posição norte-americana permite “eliminar barreiras para a capacidade de produção de vacinas à escala global” e permite a países, como a Índia ou a África do Sul, que possuem “indústrias farmacêuticas grandes”, “possam investir na capacidade de produção de vacinas”.

    Questionado sobre o chumbo do Parlamento Europeu à proposta de levantamento de patentes, José Gusmão considera que a decisão dos EUA “pode pressionar as autoridades europeias”. “Não quero acreditar que a União Europeia vá ser o único espaço político, o único território do mundo, a manter a objeção ao levantamento das patentes”, espera o eurodeputado.

    A posição norte-americana responde, segundo José Gusmão, “às necessidades da economia global”, que apenas conseguem ser respondidas “resolvendo o problema de vacinação”. O eurodeputado ainda referiu que esta “abordagem de Biden” é diferente da “catástrofe” de Trump.

    Sobre o futuro da proposta — que ainda vai ser discutida pela Organização Mundial de Comércio (OMC) –, o eurodeputado garantiu que já existe uma “plataforma Covid” que vai ser utilizada pela indústria farmacêutica, não havendo por isso grandes entraves à sua concretização.

    A vacinação é uma “corrida contra o tempo e agora ficamos com mais capacidade de a ganhar”, sintetizou José Gusmao.

  • Advogado de donos de casas no Zmar interpõe providência cautelar contra requisição

    O advogado que representa um grupo de proprietários de casas no Zmar, em Odemira, revelou hoje que interpôs em tribunal uma providência cautelar contra a fundamentação da requisição temporária do complexo turístico decretada pelo Governo.

    “Interpusemos hoje em tribunal uma providência cautelar contra a fundamentação da requisição civil”, disse à agência Lusa o advogado Nuno Silva Vieira, que representa 114 dos 160 proprietários de casas privadas do empreendimento.

    Segundo o causídico, entre os argumentos a contestar a fundamentação da requisição temporária do Zmar Eco Experience decidida pelo Governo está o facto de, “no documento” do executivo, este “dizer que dialogou com os proprietários”.

    “Disseram que conversaram connosco antes e que nunca chegaram a acordo. Isso é mentir, nunca falaram connosco”, argumentou.

    Além disso, “o Zmar enquanto empresa não existe, portanto, a requisição civil é apontada ao Zmar mas, neste momento, não existe, o que existe é a massa insolvente do Zmar”, alegou.

  • Madeira iniciou vacinação a pessoas em situação de sem-abrigo

    As autoridades de saúde da Madeira iniciaram hoje a vacinação contra a covid-19 a pessoas em situação de sem-abrigo na região e utentes dos Centros de Atividades Ocupacionais (CAO), informou o Governo Regional.

    “No âmbito da campanha de vacinação contra a Covid-19 a decorrer na Região Autónoma da Madeira informamos que foi dado início à vacinação de pessoas em situação de sem-abrigo”, lê-se numa nota do gabinete do secretário da Saúde do arquipélago.

    No comunicado é referido que já foram vacinadas 60 pessoas em situação de sem abrigo, tendo a administração das vacinas contra a Covid-19 decorrido nas instalações da Associação Protetora dos Pobres, no Funchal.

    “Foram asseguradas todas as condições de segurança”, lê-se na nota.

  • EUA apoiam levantamento das patentes de vacinas contra a Covid-19

    Os Estados Unidos da América (EUA) vão apoiar a suspensão de patentes das vacinas contra a Covid-19, o que vai permitir que qualquer país produza o imunizante.

    “Os EUA apoiam a suspensão de proteções de propriedade intelectual para as vacinas contra a Covid-19 para ajudar a acabar com a pandemia, e vamos participar ativamente em negociações da Organização Mundial do Comércio para que isso aconteça”, afirmou a embaixadora americana para a Organização Mundial do Comércio, Katherine Taiem, no Twitter.

    Em comunicado, a embaixadora sublinha que, apesar de a administração Biden “acreditar fortemente nas proteções de propriedade intelectual”, o mundo vive “tempos extraordinários e circunstâncias que levam a medidas extraordinárias” e que, para “acabar a pandemia”, este passo revela-se fundamental.

    “O objetivo do governo é levar o maior número possível de vacinas seguras e eficazes ao maior número possível de pessoas. Enquanto o nosso fornecimento de vacinas para o povo americano já está assegurado, o governo irá continuar a expandir os seus esforços — trabalhando com o setor privado e todos os parceiros possíveis —, para expandir a produção e distribuição de vacinas” a todo o mundo, lê-se ainda no comunicado.

  • Covid-19. Variante de Manaus aumenta em Portugal. Primeiros casos da variante indiana detetados

    Em abril, a variante P.1, descoberta em Manaus (Brasil), foi detetada em 15 distritos e 40 concelhos. Foram também identificados sete casos da variante indiana.

    Covid-19. Variante de Manaus aumenta em Portugal. Primeiros casos da variante indiana detetados

  • Cabo Verde com novo recorde de 417 novos casos e um óbito em 24 horas

    Cabo Verde registou hoje 417 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, novo recorde diário no país, que nas últimas 24 horas contabilizou mais uma morte, elevando para 229 o total de óbitos desde o início da pandemia.

    O Ministério da Saúde e da Segurança Social informou em comunicado que nas últimas 24 horas os laboratórios de virologia analisaram 1.707 amostras e encontraram 417 casos positivos do novo coronavírus, numa taxa de positividade de 24,4, e ultrapassando o anterior pico de 409 casos em 28 de abril.

  • Guiné-Bissau regista mais um caso de infeção

    A Guiné-Bissau registou mais um caso de infeção pelo novo coronavírus, segundo dados hoje divulgados pelo Alto Comissariado para a Covid-19.

    Segundo os dados, segunda-feira foi registado mais um caso para um total acumulado de 3.738 e realizados 49 testes.

    Os dados indicam que desde o início da pandemia já foram registadas 67 vítimas mortais.

  • São Tomé e Príncipe com quatro novos casos em 48 horas

    São Tomé e Príncipe registou quatro casos positivos de Covid-19 nas últimas 48 horas, depois de três dias sem o registo de qualquer infeção, disse hoje a porta-voz do ministério da saúde.

    De acordo com Isabel dos Santos, das quatro novas infeções três foram registados nas últimas 24 horas na ilha do Príncipe e uma em São Tomé, aumentando para 2.314 o total de pessoas que infetadas com o novo coronavirus.

  • Moçambique registou em 2020 número mais baixo de mortes nas estradas da última década

    Moçambique registou em 2020 o número mais baixo de fatalidades nas estradas dos últimos 10 anos (855 óbitos), um dado associado às restrições impostas pela Covid-19, avançou hoje à Lusa a Associação Moçambicana para Vítimas de Acidentes de Viação.

    “Esta é a primeira vez nos últimos 10 anos que Moçambique regista um número de óbitos abaixo de mil”, explicou Alexandre Nhampossa, presidente da Associação Moçambicana para Vítimas de Acidentes de Viação (Amviro).

    Para Alexandre Nhamposa, no contexto das restrições impostas pela Covid-19, a redução da mobilidade e o encerramento de estabelecimentos para o consumo de bebidas durante a noite contribuíram para a redução dos números de acidentes de viação nas estradas moçambicanas.

    Os nossos dados indicam que a maior parte dos acidentes fatais ocorriam entre 15h00 e 21h00, envolvendo, principalmente, jovens, em certos casos alcoolizados. Portanto, com as restrições no contexto da Covid-19, os números baixaram. Pode-se dizer que este é um dos únicos aspetos bons que a pandemia trouxe”, acrescentou.

  • Covid-19. Presidente do Brasil diz que pode agir por decreto contra restrições

    Bolsonaro disse pode emitir um decreto para garantir aos cidadãos a “liberdade” de “trabalhar” e de “ir e vir”. “Se eu decreto, isso será cumprido e não será suspenso por nenhum tribunal”.

    Covid-19. Presidente do Brasil diz que pode agir por decreto contra restrições

  • Angola com mais 245 casos e volta a igualar recorde de nove óbitos de fevereiro

    Angola registou nas últimas 24 horas 245 novos casos de Covid-19 e mais nove mortes, igualando o maior número de óbitos registado este ano a 10 de fevereiro, segundo o boletim epidemiológico da Direção Nacional de Saúde Pública.

    As infeções verificaram-se em Luanda (231), Huíla (4), Benguela (3), Cunene (3), Huambo (2), Cuanza Norte (1) e Malanje (1), com idades entre 2 e 78 anos, sendo 135 do sexo masculino e 110 do sexo feminino.

  • São Miguel deverá deixar de estar em situação de alto risco

    O secretário da Saúde do Governo dos Açores, Clélio Meneses, avançou hoje que, a partir da próxima quinta-feira, a ilha de São Miguel deverá deixar de estar no patamar de alto risco de contágio da Covid-19.

    As medidas que serão anunciadas decorrem daquilo que acontecer até à meia-noite de hoje. Não havendo nada de extraordinário, a situação de calamidade e a situação de alto risco de São Miguel deixa de existir”, declarou o governante.

    O secretário regional da Saúde falava hoje na Ribeira Grande após uma reunião com a Associação de Municípios da ilha de São Miguel.

    Segundo o governante, a maior ilha açoriana registou um “decréscimo” do número de casos de Covid-19, pelo que, “em princípio”, deixarão de existir algumas “medidas mais restritivas” para o controlo da pandemia.

  • Manifesto que pede alterações no combate à pandemia com mais de 380 apoiantes

    Mais de 380 pessoas já assinaram a petição pública de apoio ao “Manifesto Açoriano Pelos Direitos Fundamentais”, na qual cerca de 50 signatários pedem que a estratégia de combate à pandemia nos Açores seja alterada.

    Mais de 50 signatários deram corpo ao “Manifesto Açoriano Pelos Direitos Fundamentais”, que considera que as “medidas opressivas, autoritárias e profundamente penalizadoras da economia e da sociedade em geral (…) representam, elas próprias, um sério risco para a própria ‘Saúde Pública’ que visam proteger”.

    Este documento reúne já o apoio de mais de 380 pessoas na plataforma digital Petição Pública e os signatários têm já reunido com partidos e organizações, como é o caso da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada.

1 de 4