Ano Novo

2018: Renovação, Respeito, Pertença

Autor
196

Um partido político que não se renova, definha, e só não morrerá se as barreiras à entrada forem de tal ordem que dificilmente possam entrar outros competidores.

Já quase tudo se escreveu sobre 2018, entre as previsões, as aspirações e os receios. Em bom rigor cada um de nós será essencialmente alheio ao que, de bom ou mau, irá acontecer neste novo ano. Sendo verdade, esta afirmação está sujeita à falácia da composição. O novo ano será aquilo que todos nós fizermos dele. Nesse sentido deixo ao ano novo três palavras que se ramificam noutras.

Renovação. A vida só subsiste devido a uma renovação de células, em que umas morrem e outras se reproduzem. A renovação é, não apenas o fundamento da continuação da vida, como da dinâmica das organizações, dos países, das civilizações. É algo tão evidente que por vezes nos esquecemos desta elementar palavra. Uma empresa que não inova, se estiver num mercado competitivo, decresce e eventualmente morre, pois aquelas com quem compete ganhar-lhe-ão quota de mercado. Um partido político que não se renova, definha, e só não morrerá se as barreiras à entrada forem de tal ordem que dificilmente possam entrar outros competidores. Na sociedade em que vivemos as pessoas gostam de novas experiências, produtos, ideias e tenderão a premiar os que inovam e não os que apresentam sempre o mesmo “produto”. Uma importante variante ao principio geral que a renovação é essencial à sobrevivência é a existência de lealdade, de rotinas e do gosto pelo já conhecido (na comida, na música, na arte visual). Podemos ter partidos que sobrevivem porque as pessoas são leais ao partido. A lealdade, porém, não substitui a renovação, adia-a, eventualmente uma geração. Empresas, partidos ou qualquer outra organização são feitos de pessoas e a existência de renovação organizacional pressupõe que uma ou várias pessoas, com capacidade de influencia, tenham um efetivo desejo de renovação. Em última instância a renovação remete para uma mudança individual, do eu, que se pode tornar contagiosa. Renovação, sugere assim inovação, renascimento, transformação.

Respeito. é a palavra relacional por excelência entre eu e o outro (se a colocarmos num plano igualitário fora do “respeitinho”). É necessário para satisfazer muitos dos princípios enunciados nas declarações universais dos direitos humanos e, em particular, da criança. Respeito, sugere preservar a esfera de autonomia do outro e o direito de ser aquilo que é. Respeito tem a ver com o reconhecimento de igualdade de direitos e a não discriminação seja com que fundamento for. É também uma palavra instrumental. Respeito porque quero ser respeitado e valorizo o princípio da simetria. Nada tem a ver com tolerância. Não tolero que uma mulher goste de um homem. Respeito a heterossexualidade, da mesma maneira que a homossexualidade, pois cada uma tem a ver com a identidade da(o) outra(o) e a sua autonomia relacional. Respeito a liberdade de cada um desde que ela não interfira, de forma não razoável, com a liberdade dos outros ou de mim próprio. Que haja quem se sinta bem com tatuagens e com piercings, quem goste de ananás e quem prefira laranjas. O respeito percebe-se por expressões da sua negação. Todas as formas de assédio (sexual, laboral, e outras) são a materialização da ausência de respeito. Se 2017 foi um ano de empoderamento da mulher nalguns países desenvolvidos, em parte devido aos casos de assédio que vieram a lume, era bom que 2018 o fosse nos países em desenvolvimento. Sabemos, há décadas, que o microcrédito funciona melhor quando gerido por mulheres. Soubémos agora que em 2018 as mulheres poderão conduzir um carro na Arábia Saudita. Há um longo caminho a percorrer, de enorme potencial, na senda do respeito. Podemos então encadear palavras: respeito, igualdade, liberdade, não discriminação, desenvolvimento.

Pertença. A ideia que vamos pertencendo a algo mais vasto, a múltiplas comunidades e territórios diferentes. A da família, a de um grupo de amigos, a dos que partilham connosco uma maneira de estar na vida ou uma visão desta. A dos que habitam na nossa aldeia (porque quase todos temos uma “aldeia”) ou num território mais vasto a que chamamos país. A dos que falam a língua portuguesa, a dos animais (humanos ou não) a dos seres vivos. Se pertencemos a uma comunidade é porque partilhamos algo, e o que partilhamos é fonte da nossa identidade e tende a desenvolver sentimentos de altruísmo, reciprocidade e simpatia, em relação aos outros e que ultrapassam a satisfação das necessidades práticas imediatas do nosso eu. A pertença não é apenas do hoje e do agora, sincrónica, mas na escala do tempo, diacrónica. Pertencemos a um momento único do tempo, somos um pequeníssimo elo numa longa cadeia de gerações que nos precedeu, e que nos vai suceder. Somos residentes temporários do planeta Terra e por isso dela temos o usufruto hoje, mas que em nada deverá diminuir o potencial de benefícios daqueles que virão depois de nós. A palavra pertença, pode assim remeter para: empatia, simpatia, cooperação, solidariedade, sustentabilidade.

Os votos que deixo para 2018 são os de renovação individual, respeito pela outra e pelo outro e reforço do sentimento de pertença. Votos para o ano que vem, e para todos os que se lhe sucederem.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira
1.100

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Ano Novo

2019 é quando, e se, um homem quiser /premium

Alberto Gonçalves
1.226

O importante é rompermos com as representações que o “sistema” nos atribui e assumirmos a essência do que realmente nos representa. E eu, ao invés do que o Estado presume, não me sinto contribuinte.

Psicologia

O outro lado das resoluções de ano novo /premium

Teresa Espassandim

Sejamos honestos: não há qualquer problema com as resoluções de ano novo e, mais ainda, pode até ser prenúncio da vontade em mudar algo nas nossas vidas, com envolvimento, compromisso, risco, esforço.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)