Câmara Municipal Lisboa

2ª Circular: 10 perguntas ainda sem resposta

Autor
520

Fernando Medina, sob pressão das eleições para a autarquia em 2017, coloca em causa a segurança rodoviária na 2ª Circular, sendo que o projeto da obra assenta em modelos de mobilidade desatualizados.

A Assembleia Municipal de Lisboa – em resposta ao pedido formal apresentado pelo CDS-PP à sua presidente Helena Roseta – recebe esta segunda-feira os lisboetas para um debate público alargado sobre a polémica obra da segunda circular.

Este debate acontece depois de terminado o prazo da consulta pública, o qual foi prolongado a pedido do CDS-PP, mas por apenas mais 15 dias ao contrário dos 30 dias solicitados.

Até agora, as críticas ao projeto foram muitas e significantes e algumas delas foram mesmo contundentes quanto aos impactos de falta de segurança e dos graves problemas para a mobilidade dos lisboetas, como é o caso das teses sustentadas pelo Professor Fernando Nunes da Silva, ex-vereador da Mobilidade de António Costa na CML e cujo nome foi, curiosamente, vetado pela maioria socialista da AML para o leque de especialistas convidados para o debate.

Mas não foi o único. Para os diversos especialistas e entidades associadas a sectores como a segurança rodoviária, os transportes públicos, a mobilidade e a aviação civil, o projecto de intervenção apresenta falhas graves, desde logo na quantidade e na qualidade da informação disponibilizada, o que impossibilita uma análise mais aprofundada por parte dos vários intervenientes.

É minha opinião, após ouvir atentamente todos os intervenientes, que os lisboetas necessitam de ser informados sobre os dez seguintes pontos fundamentais:

1. Foi contratada à Prevenção Rodoviária Portuguesa, como declarou publicamente o seu responsável Engª. José Miguel Trigoso, uma auditoria de segurança que detectou falhas graves, designadamente o elevado risco que advém do embate frontal contra árvores e um separador central mal concebido e que inclui um lancil com apenas  35cm de altura. Porque razão é que a CML interrompeu esta auditoria e os seus resultados, nomeadamente da própria Autoridade para a Segurança Rodoviária?

2. Foi mencionado também que a arborização das áreas laterais à 2ª Circular será executada numa 2ª fase. Estes trabalhos estão considerados nesta empreitada prevista e no orçamento apresentado ou, pelo contrário, implicam mais obra e mais dinheiro?

3. A inclusão de árvores no separador central, como afirmou Francisco Ferreira, da Quercus, terá um efeito muito limitado quanto à redução da poluição e continuará a não cumprir a obrigação de redução do ruído para os níveis estabelecidos pela norma europeia dos 60db de limite. Por que razão se lança uma obra desta envergadura de modo tão precipitado e não se aproveita para implementar as melhores soluções?

4. Outro risco para a segurança advém de não existirem no projeto zonas de transição de velocidade entre a 2ª circular e as vias rápidas A1 e IC19. Uma mudança abrupta dos 120km/h para 60 km/h é considerada segura pelo presidente Fernando Medina?

5.  Para o especialista em Ordenamento e Integração Urbana, Engª. Pais Antunes, a informação sobre o projeto é muito escassa e de má qualidade e os impactos da intervenção na qualidade urbana, poluição e redução de ruído serão muito reduzidos. Como se entende que toda a informação relativa ao projeto não esteja disponível na consulta pública?

6. Fernando Medina anunciou que a obra vai realizar-se durante a noite ao longo de 11 meses e suprimindo uma faixa de cada lado. Está em condições de garantir que todas as faixas estejam disponíveis durante o dia, conforme é afirmado?

7. Porque razão o nó da CRIL será alvo de intervenção numa segunda fase e não logo de início como forma de garantir as condições para acomodar o impacto do desvio de trafego que se pretende efectuar?

8. As alterações previstas no Nó do Campo Grande e as novas ligações para Av. Padre Cruz, grande parte delas em viaduto estão, ou não, contempladas no orçamento global que o Executivo da Câmara anunciou?

9. O Executivo da Câmara pretende fechar o acesso da Azinhaga das Galhardas para a 2ª Circular, que será substituído por uma ligação (ainda a ser estudada pela C.M.L. e pela Infraestruturas de Portugal) da Av. dos Combatentes ao Eixo Norte-Sul. Porque razão não é dado conhecimento desse estudo e das implicações que esta alteração terá na área do Campus da Universidade Católica e no Plano de Pormenor aprovado?

10. Quais os constrangimentos e as medidas preventivas que estão planeadas para o trânsito nesta zona do Campo Grande e a Av. Padre Cruz, durante a execução dos trabalhos?

Em suma, o presidente Fernando Medina, devido à pressão das eleições para a autarquia em 2017, coloca em causa a segurança rodoviária na 2ª Circular e a segurança dos lisboetas, sendo que o projeto desta obra parece assentar em modelos de mobilidade desatualizados e que não resolvem os problemas de tráfego, segurança, poluição e ruído, como até mesmo agravá-los, à semelhança do que sucedeu com a alteração do trânsito na Avenida da Liberdade e Rotunda do Marquês de Pombal.

Dada a profusão de obras que Fernando Medina pretende iniciar em Lisboa – Eixo-Central, Sete Rios e Segunda Circular de Lisboa, apenas para citar algumas – e que terão um elevado custo financeiro, gerarão uma fortíssima redução de estacionamento e lançarão o caos no trânsito, torna-se cada vez mais necessário alertar os lisboetas para que defendam os seus interesses.

No entanto, se esta obra avançar com os contornos apresentados e que são puramente cosméticos, o CDS-PP cá estará para relembrar ao atual presidente da CML as suas responsabilidades.

Vereador do CDS na Câmara de Lisboa

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos
436

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)