Rádio Observador

Ana Gomes

A boa socialista /premium

Autor
555

O PS não perde uma oportunidade para se desvincular de Ana Gomes. Isso diz muito mais sobre o PS do que sobre ela – mostra como a ética republicana é incompatível com o actual aparelho socialista.

O PS está novamente embrulhado numa série de casos de compadrio. Chamem-lhe quarta-feira – já é uma rotina. Como sempre, tudo começou na incompetência: a distribuição de material inflamável para proteger populações nos incêndios. E, como sempre, bastou investigar um pouco para tudo culminar no favorecimento político: a empresa que tratou da aquisição está ligada a dirigentes do PS, não é sequer da área, foi paga acima do preço de mercado e ganhou o negócio numa consulta pública que envolveu outras empresas que não eram da área (e algumas até afirmam não terem sido realmente consultadas). Não é só este negócio tresandar. É sobretudo o facto de se ter novamente destapado o véu sobre a rede tentacular dos socialistas, que consistentemente facilitam o acesso de conhecidos e familiares aos rentáveis negócios com o Estado. E com o habitual encobrimento partidário, tendo o PS afirmado que, afinal, a lei não pode ser lida literalmente – deverá, pelos vistos, ser aplicada à medida das interpretações aprovadas no Largo do Rato. Costuma-se dizer que as pessoas não mudam e que o mesmo vale para as organizações. Por isso, abandone as ilusões quem as tiver: o PS é isto e não mudará.

Simbolicamente, tudo isto acontece quando o PS se demarca severamente de Ana Gomes, uma das personalidades políticas que mais se tem batido contra a corrupção e os poderes instalados. A propósito de uma suspeita levantada pela ex-eurodeputada sobre negócios no futebol, Carlos César (presidente do PS) fez questão de não só desvincular o partido dessas suspeitas, como sublinhar que Ana Gomes ascendeu a persona non grata nas hostes socialistas – diz César que Ana Gomes “insulta quem não lhe faz a corte”. Ana Gomes explicou que não é “apparatchik” e que não abdica de pensar pela própria cabeça. A relação da ex-eurodeputada com o seu partido atingiu um pico de tensão.

Esta tensão tem significado político. Ana Gomes não foi apenas uma reconhecida eurodeputada socialista durante 15 anos. Ela é uma voz independente que, quando considera assim justificar-se, critica o seu próprio partido. Por exemplo, neste episódio das golas inflamáveis, fê-lo considerando que o caso não tinha defesa possível. Ou, por exemplo, na polémica da duplicação de subsídios de deslocação dos deputados, quando avaliou a situação como “imoral” e acusou Carlos César de apresentar um esclarecimento que “não esclareceu nada”. Ou ainda quando, a propósito do familygate socialista, concluiu que existe “uma matriz de pensar” no PS que limita a ética ao que está na lei, assinalando que o PS não entende que “a ética está para lá do que está na lei”. Mais importante, Ana Gomes foi uma voz isolada no assinalar que o PS tinha de fazer autocrítica e reflexão sobre como se deixou instrumentalizar por Sócrates (e por outros) enquanto veículo de corrupção. Feroz defensora da transparência, crítica da submissão de Portugal a Angola por via de negócios de Estado, atenta às intromissões da política na justiça, movida pelas suas convicções e pelas causas que escolheu – Ana Gomes é uma espécie de “boa socialista”, que não trocou a fidelidade à matriz social e republicana que a define ideologicamente pela lealdade partidária. Ora, isso também implica reunir características mais do que suficientes para se tornar incómoda num PS onde Sócrates reinou e que é agora chefiado por Carlos César.

É certo que Ana Gomes não é consensual – quem defende ideias políticas nunca o é. Mas não se confundam os planos. Não é necessário concordar com as suas várias batalhas para reconhecer os seus méritos, a sua coragem e a sua independência – e, pessoalmente, são muitas as vezes em que discordo do conteúdo, da abordagem ou do estilo das suas intervenções. Só que reconheço-lhe o resto. O que Ana Gomes tem é o que cada vez faz mais falta na classe política: um compromisso inabalável com a verdade e com a cultura democrática – doa a quem doer. Em tempos como estes, em que os alicerces das repúblicas liberais estão sucessivamente a ser sacudidos, isso é quase tudo. E é por tudo isto lamentável, mas expectável, que o PS não perca uma oportunidade para se desvincular dela e, forçosamente, do que ela representa. Esse afastamento diz muito mais sobre o PS do que sobre Ana Gomes: mostra como a ética republicana é incompatível com o actual aparelho socialista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Um desenho para Rui Rio /premium

Alexandre Homem Cristo

Numa frase, ao colocar o BE na “social-democracia” e, portanto, a disputar o mesmo espaço político que o PSD, a líder bloquista tornou confrangedora a visão de Rio para o maior partido da “direita”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)