Rádio Observador

Eleições Espanha 2015

A brincadeira começa a chegar ao fim?

Autor
739

Com o Brexit, viu-se pela primeira vez que algo podia acontecer. Talvez a sanidade não tenha voltado ao continente. Mas a partir da semana passada, a loucura passou a ter um preço.

Rajoy à frente, PSOE em segundo, Podemos em terceiro, Ciudadanos em quarto. Tudo na mesma? Não, tudo diferente, e quem vos disser que está tudo na mesma, mente ou não percebe nada. É um facto, nenhum partido voltou a obter maioria absoluta, e as velhas incompatibilidades não foram abandonadas na noite eleitoral. Talvez os protagonistas da política de Espanha estejam tentados a portar-se da maneira como se portaram nos últimos seis meses; mas a política de Espanha, ao contrário dos seus protagonistas, mudou. A dinâmica é outra.

O que aconteceu em Espanha foi mais uma derrota humilhante das expectativas dos círculos políticos-mediáticos, como no referendo do Reino Unido. Todos aguardavam a ascensão do Unidos Podemos, que ia ultrapassar o PSOE e forçá-lo a afogar-se numa maioria liderada por Pablo Iglesias. Não aconteceu nada disso. Pedro Sanchez, como lhe competia, deu ao PSOE o seu pior resultado de sempre. Mas Pablo Iglesias conseguiu fazer pior, perdendo, na sua aliança com os comunistas, cerca de um milhão de votos. O Podemos fez campanha cheio de arrogância e de basófia, como o BE na sua convenção deste fim de semana. Mas não conseguiu ultrapassar o PSOE, nem sequer formar maioria de governo com o PSOE. É o grande derrotado destas eleições. Perdeu estas eleições e muito provavelmente perdeu também a sua oportunidade.

O fiasco do Podemos deixou Sánchez disfarçar o seu próprio insucesso, proclamando vitória no pequeno campeonato regional onde o PSOE ainda consegue jogar: o campeonato da “esquerda”. Para se salvar, Sánchez promoveu assim o Podemos a seu inimigo principal. O PSOE, segundo Sánchez, seria o único partido à esquerda com “um projecto para Espanha”.

Derrota do Podemos, derrota do PSOE, derrota também do Ciudadanos, esta segunda volta das eleições legislativas de Dezembro tiveram porém uma vitória: a vitória do PP de Mariano Rajoy, que aumentou votos, aumentou mandatos, e ganhou em quase todas as províncias. Tal como noutros países europeus, a direita reformista em Espanha resistiu muito melhor aos populismos e aos radicalismos do que a esquerda dos interesses, representada pelo PSOE. Neste momento, não há alternativa ao PP, a não ser que Sanchez resolva negar a Espanha e aceitar uma coligação com o Podemos e os separatismos. O único governo de Espanha passa pelo PP.

Os líderes do PSOE e dos Ciudadanos têm meios para voltar a negar um governo à Espanha. Mas desta vez fá-lo-iam em perda, ao contrário de Dezembro. O vento está contra eles, e contra a soberba com que os radicalismos julgaram que, agora, tudo lhes pertencia. Não pertencia. Os eleitores começam a cansar-se da política conduzida por ex-bolseiros deslumbrados. Uma terceira volta das eleições talvez seja o epílogo das suas férias grandes.

Provavelmente, nunca será fácil determinar o efeito do Brexit nestas eleições. Mas quem sabe? O recreio político em que a Europa tem vivido, a namorar com nacionalismos e com populismos, pode ter acabado. Até ao Brexit, esses devaneios não tinham tido grandes consequências. Mesmo na Grécia, o Syriza significou apenas mais uma bancarrota e mais um pacote de austeridade. A União Europeia, com o seu poder financeiro e a sua aparente determinação em manter-se unida, parecia cobrir todas as brincadeiras, mesmo as mais arriscadas. No fim, lá vinha uma troika com mais dinheiro, ou uma cimeira com mais concessões. Era possível pôr a boina do Che Guevara ou a boina da Milícia de Vichy sem ter de pagar por isso. Os referendos com que o PASOK e o Syriza jogaram na Grécia deram ideia que nunca nada aconteceria. A “crise do sistema” era pouco mais do que um divertimento mediático. Com o Brexit, viu-se pela primeira vez que algo podia acontecer. Talvez a sanidade não tenha voltado ao continente. Mas a partir da semana passada, a loucura passou a ter um preço.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O país onde a política morreu /premium

Rui Ramos
147

As más finanças, a estagnação económica e o envelhecimento demográfico tiraram oxigénio a tudo o que relacionávamos com direita e esquerda em Portugal. Há apenas governo e oposição.

Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

Espanha

As duas Espanhas vão a eleições

Diogo Noivo

A estratégia eleitoral de todos os partidos espanhóis consiste em enfatizar o radicalismo do adversário, circunscrevê-lo a esse espaço e assinalar os riscos de traição no caso de vitória do oponente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)