Rádio Observador

Crónica

A carta do Di Maria escrita por um trabalhador português, neste caso, um médico.

Autor
382

Com as devidas adaptações poderia ter sido escrita por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Se por um futebolista teria sido lida por milhões de sabichões

Anda tudo enternecido com uma carta supostamente escrita por um futebolista estrangeiro que ganha milhões. Confesso que chorei. Inspirei-me.

“O que fizeste na segunda-feira? Fui trabalhar
O que fizeste na terça-feira? Fui trabalhar
O que fizeste na quarta-feira? Fui trabalhar
O que fizeste na quinta-feira? Fui trabalhar
O que fizeste na sexta-feira? Fui trabalhar
Fazemos algo no fim de semana? Não posso, estou de urgência no sábado e no domingo preciso de dormir para segunda-feira ir trabalhar.

O trabalho acaba, paramos e olhamos a enfermaria com camas sujas, doentes queixosos, mau cheiro, o lugar onde trabalhamos. Essa sujidade e esse soalho onde já caímos e raspamos os joelhos, as costas, os cotovelos, as mãos… Esse soalho escorregadio de imundície e sangue e esse cheiro, mistura de desinfetante, urina e vómito, que nos fica nas narinas e nos incomoda durante o trabalho. As infeções que transportamos e faz com que sujemos a casa toda e com que a nossa companheira nos diga ‘tira essa roupa e vai já direto para o banho’, porque no hospital não havia chuveiro e quando há não há sabão.

O que nos dá força a cada dia para arrancar para o trabalho? Todos te dizem que ao domingo gostam de dormir. ‘É melhor o futebol’, dizem os teus amigos. ‘Dás uns chutos e ganharás milhões’. ‘Nunca estamos juntos’, dizia a tua namorada e agora queixam-se a tua mulher e os teus filhos. ‘Pensa em estudar e trabalhar’, dizem os teus familiares. Pensas por dentro e sorris. Estudas, estudaste toda a vida, memorizaste milhares de páginas e continuas a estudar, porque se ao futebolista podem perdoar um penalti falhado, a ti não te perdoarão uma vida.

Que sabem eles sobre o que a medicina significa para ti… Que sabem eles da tensão e dos nervos que não te deixam dormir em dia algum? Que sabem eles das urgências, das noites sem dormir, que já passaste lesionado ou doente? Que sabem eles do que sentes quando salvas alguém e os teus doentes te abraçam desesperadamente? Que sabem eles das vezes em que foste atrás do autocarro ou dos cinco quarteirões que correste para não chegar tarde às aulas? Que sabem eles do quão profundo é o momento em que o diretor te chama? Será que desta vez é para, finalmente, te elogiar? Que sabem eles de como é estar a morrer de calor em agosto, a fazer urgências, umas atrás das outras, dos natais e das passagens de anos, dos aniversários, quando todos os teus amigos estão de férias a divertir-se, alguns a usufruírem de muito mais do que tu alguma vez terás?

Que sabem eles de reunir-se TODOS os dias com as pessoas que marcam a tua vida: os teus amigos, os COLEGAS dos risos e das lágrimas? Que sabem das vezes que trabalhaste à chuva, com o teto a vazar água, com humidade e frio? Sangue, urina, fezes, suor e vómito, tantas vezes sozinho, pessoas que esperam tudo de ti do outro lado, uma bata, uma caneta, um bisturi, uma pinça e um computador que não funciona.

Esta é a nossa vida. De que sabem eles? Que sabem eles, políticos, desportistas e cidadãos, do que é passar uma vida inteira de sacrifício, poderia até a ser a dignamente recolher o lixo que todos fazemos e a receber um ordenado miserável, enquanto há trafulhas que não pagam o que devem, há gatunos a mandarem, gente impune que lava dinheiro de forma descarada e futebolistas a ganharem milhões?

Muita gente diz que a medicina não tem nada a ver com a vida… Não sei o quanto sabem da vida, mas de medicina… não sabem nada!”

Com as devidas adaptações poderia ter sido por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Escrito por um futebolista, certamente cheio de mérito, teria sido lida por milhões de internautas e sabichões.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Estruturas do SNS

Fernando Leal da Costa

O problema mais grave em toda a estrutura do SNS é a manutenção que não se faz como devia ser feita. Tudo porque não há engenheiros e técnicos, não se permite outsourcing e a burocracia é infindável.

Eleições

Quem não for socialista, vota em quem?

Fernando Leal da Costa
179

O campo da direita moderada está fragmentado, sem identidade nem liderança apelativa, mas certo é que optar pela abstenção é validar as duplicidades de Costa e essencialmente o mesmo que votar no PS.

Saúde

Ainda os medicamentos

Fernando Leal da Costa
176

O Infarmed concedeu duas autorizações de utilização especial para um medicamento de eficácia muito duvidosa, longe de estar comprovada a longo prazo.

Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Crónica

O Verão /premium

Maria João Avillez

Quando as coisas “impossíveis” acontecem é como um certificado: sabemos que podem acontecer e por isso, voltar a acontecer. O desconsolo é maior que o consolo.

Política

A rentrée dos artistas /premium

Luís Reis
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)