Rádio Observador

Crónica

A complexidade deste mundo

Autor

A complexidade das sociedades é uma ideia que as pessoas costumam ter sobre as sociedades em que vivem. Inversamente, a simplicidade é uma característica atribuída a sociedades em que não vivem.

Não há dia em que não se oiça dizer que a sociedade contemporânea apresenta grande complexidade. Não admira por isso que nos anúncios de emprego se procurem profissões muito variadas, sobretudo, como alguém disse, estetas, terapeutas e gestores; e que em geral pareça que nenhuma actividade pode ser desempenhada a não ser por aqueles que já a desempenham; e que quem não a desempenha seja escarnecido por não saber o que é realmente desempenhá-la; e que ninguém saiba a que repartição se dirigir, ou como se monta uma mesa; e que todos se queixem de não perceber nada do que se passa; e que o centro não se aguente. A complexidade das sociedades é porém uma ideia que as pessoas costumam ter sobre as sociedades em que vivem.

Inversamente, a simplicidade é uma característica atribuída a sociedades em que as pessoas não podem aspirar viver. A simplicidade que os mundos de Giotto ou de Fred Flintstone têm para nós deve-se ao seu carácter inacessível. Têm a reputação de ser simples apenas porque viver na Florença do princípio do século XIV ou na cidade de Bedrock não são para nós possibilidades razoáveis. E se fossem, a única coisa que lá encontraríamos seria uma multidão de nativos a celebrar a simplicidade dos tempos perdidos de Fídias ou do Rato Mickey.

A frase ‘o nosso mundo é complexo’ é como a frase ‘o tempo está diferente.’ A ideia de que o tempo está diferente é uma ideia normal sobre o tempo. Ao tempo é comummente atribuída a propriedade de estar cada vez mais diferente, como ao mundo a de ser cada vez mais complexo. O enorme sucesso público da ideia de aquecimento global não se deve à evidência sobre o aquecimento global: deve-se à coincidência entre aquilo que os cientistas dizem que é o caso e a natureza das nossas conversas normais sobre o tempo. Igualmente, a ideia de que as nossas sociedades são cada vez mais opacas e complexas deve-se à experiência, igualmente corriqueira, de não perceber o que certas pessoas estão a fazer à nossa volta, ou como funcionam certos aparelhos, ou de não compreender certas línguas.

Tal como uma conversa sobre o tempo não é uma ciência do tempo, assim as nossas conversas sobre a complexidade do mundo não são conversas sobre o mundo; ou, mais exactamente, são conversas em que só dizemos a verdade por acaso. São conversas em que comparamos coisas mas em que não nos nos passa pela cabeça arranjar uma escala para as comparar; nem aliás saberíamos onde a encontrar. Dizer sem mais e com gravidade que o mundo é complexo, ou que a sociedade contemporânea apresenta grande complexidade, não é falar sobre o mundo; é queixarmo-nos do mundo; ou em alternativa recomendarmos aos outros a nossa coragem por termos nascido em alturas tão complexas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Crónica

O Verão /premium

Maria João Avillez

Quando as coisas “impossíveis” acontecem é como um certificado: sabemos que podem acontecer e por isso, voltar a acontecer. O desconsolo é maior que o consolo.

Política

A rentrée dos artistas /premium

Luís Reis
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)