Rádio Observador

Politicamente Correto

A confusão dos géneros

Autor
  • Gonçalo Forjaz
532

A evolução do acrónimo LGBT é reveladora, crescendo até LGBTQIA e tendo agora fórmula final sugestiva: LGBTQIA+. Ou seja, um zoófilo, um pansexual ou um poliamoroso terão que se limitar à categoria +

Cada vez que ouvimos falar em direitos LGBT (lá iremos às restantes letras do acrónimo), não podemos deixar de referir aqueles que estão na origem de tão nefasta ideologia. Seguem-se os mais conhecidos.

O entomologista Alfred Kinsey (1894–1956) via as pessoas como objectos e não como sujeitos, bem ao estilo utilitarista. Nas suas investigações não há uma única ligação entre a actividade sexual e o compromisso, o amor conjugal, a geração de filhos ou a experiência de paternidade/maternidade. Para Kinsey, a variedade de parceiros sexuais era vista como uma vantagem, daí ser um forte defensor da mesma. A antropóloga Margaret Mead (1901–1978) reivindicou que os papéis do homem e da mulher eram determinados exclusivamente pela cultura, sem qualquer contributo da biologia. O psicólogo John Money (1921–2006), a partir de estudos em hermafroditas, concluiu que todas as crianças até aos dois anos têm como que a capacidade de virem a tornar-se homem ou mulher, dependente do estímulo a que estivessem sujeitas. Por último, o filósofo Michel Foucault (1926–1984), reforçou a ideia de que a identidade sexual é uma construção social e que os pontos âncora onde outrora essa mesma identidade se alicerçava, como a anatomia, a biologia e a fisiologia, deviam ser considerados absolutamente secundários.

Dentro do mundo LGBT, a atração pelo mesmo sexo tem um lugar de destaque, dada a frequência com que ocorre. Contudo, o que por uns é considerado uma orientação, mais não é do que uma desorientação. As histórias, que já abundam, de pessoas que se sentem atraídas pelo mesmo sexo e que discerniram, não raras vezes de forma dolorosa, que semelhante tendência contraria a lei natural e, sobretudo, o propósito último da sexualidade humana, assim o confirmam. A desorientação ocorre porque algo no desenvolvimento psico-afectivo falhou. Culpar o próprio de tal falha é talvez uma das maiores injustiças desde sempre cometidas contra estas pessoas, mas tal não nos pode levar a enaltecer a falha como se de uma simples variante da sexualidade se tratasse. Discernir a realidade e a sua finalidade não é tarefa fácil, a todos os níveis, mas é a nossa responsabilidade e obrigação. A verdade, no fim, é libertadora.

A natureza humana é binária (homem e mulher, macho e fêmea), não heterossexual, homossexual ou qualquer outra combinação possível. Semelhantes termos não definem o homem nem muito menos a sua vocação, antes o reduzem a uma dimensão exclusivamente baseada na atração sexual. A ideologia de género e a mentalidade LGBT são exímias na arte de desvirtuar o que a própria realidade nos apresenta. Quando assim é, outra coisa não seria de esperar do que a enorme confusão a que se chegou hoje em dia. A evolução do acrónimo LGBT é o melhor exemplo. O que começou com quatro letras, tem agora sete (LGBTQIA). E porque talvez não seja muito prático continuar a acrescentar letras, a fórmula final é sugestiva: LGBTQIA+. Ou seja, um zoófilo, um pansexual ou um poliamoroso teriam que se limitar à categoria +, o que não abona muito a favor da inclusão.

Com uns cortes aqui e uns acrescentos acolá, a actual ideologia de género é herdeira das teorias desenvolvidas e defendidas pelos “ilustres” investigadores acima referidos. Até onde poderá chegar nunca saberemos, mas a avaliar pelo enorme sucesso que tem tido na colonização ideológica que tem levado a cabo (vejam-se, por exemplo, as campanhas The Gender Unicorn ou The Genderbread Person), não nos devem restar dúvidas que não vai parar por aqui. A dita acção de sensibilização para promover a igualdade de géneros e sensibilizar para as diferentes orientações sexuais, realizada recentemente numa escola do Barreiro e destinada a crianças entre os 11 e 13 anos, é disso um exemplo.

Autor do blog Um Católico em DC

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Politicamente Correto

Se eu tivesse um jornal

Vítor Cunha
259

Talvez não me importe com o que o leitor pensa ou, então, não me importo é com o que a dita intelligentsia pensa de mim, até porque se há coisa que a intelligentsia abdica é de pensar seja o que for.

Politicamente Correto

Morte aos epicenos e a quem os apoiar!

José Ribeiro e Castro
410

Nunca agradeceremos bastante à 13ª Legislatura por jorrar luz nos pedregosos caminhos da gramática nacional, varrendo o obscurantismo das letras e expurgando de formas traiçoeiras a escrita patriótica

Liberdades

Também tu, Universidade de Harvard?

Luís Ribeiro
190

Viver na espuma dos acontecimentos, sem aprofundar as consequências, leva a isto: cai um preconceito, mas é logo substituído por outro. O preconceito racial é substituído pelo preconceito do #MeToo.

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)