Empreendedorismo

A coragem necessária para ser um empreendedor

Autor
2.754

Quase ninguém sabe o peso da cabeça de um empreendedor. Quantas preocupações cabem lá dentro, quantas dúvidas surgem e o quão necessário é tomar decisões difíceis.

Todo trabalho tem muito valor. O trabalho de quem cozinha nos restaurantes, de quem dirige grandes companhias, o trabalho de quem ensina nossos filhos a ler, de quem varre as ruas, de quem movimenta o serviço público, de quem costura as roupas que vestimos, de quem pesquisa no mundo acadêmico, de quem socorre acidentados no trânsito.

Todo trabalho tem suas dores: alguns exigem demais do corpo do trabalhador, outros proporcionam um stress permanente, outros impõem a convivência diária com angústias e urgências. Por outro lado, todo trabalho tem suas delícias: alguns pagam bem, outros não levam preocupações para casa, outros permitem saber que melhora-se a vida das pessoas diariamente.

Mas empreender é um capítulo a parte. É fácil dizer “fulano é empresário”, “beltrana tem uma startup”, “cicrano criou uma marca”. Olhando de fora, parece tudo muito simples, muito fácil. Parece que eles acordaram um belo dia e disseram “Não sei o que vou fazer hoje. Já sei, vou criar uma empresa. Pronto, ficou ótima.”.

Poucas pessoas têm a dimensão do sacrifício pessoal necessário para empreender. Boa parte dos empreendedores abre mão de uma carreira- mais estável e mais segura- em nome de uma razão maior, que pode ser o sonho de criar, a ambição de crescer, o desejo de tornar o mundo um pouquinho melhor em virtude da existência do seu produto ou do seu serviço ou a vontade de criar novos empregos. Dizer que os empresários existem pura e simplesmente porque querem ganhar dinheiro é algo tão raso quanto infantil.

Mas, sim, o dinheiro é preciso. Não apenas para comprar calças novas e pagar a escola dos meninos, mas para pagar o banco. Pagar os investidores. Pagar a matéria prima. Pagar os salários. Os equipamentos. O aluguel. As refeições. Quase ninguém sabe o peso da cabeça de um empreendedor. Quantas preocupações cabem lá dentro, quantos fantasmas assombram-nas à noite, quantas dúvidas surgem e o quão necessário é tomar decisões difíceis e seguir em frente.

Todo empreendedor já ouviu alguém dizer que aquela ideia era uma loucura. Que aquilo era passatempo. Que não tinha cabimento abrir mão de um emprego para dedicar-se àquele projeto. Todo empreendedor vive a sina de provar para as pessoas que os desencorajaram que aquela loucura deu certo. Ou que, um dia, ainda vai dar. Todo empreendedor tem medo. Medo de não conseguir sustentar a estrutura, medo de perder o rumo, de deixar as pessoas desempregadas e de ver o barco afundar. Mas o medo acaba por ser combustível e não obstáculo.

E, como dizem, o sucesso é parecido com iceberg. Todos enxergam o que está fora da água: reconhecimento, notoriedade, bons clientes, boa imagem, algum dinheiro que entra. Mas ninguém enxerga o que está por baixo da água: noites em claro, centenas de horas de dedicação, suor, preocupações, decepções, mágoas e equívocos. Para quem olha de fora, parece, mais uma vez, que foi fácil. É como o ditado popular no Brasil “todo mundo fala das pingas que eu tomo, ninguém fala dos tombos que eu levo”.

Mas é isso: a coragem, o objetivo e o sonho têm o delicioso hábito de serem mais fortes do que os pessimistas, os desdenhosos e os fantasmas. Todo trabalho merece respeito. Todo trabalho é duro. Nenhum vale menos do que os demais. Nem mesmo os que não dão certo, nem mesmo os que dão certo demais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Parem de falar sobre o Sporting /premium

Ruth Manus
1.821

Nunca vi no Brasil, o famoso país do futebol, uma questão relativa ao esporte que tomasse tamanhas proporções como a do caso de Bruno de Carvalho no Sporting. 

Crónica

Chefe é mais importante que filho /premium

Ruth Manus
3.864

É assim quem se passam todas as nossas semanas. Reunião em vez de filho. Cliente em vez de casamento. Burocracia em vez de saúde. Investidores em vez de amigos. Amigos distantes em vez de amores.

Global Shapers

Carta aos pais de filhos na alta competição

Diogo Ganchinho
6.243

Não saber perder significa não aceitar a derrota com humildade. Existe algo na vitória que jamais se poderá perceber na derrota. Perder e aceitar isso, permite uma aprendizagem oculta nas vitórias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)