Rádio Observador

Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

Autor
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Na era das altas tecnologias, parece impossível imaginar um mundo separado por novas “cortinas de ferro”, mas o facto é que alguns regimes não desistem em as construir em nome da “soberania nacional”.

O Ministério da Ciência e do Ensino Superior da Rússia preparou um decreto que pretende endurecer as regras de contacto dos cientistas russos com os colegas estrangeiros e as organizações internacionais. Segundo esta proposta, nesses encontros, devem estar presentes, no mínimo, dois cientistas russos. Além disso, semelhantes encontros só se deverão realizar com a autorização da direcção da organização científica a que pertencem, devendo esta comunicar, com cinco dias de antecedência, ao citado ministério a realização do encontro e a lista de participantes! Depois do encontro, os cientistas terão de apresentar um relatório da conversa e fotocópias dos passaportes dos participantes nela!

Mas isto ainda não é tudo: os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais assinados pela Federação da Rússia”.

O académico russo Alexandre Fradkov já veio exigir o “castigo dos elaboradores deste projecto-lei”, pois isso obrigará os convidados estrangeiros, por exemplo, a deixarem à entrada das reuniões “relógios, telemóveis e outros meios técnicos (pelos vistos, até mesmo esferográficas)”.

Mesmo que este projecto-lei não seja aprovado, o que ainda não é um facto, trata-se de mais um sintoma de que estamos a assistir na Rússia a uma onda de “Back in USSR” no que respeita ao reforço do aparelho repressivo e à violação dos direitos humanos. As propostas de criação de uma “Internet russa”, o controlo de telemóveis e mensagens electrónicas vão na mesma direcção.

Já não me surpreende se voltarem a imperar as práticas soviéticas de limitação dos matrimónios entre estrangeiros e familiares de pessoas com acesso a segredos de Estado. E tudo isto estava “conforme” as palavras do ditador comunista José Estaline de que “os filhos não respondem pelos pais”.

É muito difícil acreditar que estas novas medidas, se forem realizadas, contribuam para a modernização e para o avanço tecnológico na Rússia. Os últimos incidentes com o incêndio no submarino, que provocou 14 mortos, ou a explosão durante o teste de um propulsor nuclear para mísseis, que atingiu mortalmente sete pessoas, mostram que nem tudo vai bem no complexo militar-industrial russo. Esta é uma das áreas fortemente atingidas pela corrupção.

Além disso, a falta de informação sobre estes graves acidentes traz à memória catástrofes como as da Central Nuclear de Chernobyl ou do submarino Kursk.

Até agora, Vladimir Putin, através de medidas repressivas, tenta transmitir a ideia de existência de paz social e política no país. A imersão num batíscafo nas profundezas do Mar Báltico e a participação do Presidente em encontros de motoqueiros nacionalistas são acções realizadas a mostrar que Putin continua a controlar a situação, mas torna-se cada vez mais difícil esconder os problemas. A popularidade do Presidente e do Partido “Rússia Unida”, que está claramente em queda, demonstra isso.

Entretanto, é mais fácil acusar “agentes estrangeiros” de ingerência nos assuntos internos da Rússia. Segundo a versão do Kremlin, as grandes manifestações que ocorreram nas últimas semanas em Moscovo, em sinal de protesto contra o impedimento da participação de militantes da oposição nas eleições municipais na capital russa, também têm a mão do exterior.

Aqui, Putin conta com o apoio do obediente Guennadi Ziuganov, dirigente do Partido Comunista da Federação da Rússia. Este afirma que os manifestantes “recebem milhares de milhões de rublos” do estrangeiro. O mais influente “marxista-leninista” russo despreza o papel das massas populares nas manifestações de protesto, preferindo juntar-se ao coro dos adeptos das “conjuras internacionais”.

Uma nova “cortina de ferro” desce na Rússia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)