Marcelo Rebelo de Sousa

A direita e a esquerda estão enganadas em relação a Marcelo /premium

Autor
  • Miguel Pinheiro
171

Há um número que está sempre na cabeça de Marcelo: 70,35%. Foi a percentagem que Soares conseguiu quando se recandidatou a Belém — e Marcelo quer superá-la. Depois de conseguir, tudo muda.

A direita e a esquerda estão enganadas em relação a Marcelo Rebelo de Sousa. Por razões diferentes, ambas acham que o Presidente vai manter eternamente a sua posição ambígua em relação a António Costa, que consiste em apoiá-lo com firmeza ao mesmo tempo que simula algumas vagas discordâncias de detalhe. Isto provoca apoplexias à direita, que se sente traída por um dos seus; e induz euforias à esquerda, que se sente abençoada por um adversário compreensivo.

Mas isto não vai durar. O comportamento do Presidente tem uma explicação e um contexto. Afinal, há um número que está sempre na cabeça de Marcelo Rebelo de Sousa. É este: 70,35%. Foi a percentagem de votos que Mário Soares conseguiu quando se recandidatou a Belém, em 1991 — e é essa a percentagem que Marcelo quer bater quando chegar a sua vez, em 2021.

É inteiramente possível que consiga. Afinal, apesar de ter tido o apoio do PS e do PSD na sua recandidatura, Soares precisou de enfrentar adversários vindos dos dois lados: à direita, lançado numa missão suicida pelo CDS, Basílio Horta vociferava nos debates ao lembrar a descolonização e a “pátria amputada”; à esquerda, Carlos Carvalhas fazia o seu teste de resistência política antes de tomar conta do PCP e Carlos Marques (não confundir com Karl Marx) tentava dar fôlego à UDP antes do nascimento do Bloco de Esquerda.

Agora, Marcelo tem a direita segura (apesar dos amuos) e, se conseguir o apoio do PS, como se lê nos jornais, precisará apenas de se preocupar com um candidato do PCP — que nestas coisas não falha — e com a eventual vaidade de Francisco Louçã — que, além de ser um comentador bem-comportado e um conselheiro de Estado engravatado, poderá sentir a vertigem de uma consagração nas urnas. Ou seja: Marcelo só não ultrapassa os 70,35% se Cristo descer à terra.

Mas convém não esquecer que Marcelo age — e agirá — como todos os Presidentes da República desde o 25 de Abril: no primeiro mandato, preocupa-se com a reeleição; no segundo mandato, preocupa-se com a História (com maiúscula). Ou seja: depois de conseguir os seus mais de 70,35%, tudo vai mudar. E é isso que a direita e a esquerda teimam em não perceber.

A direita tem um problema com Marcelo desde o 25 de Abril. Na revolução, não lhe perdoou as tentações esquerdistas. No governo Sá Carneiro, não lhe perdoou a independência do Expresso. Na governo Balsemão, não lhe perdoou a sucessão de traições. No Bloco Central, não lhe perdoou a independência de espírito. No cavaquismo, não lhe perdoou o distanciamento crítico. Na altura em que Marcelo foi líder do PSD, não lhe perdoou o fim abrupto da aliança com o CDS. No santanismo, não lhe perdoou o desgaste diário ao governo. No passismo, não lhe perdoou a autonomia. E agora, em Belém, não lhe perdoou o apoio à geringonça. Mas, perdoando ou não perdoando, gostando ou não gostando, quem não quer a esquerda a mandar está reduzido a isto: neste momento, a única direita viável e eficaz é Marcelo.

A esquerda ainda não tem um problema com Marcelo, mas vai ter. Os socialistas, pressentindo a sua própria fragilidade nas presidenciais, procuram apenas uma desculpa para faltarem à luta. Em 2006, o PS dividiu-se entre Mário Soares e Manuel Alegre; em 2016, dividiu-se entre Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa; em 2021, pode estilhaçar-se em mais pedaços por falta de rumo. Para evitar esse risco, António Costa parece preferir a repetição do que fez o primeiro-ministro Cavaco Silva em 1991 com Mário Soares e apoiar o adversário. Convém, porém, que os socialistas meditem num ponto: o voto do PSD em Soares foi uma ótima jogada eleitoral, mas foi uma péssima jogada política. Armado com uma esmagadora percentagem de votos, Mário Soares passou todo o segundo mandato a demolir o governo cavaquista. E nem com uma maioria absoluta foi possível resistir ao Presidente dos 70,35%. Antes de cair numa armadilha, António Costa devia fazer bem as contas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
1.097

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro
300

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)