Rádio Observador

Política

A direita em Portugal está com mais saúde do que a esquerda /premium

Autor
1.893

As esquerdas são hoje apenas máquinas de poder. O seu facciosismo mal disfarça a falta de vigor intelectual. A direita pode em breve ser a única a oferecer algo mais do que conformismo e dependência.

Não, não estou simplesmente a ser paradoxal, nem a esquecer-me de nada. São as esquerdas que têm a maioria na Assembleia da República e governam desde 2015. E graças ao BCE e a uma das melhores conjunturas internacionais desde o pós-guerra, não houve sondagem, até agora, que sugerisse que isso ia mudar. Também sei que do outro lado o céu está mais carregado. São as direitas que estão na oposição. São as direitas que ameaçam fragmentar-se. E, como seria de esperar, é à direita partidária que por vezes falha a confiança, como se deduz da estratégia do PSD de Rui Rio, de colagem ao PS.

Neste momento, a direita sofre de duas coisas. Por um lado, da maldição dos ciclos económico-orçamentais, que há vinte e cinco anos só a deixa governar em períodos de cortes e de recessão e a fez perder o pé no Estado, monopolizado pelas famílias socialistas. Por outro lado, do alargamento do leque de pontos de vista associados à direita, o que a pôs a discutir o que deve ou pode ser a direita. Ora, a primeira notícia não é necessariamente má, e a segunda é provavelmente boa.

Neste momento, o Estado parece tudo em Portugal. Ninguém imagina como competir eleitoralmente com um funcionalismo que a maioria de esquerda favoreceu à custa de tudo e de todos. Este Leviatã, porém, tem pés de barro. Está assente em dívida, numa pressão fiscal desproporcionada e em serviços em degradação. Não só pode falhar, mas o que pode dar é limitado. Gera também  cada vez maiores desigualdades (entre público e privado nas condições de trabalho, entre residentes estrangeiros e nacionais no regime fiscal). Rui Rio aspira a juntar-se ao PS para regressar ao Estado. Se essa opção não resultar, as direitas podem estar condenadas a reorganizar-se como movimentos e partidos da sociedade, como no tempo da AD, em 1979. Bem sei que Portugal não é o mesmo. Mas esta sociedade mais envelhecida, dependente e endividada, é também mais qualificada, e ainda talvez possa a vir a ter aspirações. As direitas vão precisar de aprender a falar-lhe, a ouvi-la e a mobilizá-la. Trabalho que, a ser feito, talvez lhe dê alguma vantagem competitiva perante esquerdas cada vez mais acantonadas num Estado inviável e desmoralizado.

Durante muito tempo, a direita tendeu a conter-se num situacionismo tecnocrático, como aquele que ainda define os comissários europeus. Queria-se não-ideológica. Interessava-lhe apenas passar por boa gestora do existente. Hoje, já não é bem assim. Nunca houve tantos liberais assumidos, há já nacionalistas, há também conservadores e — imagine-se – até debatem entre si. É algo de novo, e que, por isso, deixará alguma gente confusa nos primeiros tempos. Mas convém valorizar isto perante o cemitério intelectual à esquerda. A actual geringonça é feita dos fracassos políticos e ideológicos de quem pretendia sair do Euro (PCP), renegar a dívida (BE), estimular a economia com investimento público (PS), e que teve de abdicar de tudo isso depois de perder umas eleições dadas como ganhas. As esquerdas, submetidas a Bruxelas para tratarem das suas clientelas em Portugal, são hoje apenas máquinas de poder. A trovoada permanente do seu facciosismo mal disfarça a falta de visão e vigor intelectual. A direita, com esforço, pode em breve ser a única a oferecer algo para além da dieta de conformismo e de dependência da geringonça.

Digamos assim: as direitas queixam-se mais, mas as esquerdas estão mais doentes. É óbvio que as direitas podem sempre atascar-se em expedientes ou em querelas de aviário. Nem tudo o que desse lado existe é compatível, mas talvez tudo possa coexistir, se houver a percepção clara do inimigo comum (e nestes casos, é sempre o inimigo que une): o poder cínico de meia dúzia de famílias socialistas coladas ao Estado, com o apoio dos sindicatos comunistas e do activismo de extrema-esquerda. Para começar, as direitas precisam de acreditar que o país merece mais e precisa de mais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)