Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Medicina Dentária representa na sociedade portuguesa uma valência médica há muito esquecida pelos sucessivos governos, mas em particular pelo Governo do Dr. António Costa.

Não obstante o facto de terem sido lançados os afamados “cheques dentistas” durante a governação do “engenheiro” José Sócrates, nada mais foi feito ou pensado em prol das clínicas dentárias durante quase 50 anos de democracia. Uma coisa não foi esquecida: as taxas, os impostos, as licenças, as sucessivas alterações de legislação e de regulamentos, que nem a empresa de auditoria mais acutilante consegue acompanhar diariamente. A dificuldade de um corpo clínico em acompanhar estas regras impostas e inventadas à pressão, aliadas à falta de acompanhamento e esclarecimento por parte das entidades públicas, dificulta todo o processo de otimização de prestação de cuidados de saúde oral.

Esta pandemia não foi exceção à regra, no que à falta de atenção governamental diz respeito. Após o anúncio do primeiro estado de emergência, em 2020, as clínicas dentárias viram-se a braços com três dificuldades:

  1. São apanhadas de surpresa com a notícia de encerramento de serviços (exceto situações de urgência) de um dia para o outro, por indicação da DGS. Clínicas com cerca de 20 gabinetes e agendas estruturadas são obrigadas à remarcação de pacientes com tratamentos em curso, com prejuízo dos mesmos. Obrigou a uma reorganização relâmpago dos restantes recursos humanos, uma verdadeira “selva dentária” até então desconhecida de todos os profissionais, que tudo fizeram para garantir que os seus pacientes não saíam prejudicados com esta situação. Mas saíram. Não deveria ter sido dado mais tempo às clínicas para se readaptarem? Uma semana? Não, de um dia para o outro, em cima do joelho.
  2. Falta de EPI’s (equipamento de proteção individual). A ausência de meios de proteção individual para profissionais e pacientes tardou em chegar e aqueles que havia disponíveis para compra tiveram uma elevação dos preços de mercado a valores até então proibitivos e nunca imaginados. Fomos fazendo o melhor, reciclando o que era possível reciclar, usando até ao limite, sempre sujeitos ao risco de contaminação para nós e para com os nossos. Instaurámos protocolos, criámos procedimentos internos, sozinhos mais uma vez, a lei do desenrasca, e conseguimos, mais uma vez, ser um exemplo de preseverança solitária, que através de um forte e esforçado investimento em EPI’s garantiu a nossa segurança e a dos nossos doentes. Não deveria a DGS e outras autoridades competentes estarem atentas à especulação de mercado? Não deveria a DGS ter ajudado a criar um protocolo de EPI’s para atendimento dos pacientes? Não poderia ter sido criado um “mercado interno” de compras de EPI’s mais barato para todos? Comum a dentistas, farmácias, fisioterapeutas, etc.?
  3. Falta de apoios aos profissionais e sócios-gerentes das clínicas. Já estamos habituados à inércia do Estado em apoiar o privado, mas a celeridade em faturar impostos, essa não para. Nunca imaginámos que os sócios-gerentes das clínicas dentárias, que independentemente das contribuições mensais de IRC, IRS e Segurança social, IES, contribuição ERS e o diabo a quatro, fossem menos cidadãos ou tivessem menos direitos que os demais. Claro, são empresários ou dentistas, ganham bem, eles aguentam! Pois é, mas as contas das clínicas não se pagam sozinhas, os ordenados das assistentes, rececionistas e demais médicos dentistas por conta de outrem não caem do céu! Como é possível tardar em quatro a cinco meses o anúncio de medidas de apoio a sócios-gerentes? Os funcionários públicos viram sempre o seu ordenado garantido, mais do mesmo. No mês seguinte aos apoios, estranhámos uma contribuição para a Segurança Social tão elevada! Claro, afinal as ajudas do Estado eram cobradas pela Segurança Social um mês depois.

Quem melhor nos compreendeu foram os portugueses comuns, os nossos pacientes, que mais uma vez deram o exemplo de civismo, compreensão e humanismo. Se não fossem eles, provavelmente não valeria a pena o sacrifício. Mas o Governo nada saberá, porque humanismo, ética ou compreensão de Medicina Dentária não moram para os lados de S. Bento há muito tempo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR