Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Afinal, há mais especialistas do que se suspeitava na arte de gerar “dinheiro grátis”, dinheiro fácil ou resultante de pura especulação! Cheguei a pensar – e a aventar — que António Costa seria o mais arrojado e o mais competente dos especuladores, pelas provas dadas no sector imobiliário, cuja inflação (parece que agora se fala de “bolha”) lhe deu oportunidade de exibir a sua arte de bem cavalgar toda a sela. Na verdade, não é habitual ver-se um primeiro-ministro com tamanho domínio do mercado dos imóveis e com uma coragem na tomada de risco de uma envergadura tal que lhe permite fazer duplicar o valor de um imóvel no período de um ano. Claro que o caso passou despercebido e não comentado. Para a malta da esquerda, quando essa coisa criticável do mercado funciona para “um dos nossos”, no pasa nada.

Mas depois veio Robbles e o caso mudou de figura – digamos que mudámos de campeonato. A competência especulativa atingiu, aqui, altitudes estratosféricas — porque em vez de milhares, passámos a falar de milhões e também por outra razão. É que este foi o acontecimento que obrigou o Bloco de Esquerda a tirar a máscara e a mostrar que — a despeito da sua tradicional arrogância cheia-de-si-mesmo, moralista, acusadora e persecutória –, afinal era mesmo tudo hipocrisia. E a montanha da ideologia anti-especulativa e hiper-reguladora pariu um rato oportunista que defende sempre os seus amigos e fecha os olhos aos grandes negócios lucrativos, desde que quem lucra seja compagnon de route. Catarina Martins demonstrou, nessa altura, que todos os animais são iguais, mas – parafraseando a conhecida obra de Orwell sobre porcos triunfantes – alguns são mais iguais do que outros. A história repetiu-se segunda vez.

Para azar dos azares, e em tempos de encarceramento de Armando Vara e de pressão generalizada sobre a quadrilha, apontam agora os holofotes para o PCP e Jerónimo de Sousa. O simpático, austero e impoluto camarada Jerónimo, que lidera com mão de ferro o partido que – disse Mário Centeno – é confiável e fiel à sua palavra, ao contrário do Bloco.

Bem sei que Jerónimo nada terá feito de condenável, uma vez que o escândalo dos ajustes directos em Loures apenas respeitará ao seu genro. Mas a força política que governa o município é por si sustentada e é, aliás, encabeçada pelo seu delfim Bernardino Soares (um Bernardino nunca vem só…), putativo candidato à sucessão no Partido Comunista e que adjudica contratos de prestação de serviços em obediência “aos preços de mercado”, como esclareceu o próprio. Desde que se preencha que pressuposto? Pois, adivinharam – desde que seja a “um dos nossos”. Como não há duas sem três, volta a dar jeito o mercado e o tudo se desculpa “aos nossos”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ora, tal como Catarina Martins gaguejou e de permeio se insurgiu contra o topete dos jornalistas e o atrevimento de questionarem a lisura do autarca-modelo Robbles (em lugar de admitir e conceder, como depois fez, tarde, perdendo a oportunidade de demonstrar humildade e recta intenção), é agora a vez de o PCP se revoltar e clamar contra os desmandos de uma comunicação social primariamente anti-comunista (SIC!).

E não é que o bom velho PCP — muito por pressão dos bloquistas, residentes, como é sabido, no Olimpo da moralidade — cai na armadilha e vem altivamente, ainda que acossado, informar o mundo que “ainda que se pudesse dispensar de o afirmar, Jerónimo de Sousa e o PCP pautam a sua atitude, como é notório e reconhecido, por critérios e opções de elevada exigência ética, de honestidade e recusa de benefícios pessoais na sua acção política”?

O que têm estas histórias em comum? O que as liga a Armando Vara e às facilidades dos créditos da Caixa Geral de Depósitos que depois um dia alguém há-de pagar? É isto: dinheiro fácil; dinheiro grátis; dinheiro sem escrutínio. Em cumprimento do ditame programático do “tudo para todos” — desde que “todos” sejam “os nossos”.

Costa, Catarina, Jerónimo e seus amigos? Tudo está claro. Tudo branqueado e em breve esquecido, não vá esta aparência de picardia prejudicar a montagem de nova geringonça – mais potente, mais lubrificada, mais certeira no alvo dos neo-liberais que endeusam o lucro, diabolizam o Estado e protegem os mercados. O presidente do Eurogrupo que se cuide…

A esquerda portuguesa passou de esquerda caviar a esquerda Colgate, especialista no branqueamento não apenas dos dentes, mas de tudo o que façam “os nossos”.