Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 1998, o jornal neerlandês NRC Handelsblad recrutou o historiador Geert Mak para viajar pela Europa e escrever sobre os efeitos do século XX nas suas cidades. O trabalho foi um êxito local e os textos acabaram por ser reunidos num livro nunca por cá editado, com o título “I Europe: Travels Through the Twentieth Century”, que rapidamente se tornou parte do cânone do sentimento europeísta.

A Europa que Mak encontrou era ainda uma tentativa de ligar os pontos de um período brutal, onde a memória ocupava um espaço colossal e incómodo. Esses europeus já não se lembravam das vitórias que aquietaram os primeiros anos de 1900 e faziam o melhor para esquecer e construir por cima das tragédias que se seguiram.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.