Crónica

A extracção

Autor

Para eu poder conhecer um segredo de alguém tenho de ser capaz de formular as premissas de um raciocínio de que não conheço a conclusão; ou os termos de um problema para que não conheço a solução.

Como tirar nabos da púcara? A extracção apresenta dificuldades. Quando é imperceptível os resultados são desultórios; quando é ostensiva são nulos. Tentou-se historicamente uma série de métodos. A tortura e as confissões forçadas têm um alcance muito limitado, e tendem a matar a galinha dos ovos de oiro; e aliás a galinha. A obtenção ilegal de dados é ilegal. As perguntas directas são francas e não causam vítimas: mas há uma relação muito antiga entre perguntas francas e respostas falsas. Todos estes insucessos tornam mais necessário um método alternativo.

A teoria do físico é para muitos o candidato mais plausível a método alternativo. Num filme antigo, um físico tenta extrair um segredo de outro físico. O seu único trunfo é saber falar como um físico. Sabe assim como interessar um físico por aquilo que está a dizer. Vai ter com o outro físico e começa a falar como um físico. O outro físico entusiasma-se e corrige o primeiro; ao fazê-lo revela o segredo. Nesse momento, o primeiro físico faz durante um segundo uma cara espantada, exactamente igual às que nós fazemos quando ficamos espantados. O segundo físico percebe: “Você não me estava a dizer nada.” Mas era tarde demais: o segredo tinha já sido extraído.

A teoria do físico descreve-se do seguinte modo: se conseguirmos fazer alguém acreditar que estamos a descrever aquilo em que está a pensar, essa pessoa tenderá também a imaginar que quem o consegue fazer tão perfeitamente não pode ser uma outra pessoa; não haverá assim qualquer razão para ter segredos para essa pessoa. Terá o primeiro físico então convencido o segundo físico de que não era outra pessoa? A teoria é estapafúrdia. A extracção de nabos de púcaras é sempre um processo em que alguém é enganado. Requer pois uma outra pessoa: é impossivel enganarmo-nos a nós próprios.

No entanto aquilo que se passa no filme não é apenas, ou exactamente, um exemplo de um físico a enganar outro físico: e por uma razão que passou despercebida a ambos os físicos, e que a teoria do físico não contempla. A razão é a seguinte: para eu poder conhecer um segredo de alguém tenho de ser capaz de formular as premissas de um raciocínio de que não conheço a conclusão; ou os termos de um problema para que não conheço a solução. O meu sucesso deve-se assim não ao facto de eu conseguir enganar outra pessoa mas a haver uma relação entre premissas e conclusão ou entre termos e solução que não depende de mim. É essa relação que permite a extracção. É por isso que, como observou alguém, se conseguimos fazer uma pergunta também normalmente lhe conseguimos responder. Ambos os físicos do filme se enganaram: o primeiro físico enganou-se porque achou que não sabia uma coisa que afinal sabia; e o segundo físico enganou-se a respeito do primeiro físico.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Os brasileiros que me envergonham

Ruth Manus
3.609

Existe uma leva de brasileiros que há 10 ou 15 anos se mudaria para Miami, mas que agora decidiu vir para Portugal para “se livrar do terceiro mundo”. Têm muito dinheiro, mas pouco na cabeça. 

Crónica

É difícil ser adulto em Portugal

Ruth Manus
1.470

A vida é levada muito mais a sério pelos portugueses do que pelos brasileiros. Por isso, em Portugal, quando abandonamos a infância temos que abandonar tudo o que se relacionava com ela. 

Crónica

Crónica pascal: a raiz quadrada de zero

Paulo de Almeida Sande
142

A vida é um mosaico sem fim de rostos como os nossos, da nossa gente, boa ou má. Mas o ódio e o amor não se devem confundir, sob pena de ser zero a sua soma. E o zero não se multiplica, nem se divide.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site