Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Congresso do Partido Comunista Português foi um evento impressionante. Pelo planeamento sem falhas, pelo respeito escrupuloso do afastamento social, pelo zelo no uso das máscaras e na aplicação das medidas de higiene, via-se bem que estávamos num congresso comunista organizado durante a pandemia. Pelas intervenções, dir-se-ia que a pandemia era a gripe espanhola de 1918. Montaram um grande aparato de segurança, mas sem necessidade. Os comunistas estão imunes ao contágio, uma vez que a Covid está em 2020 e os comunistas em 1920.

Devo dizer que foi com grande satisfação que passei uma tarde a ouvir os delegados. Na espiral de incerteza em que vivemos, é reconfortante saber que ainda há faróis de coerência por onde nos podemos nortear. O comunismo nunca muda e os comunistas não têm pejo em afirmá-lo. Gabo-lhes a constância dos princípios. São contra a propriedade privada e também contra a impropriedade privada: tudo o que têm a dizer que seja inconveniente, dizem-no em público.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.