Rádio Observador

Politicamente Correto

A festa do cone iluminado

Autor
9.405

O bolo rei já não tem brinde. A Bela Adormecida ficou sem beijo porque o príncipe foi acusado de abuso. A fruta não tem bicho. O Natal ficou sem Menino Jesus e tornou-se a festa do cone iluminado.

De repente no meio da rua lá está aquela tranquitana metalico-luminosa a que chamamos árvore de Natal. E foi perante aquele cone iluminado, artefacto que nos sobrou devidamente expurgado de tudo o que possa identificar aquilo que somos, o que sentimos, o donde vimos, que me dei conta de como em nome da segurança, da tolerância, da saúde e de sei lá mais o quê estamos a criar um mundo faz de conta. Um mundo em que:

O bolo rei já não tem brinde.

O iogurte ficou sem lactose.

As natas perderam a gordura.

O leite vem da soja e não das vacas.

Os doces ficaram sem açúcar.

Os bolos não têm farinha.

O café perdeu a cafeína.

A manteiga ficou magra.

O pão não tem glúten.

O circo ficou sem leões, depois sem elefantes e agora sem animais.

A humanidade ficou sem sexos e dizem que está perder o interesse pelo sexo.

O namoro ficou sem palavras por causa do assédio.

A Bela Adormecida ficou sem beijo porque o príncipe foi acusado de abuso.

A Capuchinho Vermelho já não é salva pelo caçador que também deixou de caçar e o lobo ficou vegetariano.

Os maridos e as mulheres passaram a cônjuges.

Os parques infantis ficaram sem escorregas de verdade. E alguns sem baloiços.

Chama-se a televisão em vez da polícia.

Os brinquedos ficaram sem graça mas estão cheios de didatismo.

As crianças não têm tempo para não fazer nada.

A má educação tornou-se bullying.

Os pátios das escolas já não têm árvores nem terra.

As gaiolas ficaram sem grilos.

Os filhos não têm pai nem mãe mas sim progenitores.

As feiras não têm graça.

O atirei o pau ao gato ficou sem letra.

A mentira tornou-se inverdade.

A culpa é alegada.

A verdade inconveniente.

O artesanato é certificado.

A fruta não tem bicho.

Brincar é uma actividade devidamente monitorizada.

Os filmes não contam histórias, ilustram teses.

As universidades tornaram-se uma liga de costumes.

As coisas deixaram de ser o que são para se tornarem num dado a avaliar consoante o seu enquadramento numa perspectiva condicionada por diversas valências.

Tudo é relativo.

O Natal ficou sem Menino Jesus e tornou-se a festa do cone iluminado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Salazar

O lugar do morto /premium

Helena Matos
911

Em Santa Comba, a imagem da campa rasa de Salazar tem uma clara leitura política: morreu pobre o homem que esteve 40 anos no centro do poder em Portugal. 

Ambiente

O corpo humano no planeta do bom tempo /premium

Helena Matos
376

O corpo humano desumaniza-se. Já o corpo dos animais gera ternura, carinho e tudo nele obedece a esse mantra do nosso tempo: ser natural num planeta em que o clima oficial é um eterno bom tempo.

Politicamente Correto

Se eu tivesse um jornal

Vítor Cunha
259

Talvez não me importe com o que o leitor pensa ou, então, não me importo é com o que a dita intelligentsia pensa de mim, até porque se há coisa que a intelligentsia abdica é de pensar seja o que for.

Politicamente Correto

Morte aos epicenos e a quem os apoiar!

José Ribeiro e Castro
410

Nunca agradeceremos bastante à 13ª Legislatura por jorrar luz nos pedregosos caminhos da gramática nacional, varrendo o obscurantismo das letras e expurgando de formas traiçoeiras a escrita patriótica

Liberdades

Também tu, Universidade de Harvard?

Luís Ribeiro
190

Viver na espuma dos acontecimentos, sem aprofundar as consequências, leva a isto: cai um preconceito, mas é logo substituído por outro. O preconceito racial é substituído pelo preconceito do #MeToo.

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)