Politicamente Correto

A festa do cone iluminado

Autor
9.405

O bolo rei já não tem brinde. A Bela Adormecida ficou sem beijo porque o príncipe foi acusado de abuso. A fruta não tem bicho. O Natal ficou sem Menino Jesus e tornou-se a festa do cone iluminado.

De repente no meio da rua lá está aquela tranquitana metalico-luminosa a que chamamos árvore de Natal. E foi perante aquele cone iluminado, artefacto que nos sobrou devidamente expurgado de tudo o que possa identificar aquilo que somos, o que sentimos, o donde vimos, que me dei conta de como em nome da segurança, da tolerância, da saúde e de sei lá mais o quê estamos a criar um mundo faz de conta. Um mundo em que:

O bolo rei já não tem brinde.

O iogurte ficou sem lactose.

As natas perderam a gordura.

O leite vem da soja e não das vacas.

Os doces ficaram sem açúcar.

Os bolos não têm farinha.

O café perdeu a cafeína.

A manteiga ficou magra.

O pão não tem glúten.

O circo ficou sem leões, depois sem elefantes e agora sem animais.

A humanidade ficou sem sexos e dizem que está perder o interesse pelo sexo.

O namoro ficou sem palavras por causa do assédio.

A Bela Adormecida ficou sem beijo porque o príncipe foi acusado de abuso.

A Capuchinho Vermelho já não é salva pelo caçador que também deixou de caçar e o lobo ficou vegetariano.

Os maridos e as mulheres passaram a cônjuges.

Os parques infantis ficaram sem escorregas de verdade. E alguns sem baloiços.

Chama-se a televisão em vez da polícia.

Os brinquedos ficaram sem graça mas estão cheios de didatismo.

As crianças não têm tempo para não fazer nada.

A má educação tornou-se bullying.

Os pátios das escolas já não têm árvores nem terra.

As gaiolas ficaram sem grilos.

Os filhos não têm pai nem mãe mas sim progenitores.

As feiras não têm graça.

O atirei o pau ao gato ficou sem letra.

A mentira tornou-se inverdade.

A culpa é alegada.

A verdade inconveniente.

O artesanato é certificado.

A fruta não tem bicho.

Brincar é uma actividade devidamente monitorizada.

Os filmes não contam histórias, ilustram teses.

As universidades tornaram-se uma liga de costumes.

As coisas deixaram de ser o que são para se tornarem num dado a avaliar consoante o seu enquadramento numa perspectiva condicionada por diversas valências.

Tudo é relativo.

O Natal ficou sem Menino Jesus e tornou-se a festa do cone iluminado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Estado

Até quando? /premium

Helena Matos
1.517

Ninguém fala pelos contribuintes. Esses invisíveis que na sua mansidão tornam possível o populismo de quem promete o insustentável às suas clientelas eleitorais.

Feminismo

Culpado por ser português /premium

Luís Aguiar-Conraria
2.026

Não interessa o que se passou no court de ténis. Para saber que Carlos Ramos é culpado basta ter dois dados em conta: 1º, Serena Williams é uma mulher negra; 2º, Carlos Ramos é um português branco.

Politicamente Correto

Portuguesas e portugueses /premium

Rita Fontoura
161

Todos nos chocamos com a separação de crianças dos seus pais que se encontram ilegalmente num país, mas fazem-se leis que legitimam a possibilidade de se afastar definitivamente uma criança da sua mãe

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)