Uma palavra que vem à cabeça quando se olha um pouco à nossa volta é: regressão. Na televisão, na ideologia, em muito discurso político, um pouco por todo o lado, volta-se atrás nas formas e nos conteúdos. Quase até à infância.

Comecemos pela ideologia. Sob a capa da novidade e da juventude, movimentos como o Syriza representam um retorno a formas arcaicas de pensar a sociedade e de lidar com a realidade. Há sem dúvida razões apontáveis para que tais movimentos tenham sucesso. Entre outras, a corrupção das elites políticas e, de uma forma muito significativa, o abalo provocado pelo sentimento de perda de soberania a que a chamada “construção europeia” conduziu muitos cidadãos dos Estados-Membros. Resta que a regressão ideológica que se observa – simétrica, de resto, do utopismo de muitos aspectos da dita “construção” – é deprimente e tendencialmente catastrófica, já que corresponde a uma negação daquilo que Freud chamava “princípio da realidade”.

O princípio de realidade manifesta-se, entre outras coisas, no reconhecimento de uma realidade exterior que não depende de nós; na aceitação de uma mediação entre o desejo e a sua satisfação; na dúvida quanto à justeza da nossa representação das coisas; na ideia de um compromisso entre os nossos desejos e as formas presentes da sociedade; e, finalmente, na ideia de uma imparcialidade que nos permita avaliar o acordo ou o desacordo das nossas representações com a realidade exterior.

Ora, se há coisa que o Syriza nos tem deprimentemente habituado desde a sua eleição, maximamente na figura do inenarrável ministro Varoufakis, é a uma minuciosa e repetida violação do respeito por cada uma destas condições. De nada são responsáveis; de mediações (se se quiser, cedências) para a satisfação do desejo, nem ouvir falar; nenhumas dúvidas quanto à justeza da sua representação do estado das coisas; recusa sistemática de qualquer compromisso com a União Europeia; e, consequentemente, absoluta incapacidade de toda e qualquer forma de imparcialidade na apreciação da relação das suas propostas com a realidade.

Acrescenta-se a isto aquela relação infantil com a linguagem, como se esta possuísse mágicos poderes. Já não há troika, há “instituições” (já agora: porque não substituir “austeridade” por outro nome?). A questão da linguagem é, de facto, tudo menos despicienda. A linguagem é sem dúvida um dos meios mais eficazes para nos fazer sair para fora da realidade e de fingir que ela não existe. Nessa função, em alguns casos ela pode ser, é verdade, sublime. Noutros, infelizmente a maioria, pura e simplesmente deprimente. Com o Syriza é deprimente.

Aquilo que vale para o Syriza vale, sob forma mais suave, para vários outros discursos políticos. Sempre que o apelo ao sonho e à utopia se tornam recorrentes, é sinal que os mecanismos regressivos estão a funcionar. A realidade tende a eclipsar-se ou a dissolver-se no próprio discurso, deixando, em termos práticos, de existir. O discurso basta-se a si mesmo e, por um passe de mágica, pretende ser a prova da sua própria justeza. É regressão mesmo. E é também deprimente.

Descansemos da política e vejamos televisão. Mas o espírito da “Casa dos Segredos” parece ter tomado quase conta de tudo, em particular dos telejornais. E a “Casa dos Segredos” propriamente dita, como certamente concordará quem alguma vez a tiver visto, é um exercício de regressão em estado puro. A vida do espírito reduz-se à sua dimensão mínima. Uma pessoa apanha-se a ver ali corpos que falam, ou não falam, sem que haja qualquer propósito de felicidade na coisa. Um pouco como na pornografia.

Dizer isto não é, note-se, uma condenação moral. Longe de mim “condenar” a “Casa dos Segredos” – ou a pornografia. Ficando por esta última, há muitas coisas “pró” e “contra” que se podem avançar sobre ela, e um dos mais ilustres filósofos morais do nosso tempo, Bernard Williams, dedicou-se com atenção a discutir a questão. O tópico é, de resto, um daqueles que continua a suscitar, nos filósofos que se ocupam de questões éticas, debates vários. O problema da pornografia é que, no culminar da regressão, infantiliza em absoluto. Para falar de novo como Freud, reconduz-nos ao estado da “investigação sexual infantil”. É esse, e não os problemas morais propriamente ditos, o seu problema central. De uma certa forma, a pornografia é o modelo de toda a regressão. Mas, apesar de tudo, a regressão pornográfica é matéria privada e dela não vem mal ao mundo. Cada um faz como quer e está muito bem. Ninguém tem nada a ver com isso. Como ninguém tem nada a ver com que se veja, ou não, a “Casa dos Segredos”.

O mesmo certamente não pode ser dito das formas regressivas que agitam a sociedade. São regressões sublimadas, mas são regressões à mesma. Tendem, por regra, à indistinção entre o desejo e a realidade, ao onirismo, à imediatidade da satisfação, à ilusão da omnipotência do pensamento, à convicção no poder mágico das palavras e outras coisas assim. E muito mal costuma vir ao mundo de tudo isso junto. Quando os discursos políticos e as acções políticas vão por esse caminho, uma coisa é certa: a trapalhada vem aí.

E a trapalhada anda por aqui.