Rádio Observador

União Europeia

A habilidade de Costa não passa de Badajoz /premium

Autor
861

Costa aceitou uma decisão de um directório de países, grandes e ricos, e onde estava a Espanha. Seguiu-os até ao ponto onde já não havia ninguém para seguir. Um verdadeiro desastre de política externa

António Costa aproveitou a escolha dos lugares cimeiros na União Europeia para fazer propaganda política a pensar nas eleições de Outubro. Começou por aparecer como o grande promotor de uma espécie de geringonça europeia para derrotar o PPE em Bruxelas. Seria uma espécie de repetição do que aconteceu em Portugal em 2015. Deu a entender que teria sido convidado para um dos lugares cimeiros, quando nunca foi considerado. E acabou, de um modo deselegante – que aliás o caracteriza — a atacar Donald Tusk, tentando responsabilizá-lo pelo seu (de Costa) fracasso europeu. Pelo meio, portou-se como um líder socialista, e não como PM português, prejudicando os interesses nacionais e atraiçoando princípios fundamentais da política europeia de Portugal.

O que aconteceu entre Osaka e Bruxelas na última semana? Antes de mais, uma coligação entre Macron e os socialistas acabou com as hipóteses do candidato oficial do PPE, Manfred Weber, chegar a Presidente da Comissão Europeia. Os partidos de direita foram os culpados porque escolheram um candidato sem as qualificações mínimas para o lugar. Não é possível, nem desejável, chegar ao topo da Comissão sem qualquer experiência executiva. Obviamente, Merkel e o PPE não podiam deixar cair Weber sem lutar, e foi isso que fizeram.

A estratégia do PPE foi um exemplo de realpolitik bem sucedido. Depois de deixarem cair Weber, decidiram acabar com as esperanças de Frans Timmermans, o candidato socialista, com uma estratégia que confundiu quase todos. Enquanto, aparentemente, Merkel apoiava Timmermans, o resto do PPE opôs-se ao socialista holandês. Com a sua experiência política, Merkel percebeu que a melhor maneira de travar Timmermans seria simular o apoio. Merkel conhece demasiado bem a política europeia para saber que uma solução como a de Osaka nunca poderia ser aceite pelo Conselho Europeu. Uma espécie de directório europeu reuniu-se nas margens da Cimeira do G20, regressou a Bruxelas e tentou forçar os restantes governos a validarem a escolha dos ‘grandes’. Como foi possível que tanta gente, sobretudo em Portugal, julgasse que isto poderia funcionar? Não aprenderam nada com o que se passou em 2004?

Em 2004, os então Presidente francês, Jacques Chirac, e o Chanceler alemão, Gerard Schroeder, tentaram impor aos outros países Guy Verhofstadt como Presidente da Comissão. Obviamente, os restantes países não aceitaram e, liderados por Blair e Berlusconi, escolheram Durão Barroso para a Comissão. Quem não se esqueceu do que aconteceu há uma década e meia foi Merkel. Na altura, era líder da CDU na oposição e desempenhou um papel central para a escolha de Durão Barroso. Criticou o Chanceler do seu país por tentar obrigar os outros a aceitarem uma solução franco-alemã e insistiu que o Presidente da Comissão deveria ser do grupo mais votado no Parlamento, o PPE, tal como agora.

Passados quinze anos, quando regressava do Japão, Merkel sabia que a maioria dos Estados membros nunca aceitariam a solução de Osaka. A União Europeia não funciona com directórios que decidem em encontros fora da Europa e depois forçam todos os outros a obedecerem em Bruxelas. Na noite de domingo passado a maioria dos Estados membros acabou com a candidatura de Timmermans sem que Merkel fizesse alguma coisa para o impedir. Depois foi uma questão de tempo até os outros membros do grupo de Osaka aceitarem o inevitável.

Macron deixou cair Timmermans para ter Christine Lagarde no BCE. Aliás, ao mesmo tempo que defendia Timmermans, o Presidente francês discutia outras soluções com os alemães, como Lagarde na Comissão e Weidmann no BCE ou, a que acabou por prevalecer, Ursula von der Leyen em Bruxelas e Lagarde em Frankfurt. O PM holandês, Mark Rutte, deixou cair Timmermans para ter um liberal no Conselho Europeu, Charles Michel. E Pedro Sanchez deixou cair o camarada Timmermans para enviar o seu MNE, Josep Borrell, para Bruxelas como Alto Representante. Só António Costa, completamente enamorado da ideia de ser o pai de uma geringonça europeia e apenas preocupado com as eleições de Outubro, é que não percebeu o que se ia passando e ficou no final de tudo abandonado por todos. Todos ganharam alguma coisa, menos Costa. Até Sanchez conseguiu um lugar cimeiro para a Espanha.

Nada disto seria preocupante se Costa não fosse o PM português. A sua função é defender os interesses nacionais e não os desejos dos socialistas. Costa colocou-se completamente contra a Alemanha – veremos agora o preço a pagar quando a nova Presidente da Comissão atribuir a pasta ao Comissário português – juntou-se a Macron e a Sanchez, que o abandonaram quando já não precisaram dele.

Para terminar, resolveu atacar Donald Tusk. Tal como Merkel, e até coordenado com a Chanceler alemã, o Presidente do Conselho Europeu sabia que a solução de Osaka nunca poderia ser aceite pelos restantes países da União Europeia. Mais, Tusk achava que não seria desejável que tal acontecesse, e esteve muito bem. Além disso, Costa deveria saber tudo o que Tusk fez em Julho de 2015 para impedir que a Grécia saísse do Euro. Naquela longa noite do Verão de 2015, foram Tusk e Merkel que ajudaram Tsipras para impedir a saída da Grécia. Mais, Costa sabe o papel positivo e construtivo que Tusk tem desempenhado no processo do Brexit, ajudando a manter a unidade da UE e evitando a radicalização de posições entre Bruxelas e Londres.

Mas o pior de tudo foi a traição de Costa a um princípio elementar da diplomacia portuguesa: a oposição aos directórios dos grandes ou dos ricos. Costa aceitou uma decisão de um pequeno directório de países, grandes e ricos, e onde estava a Espanha. Seguiu-os até ao ponto em que já não havia ninguém para seguir. É o que se chama um desastre de política externa. António Costa não consegue ser mais do que um líder partidário. Nunca será um estadista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Os idiotas úteis da esquerda /premium

João Marques de Almeida
1.425

Pacheco Pereira e Marques Lopes querem fazer carreira na comunicação social como os cronistas de direita que atacam a direita. Eles querem ser a “direita” que a esquerda gosta.

Igualdade

Mulheres no poder /premium

João Marques de Almeida
304

O feminismo transformou a causa justa da igualdade de oportunidades na visão radical da “igualdade de género”. A igualdade de género é um disparate, é falsa e visa alcançar outros objectivos políticos

Verão

(Não) ir à praia /premium

João Marques de Almeida
1.114

Já nem sei o que fazer na praia. Não é confortável para ler, não posso ver filmes nem ouvir música, a comida dos bares não presta, e prefiro conversar com pessoas quando estão vestidas e não semi-nuas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)