Rádio Observador

PCP

A História os absorverá /premium

Autor
  • José Diogo Quintela
2.304

Termos partidos leninistas e trotskistas a conviver com pessoas comuns é um luxo para o cidadão português interessado em História. É como um paleontólogo ter um Brontossauro de estimação no quintal.

A manchete do Expresso anuncia que as “Escolas estão a cortar aulas de História”. Noutro sítio qualquer, seria razão para alarme. Em Portugal, não. Aulas de História para quê? No nosso país não é preciso, a actualidade é uma lição de História viva. Ainda hoje o site Polígrafo publicou uma entrevista com Jerónimo de Sousa que, para quem não se lembra o que é o comunismo, faz a revisão da matéria dada desde 1917.

Noutros países, os miúdos são obrigados a empinar o que vem nos livros, aqui basta ver um bocadinho do telejornal. Termos partidos leninistas e trotskistas a conviver com pessoas comuns é um luxo para o cidadão português interessado em História. É como um paleontólogo ter um Brontossauro de estimação no quintal.  A oportunidade de observar um fóssil em carne e osso compensa bem o tamanho dos cocós.

Desta vez, quando o entrevistador lhe colocou a questão “Incomoda-o o facto de a Coreia do Norte não ser uma democracia?”, Jerónimo de Sousa, qual mestre-escola, não enjeitou a oportunidade para leccionar a disciplina “História da confusão deliberada que o comunismo faz com o conceito de Democracia”, da qual, enquanto Secretário-Geral do PCP, é Professor Jubilado. O método pedagógico consiste em fugir com o rabo à seringa, actividade em que os comunistas são peritos. Em países onde não mandam, fazem-no metaforicamente; nos países em que mandam, fazem-no literalmente, porque falta os medicamentos que se injectam no rabo.

Como bom professor, Jerónimo não se limitou a debitar a matéria. Interpelou também os seus pupilos, estimulando-lhes o espírito crítico: “O que é a democracia? Primeiro tínhamos de discutir o que é a democracia”. Trata-se, de facto, de uma excelente questão. Sim, o que é a democracia? Quem possui certezas? Eu possuo algumas, o leitor possuirá outras. Nas democracias é assim, é permitido possuir coisas.

Eu diria que a democracia é um regime em que um cidadão pode, numa entrevista a um meio de comunicação social não Estatal, sem supervisão da polícia política, questionar o que é a democracia, sem que lhe aconteça nada de especial além de ser alvo de chacota numa internet livre onde as pessoas dizem o que lhes apetecer. Será que Jerónimo de Sousa poderia fazer a mesma pergunta na Coreia do Norte? E, mesmo que pudesse, será que algum norte-coreano teria algo de interessante para responder? É provável que não. Num país onde não há democracia, uma pessoa sabe pouco sobre o regime que a governa. Em compensação, o regime sabe tudo sobre essa pessoa.

Embora evite classificar a democracia norte-coreana, Jerónimo de Sousa não tem problemas em dar a sua opinião sobre a democracia portuguesa. Acha que é atrasada. É o que se conclui quando diz que o “PCP defende uma democracia avançada” para o nosso país. “Democracia avançada” cheira a um daqueles eufemismos estalinistas para “ditadura”. Provavelmente, também usam “dieta avançada” para “fome”, “campo de férias avançado” para “gulag” ou “locomoção avançada” para “tetraplegia”. Vou confirmar no Avante! Aliás, no “jornal avançado”.

Jerónimo de Sousa, sejamos justos, admite que há diferenças e até, imagine-se!, divergências entre o PCP e o afável Kim Jong-un, nomeadamente em relação ao caminho para o socialismo. Parece que o Waze marxista propõe trajectos alternativos para cada um dos países, tendo em conta as realidades culturais e históricas de cada povo. Faz sentido. Por exemplo, em prol do bem comum, a Coreia do Norte tem uma lista de 15 cortes de cabelo autorizados. Um Portugal comunista, por via da variedade morfológica dos portugueses, não abdicaria de, pelo menos, 23. Menos que isso seria bárbaro. Mas são diferenças de pormenor. 15 ou 23, o importante é que todos os cortes homologados permitam ao bom comunista pentear a melena de forma a esconder as orelhas de burro.

Mas percebo Jerónimo de Sousa. Se eu fosse Secretário-Geral do PCP também não reconheceria as atrocidades praticadas em regimes comunistas. Era o reconheces! Jerónimo luta pela fundação de um regime comunista. Quando isso suceder, vai haver o habitual ajuste de contas com desalinhados. “Com que então a Coreia do Norte não é exemplar?”, perguntará o controleiro ao tresmalhado Jerónimo. “Insinuas que mandam dissidentes para campos de trabalho, até morrer? Por causa dessa dissidência vais para um campo de trabalho, até morrer!” Jerónimo fez bem em disfarçar. Nunca se sabe o dia de amanhã. Sobretudo, do que canta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Cocóspotting /premium

José Diogo Quintela
1.892

Daniel Nunes, o amigo do filho de António Costa, é um Fiscaliza Fezes. Recebe 1300 euros por mês para fazer cocóspotting. Deve ser, ao dia de hoje, dos Assinala Detritos mais bem pagos do país.

Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)